Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Hora do Planeta

07
Nov16

Konferénsia ONU nian hahú ona hodi "avansa ba asaun klimátiku"

SAPO TL

Konferénsia ONU nian ba dala 22 kona-ba alterasaun klimátiku (COP22) hahú ona, halibur ema rihun 20 resin, iha Maroko, hodi konkretiza kompromisu sira ne'ebé asumi ona iha Akordu Paris nian, hasoru akesimentu global. 


 



Bandeira sira hosi nasaun sira ne'ebé partisipa iha Konferénsia ONU nian (COP22) iha Marrakesh, Maroko. Foto@ Mohamed Messara / EPA




"Marrakesh hanesan momentu ida hodi avansa ba asaun klimátiku", hatete hosi responsável ba Klima iha ONU, Patricia Espinosa, bainhira loke konferénsia, hodi apela ba nasaun sira hodi foti lalais medida sira.


 


Konferénsia ba dala 22 hanesan oportunidade ida "hodi inventa mundu futuru ida no konsege justisa klimátiku ida2, deklara ona hosi Ségolène Royal, ministra Ambiente Fransa nian no prezidente hosi simeira ne'ebé apoia Akordu Paris nian, iha tinan liubá, ne'ebé asina hosi Estadu hamutuk 192 no ratifika tiha ona hosi nasaun atus resin.


 


"Ha'u halo apelu ida ba nasaun sira ne'ebé seidauk ratifika [Akordu Paris nian] hodi halo ratifikasaun to'o tinan ne'e nia rohan", nia insisti.


 


Xefe diplomasia marokinu nian, Salaheddine Mezouar, ne'ebé prezidi COP22, apela ona ba mundu hodi "mantén espíritu" Paris nian, ne'ebé signifika ona "mobilizasaun ida ne'ebé nunka akontese", ne'ebé hatudu iha akordu ne'ebé adopta iha tinan 2015 nia rohan.


 


"Buat ne'ebé maka tenki trata la'ós de'it alterasaun klimátiku maibé kestaun ida sivilizasaun nian no dezenvolvimentu ekonómiku", nia hatutan hodi apela ba nasaun sira atu "iha liu ambisaun".


 


Ministru marokinu subliña mós "responsabilidade koletivu" hodi hatán ba nesesidade sira hosi nasaun sira ne'ebé fraku, hodi konfirma deklarasaun sira hosi ministra franseza, ne'ebé fó hanoin katak "Áfrika hanesan kontinente ida ne'ebé terus liu ho alterasaun klimátiku sira ne'ebé mosu la'ós hosi sira nia responsabilidade".


 


Negosiadór sira iha asuntu oioin hodi konkorda, hodi hala'o paktu ne'e, liuliu ba definisaun hosi regra sira transparénsia nian, aprezentasaun hosi estratéjia nasional sira to'o tinan 2050 no tulun finanseiru ba nasaun sira ne'ebé iha dezenvolvimentu.


 


Regra sira transparénsia nian iha relasaun ho informasaun sira ne'ebé nasaun sira tenki fó kona-ba esforsu sira hodi fó limiti ba sira nia emisaun no progresu sira iha tulun finanseiru públiku sira.


 


Hamutuk ho transparénsia maka'as, akordu hakarak haree ba reforsu ida hosi planu asaun nian hosi nasaun ida-idak, hodi limita akesimentu global ba +2°C aas liu hosi nível pré-industria sira nian.


 


Aleinde objetivu sira hodi limita akesimentu ba +2ºC, Akordu Paris nian hakarak atu nasaun sira hala'o "esforsu tomak ne'ebé presiza" hodi labele ultrapasa 1,5 grau Celsius, evita nune'e "impaktu sira ne'ebé aat liu hosi alterasaun klimátiku sira nian".


 


Maibé, kompromisu atual sira halo planeta iha trajetóriu ida liu +3°C, ka to'o duni 3,4°C, haktuir hosi relatóriu ida ONU nian ne'ebé fó sai foin lalais ne'e.


 


Hodi bele mantén akesimentu ki'ik liu hosi +2ºC, emisaun sira gás ho efeitu estufa tenki para aumenta no hafoin ne'e tenki hamenus entre 40 no 70 %, entre tinan 2010 no 2050, haktuir hosi espesialista sira.


 


Antes, paralizasaun hodi hamenus emisaun gás sira ho efeitu estufa implika opsaun klean ida hosi enerjia verde sira no husik kombustivel fossil sira (petróleu, karvaun no gás).


 


Presiza investimentu sira barak hodi halo área habitasaun sira, transporte sira no indústria sira ladún depende ba enerjia, nune'e mós hanesan ho polítika foun sira agríkola nian no hahán nian.


 


Ne'e signifika katak nasaun sira tenki halo liu buat barak duké kompromisu sira ne'ebé sira asumi iha Akordu Paris nian.


 


Tema finansiamentu nian sei tama mós iha debate, hanesan mós ho ajuda públiku ba nasaun sira iha dezenvolvimentu ho folin dolar biliaun 100, ne'ebé promete to'o tinan 2020, hanesan objetivu hodi halo "matak liután" finansa mundial sira nian.


 


ho Lusa

07
Nov16

Conferência das Nações Unidas já começou para "avançar a ação climática"

SAPO TL

A 22.ª conferência das Nações Unidas sobre alterações climáticas (COP22) já começou, reunindo perto de 20 mil pessoas, em Marrocos, para concretizar os compromissos assumidos no Acordo de Paris, contra o aquecimento global. 


 


 


As bandeiras dos países participantes da Conferência das Nações Unidas (COP22) em Marraquexe (Marrocos). Foto@ Mohamed Messara / EPA


 


"Marraquexe é o momento de fazer avançar a ação climática", exortou a responsável pelo Clima nas Nações Unidas, Patricia Espinosa, na sessão de abertura da conferência, apelando aos países que acelerem as medidas a tomar.


 


A 22.ª conferência é uma oportunidade “para inventar um mundo futuro e conseguir uma justiça climática", declarou Ségolène Royal, ministra do Ambiente francesa e presidente da cimeira que firmou o Acordo de Paris, no ano passado, assinado por 192 Estados e já ratificado por uma centena.


 


"Lanço um apelo aos países que ainda não ratificaram [o Acordo de Paris], a fazê-lo antes do final do ano", instou.


 


O chefe da diplomacia marroquina, Salaheddine Mezouar, que preside à COP22, apelou ao mundo para "manter o espírito" de Paris, que significou uma "mobilização sem precedentes", traduzida no acordo adotado em finais de 2015.


 


“O que está em jogo não são só as alterações climáticas, mas uma questão de civilização e de desenvolvimento económico”, frisou, apelando aos países que sejam “mais ambiciosos”.


 


O ministro marroquino sublinhou ainda a “responsabilidade coletiva” para responder às necessidades dos países mais vulneráveis, corroborado pelas declarações da ministra francesa, que lembrou que “África é o continente que sofre mais com as alterações climáticas sem ter responsabilidade por elas”.


 


Os negociadores ainda têm muitas matérias para acordar, de forma a tornar o pacto operacional, nomeadamente a definição de regras de transparência, a apresentação das estratégias nacionais até 2050 e a ajuda financeira aos países em desenvolvimento.


 


As regras de transparência dizem respeito às informações que os países deverão fornecer sobre os esforços para limitar as suas emissões e os progressos nas ajudas financeiras públicas.


 


Paralelamente a uma maior transparência, o acordo prevê um reforço dos planos de ação de cada país, com vista a limitar o aquecimento global a +2°C acima dos níveis pré-industriais.


 


Além do objetivo de limitar o aquecimento a +2ºC, o Acordo de Paris prevê que os países realizem "todos os esforços necessários" para que não se ultrapassem os 1,5 graus Celsius, evitando assim "os impactos mais catastróficos das alterações climáticas".


 


No entanto, os compromissos atuais colocam o planeta numa trajetória de +3°C, ou até mesmo 3,4°C, segundo um relatório das Nações Unidas recentemente divulgado.


 


Para conseguir manter o aquecimento abaixo dos +2ºC, as emissões de gases com efeito de estufa têm de parar de aumentar e depois têm de ser reduzidas entre 40 e 70 por cento, entre 2010 e 2050, segundo os especialistas.


 


A estagnação e, posteriormente, a redução das emissões de gases com efeito de estufa implicam uma opção profunda por energias verdes e o abandono dos combustíveis fósseis (petróleo, carvão e gás).


 


Serão precisos investimentos avultados para tornar os setores da habitação, dos transportes e da indústria menos dependentes de energia, assim como novas políticas agrícolas e alimentares. Isto significa que os países terão de fazer mais do que os compromissos assumidos no Acordo de Paris.


 


O tema do financiamento estará também no coração do debate, tanto em relação à ajuda pública aos países em desenvolvimento de 100 mil milhões de dólares, prometidos até 2020, como ao objetivo de tornar "mais verdes" as finanças mundiais.


 


com Lusa

04
Nov16

Akordu universal dahuluk hasoru alterasaun klimátiku hahú hala'o ona

SAPO TL

Akordu Paris nian, paktu universal dahuluk hasoru akesimentu global, hahú, ho dalan simbóliku, hala'o ohin, liutiha tinan ida asina, maibé iha dalan naruk ida hodi hala'o to'o nia aplikasaun. 


 



 Foto@ Ian Langsdon / EPA


 


Akordu Paris, hahú hala'o hafoin asina tina iha loron 12 Dezembru tinan liubá hosi nasaun 195 iha kapital franseza, hafoin ratifika hosi númeru sufisiente hosi nasaun sira ne'ebé reprezenta 55% hosi emisaun mundial sira gás nian ho efeitu estufa.


 


Limiti ne'e hetan iha loron 05 Outubru, bainhira Uniaun Europeia (UE), ne'ebé reprezenta 12% hosi emisaun sira, entrega ona dokumentasaun ratifikasaun akordu nian iha sede ONU nian. To'o agora, nasaun hamutuk 61 maka ratifika tiha ona akordu ne'ebé konta de'it ho 47,7% hosi emisaun global sira.


 


Antes Konferénsia Klima ONU nian ba dala 22 (COP22), ne'ebé hahú iha loron-segunda iha Marraquexe, hosi signatáriu hamutuk 192 iha ona nasaun hamutuk 94 maka ratifika ona Akordu Paris nian, ritmu ida ne'ebé ultrapasa espetativu sira hosi espesialista sira.


 


"Ami halo iha fulan sia nia laran buat ne'ebé maka demora tinan ualu iha protokolu Kyoto nian", afirma ona hosi prezidente COP21, ministra franseza Ségolène Royal, ne'ebé haktuir hosi AFP.


 


Estadu sira nia resposta ne'ebé lalais hatudu katak iha konsiénsia, ho nível ne'ebé aas tebes, ba nesesidade hodi fó limiti ba akesimentu global ba +2°C aas liu duké nível pré-industrial sira.


 


Emisór maka'as sira ne'ebé seidauk ratifika akordu ne'e hanesan oituan: Rúsia la fó indikasaun kona-ba eventual loron ratifikasaun nian bainhira Austrália ho Japaun kompromete ona hodi avansa ho prosesu.


 


Maski nune'e, espesialista Alden Meyer, hosi organizasaun norte-amerikanu Uniaun hosi Sientista Preokupadu sira, alerta ona katak "hanesan importante mantén dinámiku Paris nian no la'ós de'it haksolok de'it ho akordu ne'ebé foin hala'o".


 


Negosiador sira sei iha matéria barak kona-ba saida maka tenki halo hodi to'o iha akordu, hodi sai hanesan paktu operasional, liuliu ba definisaun hosi regra sira transparénsia nian, aprezentasaun hosi estratéjia nasional sira to'o tinan 2050, ajuda finanseiru ba nasaun sira iha dezenvolvimentu.


 


"COP22 tenki sai hanesan reuniaun ida asaun no implementasaun nian", afirma hosi Tosi Mpanu-Mpanu, porta-vós hosi grupu hosi nasaun sira ne'ebé ladún avansadu ne'ebé maka haktuir hosi AFP.


 


Akordu Paris destina hodi substitui Protokolu Kyoto iha tinan 2020 iha objetivu hodi fó limiti ba akesimentu global ba +2°C aas liu duké nível pré-industrial sira.


 


Maibé, testu ne'e hatutan katak nasaun sira ne'ebé hakarak hala'o "esforsu nesesáriu sira" hodi labele ultrapasa 1,5 grau Celsius, bele evita nune'e "impaktu aat liu hosi alterasaun klimátiku sira".


 


Objetivu ikus ne'e halo parte tanba hetan ezijénsia hosi nasaun kiak sira no hosi Estadu insular sira, ne'ebé maka fraku liu hasoru alterasaun klimátiku sira hanesan nível tasi nian ne'ebé aumenta no rai-maran.


 


Maibé, espesialista sira aviza katak maski limiti ba +2°C sei susar hodi hetan, implika diminuisaun maka'as iha emisaun global sira hodi sunu karvaun, petróleu no gás.


 


Sientista sira aviza katak, ho ritmu atual, mundu sei iha grau haat ka grau tolu manas liu bainhira nasaun sira la kumpri limiti sira ne'ebé hato'o hodi hamenus emisaun nasional sira.


 


Iha loron-kinta ne'e, relatóriu ida hosi ONU fó hanoin katak Akordu Paris nian to'o tarde no hanesan urjente halo asaun hodi hamenus emisaun gás sira ho efeitu estufa bainhira hakarak evita "trajédia ida". Novidade hosi Akordu Paris nian maka, ba dala uluk, halibur tan nasaun sira ne'ebé kontamina no sira ne'ebé fraku liu.


 


Protokolu Kyoto, tinan 1997 nian, estabelese objetivu sira emisaun sira nian ba de'it nasaun dezenvolvidu sira, razaun ida ne'ebé EUA lakohi fó sai.


 


Akordu Paris nian hala'o hamutuk tuir dalan legal, maibé iha parte hosi nia dezenvolvimentu ka iha objetivu nasional sira hodi hamenus emisaun sira. Nia forsa bazeia iha mekanizmu ne'ebé sei haree tuir períudu kompromisu sira hosi nasaun ida-idak ne'ebé hanesan vinkulativu.


 


Estadu ida-idak tenki aprezenta konta sira hosi nia kumprimentu no renova sira nia kontributu ba tinan lima dala ida no nasaun sira ne'ebé hakarak bele uza mekanizmu sira merkadu nian (sosa no fa'an emisaun sira) hodi kumpri objetivu sira.


 


Akordu la estabelese kastigu sira bainhira la kumpri, maibé kalkula kriasaun hosi komité ida ne'ebé hanoin mekanizmu transparente ida hodi garanti katak bele kumpri kompromisu no hodi alerta, antes hotu nia prazu, katak hetan ka la'e objetivu sira.


 


ho Lusa

04
Nov16

Primeiro acordo universal contra as alterações climáticas entra em vigor

SAPO TL

O Acordo de Paris, o primeiro pacto universal contra o aquecimento global, entra hoje simbolicamente em vigor, menos de um ano após ser adotado, mas há um longo caminho a percorrer até à sua aplicação. 


 



 Foto@ Ian Langsdon / EPA


 


A entrada em vigor ocorre após o Acordo de Paris, adotado a 12 de dezembro do ano passado por 195 países na capital francesa, ter sido ratificado pelo número suficiente de países que representem 55% das emissões mundiais de gases com efeito de estufa.


 


Essa meta foi alcançada a 05 de outubro, quando a União Europeia (UE), que representa 12% das emissões, entregou a documentação de ratificação do acordo na sede da ONU. Até então, os 61 países que já tinham ratificado o acordo somavam apenas 47,7% das emissões globais.


 


Nas vésperas da 22.ª Conferência do Clima da ONU (COP22), que arranca na segunda-feira em Marraquexe, um total de 94 países, dos 192 signatários, já ratificaram o Acordo de Paris, um ritmo que ultrapassou as expetativas dos especialistas.


 


"Fizemos em nove meses o que demorou oito anos no protocolo de Quioto", afirmou a presidente da COP21, a ministra francesa Ségolène Royal, citada pela AFP.


 


A rapidez da resposta dos Estados demonstra a tomada de consciência, ao mais alto nível, da necessidade de limitar o aquecimento global a +2°C acima dos níveis pré-industriais.


 


São poucos os grandes emissores que ainda não ratificaram o acordo: a Rússia não deu indicação sobre uma eventual data para a ratificação, enquanto a Austrália e o Japão estão comprometidos em avançar com o processo.


 


Ainda assim, alerta o especialista Alden Meyer, da organização norte-americana União dos Cientistas Preocupados, "é importante manter a dinâmica de Paris e não apenas regozijar-se com a entrada em vigor".


 


Os negociadores ainda têm muitas matérias sobre as quais é preciso chegar a acordo, de forma a tornar o pacto operacional, nomeadamente a definição de regras de transparência, a apresentação das estratégias nacionais até 2050, a ajuda financeira aos países em desenvolvimento.


 


"A COP22 tem de ser uma reunião de ação e de implementação", afirmou Tosi Mpanu-Mpanu, porta-voz do grupo dos países menos avançados, citado pela AFP. Destinado a substituir em 2020 o Protocolo de Quioto, o Acordo de Paris visa limitar o aquecimento global a +2°C acima dos níveis pré-industriais.


 


No entanto, o texto acrescenta que os países se comprometem a levar a cabo "todos os esforços necessários" para que não se ultrapassem os 1,5 graus Celcius, evitando assim "os impactos mais catastróficos das alterações climáticas".


 


Este último objetivo foi incluído por exigência dos países pobres e dos Estados insulares, mais vulneráveis aos efeitos das alterações climáticas, como a subida do nível do mar e a seca.


 


No entanto, os especialistas avisam que mesmo a meta de +2ºC será difícil de alcançar, implicando cortes mais drásticos nas emissões globais da queima de carvão, petróleo e gás.


 


Os cientistas avisam que, ao ritmo atual, o mundo ficará quatro graus mais quente, ou três graus, se os países cumprirem as metas autoimpostas de redução das emissões nacionais.


 


Já na quinta-feira, um relatório da ONU relembrou que o Acordo de Paris já vem atrasado e que é urgente agir para reduzir as emissões de gases com efeito de estufa se se quiser evitar "uma tragédia". A novidade do Acordo de Paris foi que, pela primeira vez, se juntaram os países mais contaminantes e os mais vulneráveis.


 


O Protocolo de Quioto, de 1997, estabelecia objetivos de emissões apenas para os países desenvolvidos, uma das razões por que os EUA não se quiseram vincular.


 


O Acordo de Paris é legalmente vinculativo no seu conjunto, mas não em parte do seu desenvolvimento ou nos objetivos nacionais de redução das emissões.


 


A sua força reside no mecanismo com o qual serão periodicamente revistos os compromissos de cada país, o que é vinculativo.


 


Cada Estado é obrigado a apresentar contas do seu cumprimento e a renovar os seus contributos a cada cinco anos e os países que o quiserem podem usar mecanismos de mercado (compra e venda de emissões) para cumprir os objetivos.


 


O acordo não estabelece sanções por incumprimento, mas prevê a criação de um comité que desenhe um mecanismo transparente para garantir que os compromissos são cumpridos e para alertar, antes do fim dos prazos, se os objetivos são ou não alcançáveis.


 


com Lusa

03
Nov16

Sei taka sentral elétriku ne'ebé halo poluisaun maka'as iha Austrália

SAPO TL

Sei taka sentral produsaun enerjia elétriku ida ne'ebé halo poluisaun maka'as hosi Austrália, fó sai hosi proprietáriu iha loron-kinta ne'e no hetan felisitasaun hosi ambientalista sira. 




Foto@ David Crosling / EPA




Hazelwood, sentral produsaun eletrisidade ne'ebé funsiona ho karvaun, iha Latrobe Valley, iha estadu Victoria, sei taka iha fulan-Marsu tinan oinmai hafoin sentral boot fransés Engie desidi tiha ona katak unidade ne'e labele funsiona ona.


 


Ema na'in 500 resin maka sei lakon serbisu bainhira taka unidade ne'e, no na'in 250 sei serbisu to'o tinan 2023 hodi sobu sentral karvaun nian no sobu reabilitasaun hosi mina ne'ebé besik fatin ne'e. Engie hatete mós katak sei fa'an sentral Loy Yang B, ne'ebé funsiona mós ho karvaun no sentral produsaun eletrisidade ne'ebé funsiona ho gás.


 


"Hazelwood agora daudaun iha tinan 50 resin. Sai hanesan kontribuidor di'ak ba merkadu eletrisidade nasional, maibé agora to'o ona pontu ida ne'ebé labele funsiona" iha ekonomia, afirma ona hosi prezidente ezekutivu Engie nian iha Austrália liuhosi komunikadu.


 


"Engie iha Austrália sei presiza investe maka'as iha dolár biliaun resin hodi garanti operasaun di'ak ida no liuliu tenki seguru nafatin. Tanba kondisaun atual sira no previzaun hosi merkadu, nível investimentu ne'e laiha ona justifikasaun", nia hatete.


 


Hazelwood - ne'ebé fornese 22% hosi nesesidade enerjétiku sira hosi estadu Victoria no 4% hosi Austrália - kaer hosi Engie (72%) no hosi empreza japuneza Mitsui (28%).


 


Paris indika ona, iha tinan liubá nia rohan, katak Engie - ne'ebé nia parte balun kaer hosi governu fransés - sei para investe iha dezenvolvimentu hosi sentral sira ne'ebé funsiona ho karvaun, fonte maka'as liu hosi emisaun sira dioksidu karbonu nian. Karvaun ho kór kastañu halo liu poluisaun duké karvaun metan nune'e maka ambientalista sira felisita medida ne'e.


 


"Hazelwood hanesan sentral ida ne'ebé maka halo poluisaun maka'as iha Austrália no iha mundu", hatete hosi xefe ezekutivu hosi Fundasaun ba Konservasaun Australianu, Kelly O’Shanassy.


 


"Hanesan momentu importante iha tranzisaun ba buat ne'ebé maka hala'o daudaun - mudansa ba enerjia ‘moos’”, nia hatutan no konsidera katak polítika enerjétiku Austrália nian hasoru daudaun situasaun ne'e.


 


Governu federal fó sai ona pakote ida apoiu nian ba traballador sira hamutuk 43 millaun dolar australianu ne'ebé tau hamutuk ho sira seluk hosi dolar millaun 22 hosi governu estadu nian.


 


Ministru Enerjia, Josh Frydenberg, afirma ona katak sei superviziona bafatin impaktu hosi taka sentral ne'e. Iha tinan hirak ikus ne'e taka ona sentral oioin iha nasaun laran.


 


63% hosi enerjia elétriku iha Austrália funsiona hahú hosi karvaun, haktuir hosi informasaun ofisial tinan 2014-2015.


 


ho Lusa

03
Nov16

Uma das mais poluentes centrais elétricas da Austrália vai fechar

SAPO TL

Uma das mais poluentes centrais de produção de energia elétrica da Austrália vai ser encerrada, anunciou hoje o proprietário, num gesto aplaudido pelos ambientalistas. 


 



Foto@ David Crosling / EPA


 


A Hazelwood, central de produção de eletricidade alimentada a carvão, em Latrobe Valley, no estado de Victoria, vai fechar no próximo mês de março depois de o gigante da energia francês Engie ter decidido que a unidade já não é viável.


 


Cerca de 500 pessoas deverão perder o emprego quando a unidade fechar portas, enquanto outras 250 devem permanecer até 2023 para tratar do desmantelamento da central de lenhite e da reabilitação da mina adjacente. A Engie indicou que também procura vender a central de Loy Yang B, igualmente alimentada a carvão, e a central de produção de eletricidade movida a gás.


 


“A Hazelwood tem atualmente mais de 50 anos. Tem sido um maravilhoso contribuidor para o mercado de eletricidade nacional, mas agora atingiu um ponto em que não é mais viável” economicamente, afirmou o presidente executivo da Engie na Austrália em comunicado.


 


“A Engie na Austrália precisaria de investir muitas centenas de milhões de dólares para garantir uma operação viável e acima de tudo continuamente segura. Dadas as atuais condições e previsões do mercado, esse nível de investimento não se justifica”, disse.


 


A Hazelwood – que fornece um quinto (22%) das necessidades energéticas do estado de Victoria e a 4% das da Austrália – é detida pela Engie (72%) e pela empresa japonesa Mitsui (28%).


 


Paris indicou, no final do ano passado, que a Engie – parcialmente detida pelo governo francês – iria parar de investir no desenvolvimento de centrais alimentadas a carvão, a maior fonte das emissões de dióxido de carbono. A lenhite (carvão castanho) é mais poluente do que o carvão preto, pelo que os ambientalistas aplaudem a medida.


 


“A Hazelwood é uma das centrais mais poluentes da Austrália e uma das poluentes do mundo”, disse a chefe executiva da Fundação para a Conservação Australiana, Kelly O’Shanassy.


 


“É um momento-chave na transição para aquilo que já está em curso – a mudança para energias ‘limpas’”, frisou, considerando que a política energética da Austrália se encontra agora nessa “encruzilhada”.


 


O governo federal revelou um pacote de apoio aos trabalhadores de 43 milhões de dólares australianos (29,6 milhões de euros) que se soma a um outro, de 22 milhões de dólares (15,1 milhões de euros) do governo do estado.


 


O ministro da Energia, Josh Frydenberg, afirmou que vai supervisionar de perto o impacto do encerramento da central. O fecho de Hazelwood segue-se ao de outras centrais em todo o país nos últimos anos.


 


Quase dois terços (63%) da energia elétrica na Austrália é gerada a partir do carvão, segundo dados oficiais de 2014-2015.


 


com Lusa

Pág. 3/3

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D