Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Hora do Planeta

18
Mai16

Atake hosi lafaek sira iha Timor-Leste aumenta lahó medida sira kontrolu nian

SAPO TL

Projetu monitorizasaun ida ba lafaek sira iha Timor-Leste konfirma aumentu ba atake sira iha tinan ne'e, ho pelumenus insidente hamutuk 15 ne'ebé halo ona vítima mortal na'in tolu, haktuir hosi informasaun ne'ebé fó ba Lusa. 



Autor: Jorge Santos; Fonte: Timor - a ilha feiticeira (Dezembro 2015)


 


Projetu ne'e dezenvolve hosi Diresaun hosi Biodiversidade hosi Ministériu Komérsiu, Indústria ho Ambiente (MCIE), hosi Departamentu Agronomia hosi Fakuldade Agrkultura hosi Universidade Nacional Timor-Leste no hosi diresaun Remote Sensing and Landscape Information Systems, hosi Universidade Freiburg.


 


Tuir informasaun sira ne'ebé hetan to'o agora hosi projetu ne'e, entre tinan 2007 no 2014 iha ona pelumenus vítima na'in 123 hosi atake lafaek sira nian iha nasaun, na'in 59 hanesan vítima mortal.


 


Atake sira ne'e barak liu akontese iha zona sira iha distritu Viqueque ho Lautem, inklui iha fatin sira turístiku hanesan Com ho Tutuala.


 


Iha fulan hirak ikus ne'e mosu kazu sira kona-bá lafaek sira ne'ebé mosu iha besik Díli no iha rejistu pelumenus insidente fatal ida: iha fulan-Abril, lafaek ida tata peskador na'in ida no peskador ne'e mate tanba kanek sira.


 


Maibé lafaek mosu iha fatin oioin iha Timor-Leste, iha kosta súl no mós iha norte, ho destake, foin lalais ne'e, ba tasi-ibun sira besik kapital Díli.


 


Estanislau da Silva, ministru Agrkultura no Peska, esplika ona ba Lusa katak ezekutivu tenta ativa fali kontaktu sira, liuliu ho Austrália, hodi bele hatán ba problema ne'ebé "la'ós fásil".


 


"Maibé ha'u mós iha opiniaun hanesan katak tenki hahú oho lafaek sira. Ne'e hanesan asuntu ida ne'ebé hamosu debate barak. Maibé tenki oho lafaek sira ne'ebé ataka", nia hatete.


 


"Ita tenki serbisu ho Universidade Darwin ne'ebé iha sistema no métodu sira hodi identifika lafaek sira ne'ebé ataka no tenki oho sira", nia hatete.


 


Governante admiti katak kestaun tradisional no kultural sira hanesan obstákulu ba esforsu hosi governu, liuliu iha ponta leste nasaun nian ne'ebé komunidade sira moris ho ligasaun maka'as tebes ba aspetu sira ne'e no hanesan fatin ne'ebé akontese maka'as atake sira.


 


"Ita tenki haree dalan di'ak hodi ko'alia ba komunidade sira. No estuda medida sira hodi hapara problema", nia hatete.


 


"Aprezenta tiha ona proposta ida hodi harii iha-ne'e unidade ida kriasaun ba lafaek sira lahó objetivu komersial. Investimentu ne'e seidauk konkretiza maibé bele akontese", nia refere.


 


Sebastian Brackhane, investigadór hosi Universidade Freiburg no responsável ida hosi projetu, esplika ona katak tendénsia maka sei iha aumenta insidente sira nune'e presiza modelu sira jestaun nian ne'ebé foka liu iha prevensaun ba atake sira no hamenus problema duké iha konservasaun animal nian.


 


Aleinde mito kona-bá kriasaun nasaun nian, illa lafaek nian - iha ritual barak, poema no manifestasaun kultura sira nian ne'ebé fó ona ba avó lafaek -, iha mós hanoin hosi sé maka iha Timor-Leste katak atake sira ne'e hanesan kastigu natureza nian hasoru vítima sira.


 


Aspetu sira hanesan ne'e halo susar autoridade sira hodi hatán ba problema no halo para desizaun konkretu sira hosi ezekutivu.


 


Estratéjia ida ne'ebé halo hela, iha fatin balun iha nasaun, maka estabelese saida maka hanaran Fatin hosi Exkluzaun ba Lafaek sira, zona ne'ebé taka metin ho estrutura metal ka au hodi permiti atu komunidade sira bele halo atividade sira hanesan fase ropa, hariis ka kaer ikan ho seguransa, hodi hamenus risku ba atake sira.


 


Impaktu hosi populasaun lafaek sira ne'ebé aumenta - iha posibilidade ba migrasaun hosi populasaun hosi Teritóriu Norte Austrália nian (ne'ebé proliferasaun impede hariis iha tasi-ibun sira iha Darwin) - iha mós impaktu ba ambiente.


 


Lafaek sira bele kontribui hodi hamenus lenuk sira ne'ebé foin maka deskobre espésia lokal foun, Chelodina timorensis, hodi afeta ba habitat sira seluk iha nasaun.


 


Informasaun sira ne'ebé disponivel hosi investigasaun ne'ebé halo iha 2012 sujere aumentu beibeik hosi animal sira Crocodylus porosus, lafaek hosi bee-midar ne'ebé iha tinan 1970, iha sékulu liubá, kuaze lakon.


 


ho Lusa

18
Mai16

Ataques de crocodilos em Timor-Leste aumentam sem medidas de controlo

SAPO TL

Um projecto de monitorização de crocodilos em Timor-Leste confirma o aumento de ataques este ano, com pelo menos 15 incidentes que causaram três vítimas mortais, segundo dados facultados à Lusa. 





Autor: Jorge Santos; Fonte: Timor - a ilha feiticeira (Dezembro 2015)


 


O projecto está a ser desenvolvido pela Direcção de Biodiversidade do Ministério de Comércio, Indústria e Ambiente (MCIE), pelo Departamento de Agronomia da Faculdade de Agricultura da Universidade Nacional de Timor-Leste e pela direcção de Remote Sensing and Landscape Information Systems, da Universidade de Freiburg.


 


Segundo os dados recolhidos até ao momento por este projecto, entre 2007 e 2014 houve pelo menos 123 vítimas de ataques de crocodilos no país, 59 das quais mortais.


 


A maior fatia de ataques ocorreu em zonas dos distritos de Viqueque e Lautem, incluindo em locais de destino turístico como Com e Tutuala.


 


Nos últimos meses, tem havido também vários casos de observação de crocodilos nos arredores de Díli e há o registo de pelo menos uma fatalidade: em Abril um pescador foi mordido e acabou por morrer por causa dos ferimentos.


 


Mas há cada vez mais observações de crocodilos em diversos pontos de Timor-Leste, tanto na costa sul como na norte, com especial destaque, recentemente, para as costas próximas da capital, Díli.


 


Estanislau da Silva, ministro da Agricultura e Pescas, explicou à Lusa que o executivo está a tentar reactivar contactos, especialmente com a Austrália, no intuito de responder ao problema, "algo que não é fácil".


 


"Mas eu sou da opinião de que se deve começar a abater os crocodilos. Este assunto é alvo de grandes debates. Mas tem de se abater os crocodilos que atacam", afirmou.


 


"Devemos trabalhar com a Universidade de Darwin que tem sistemas e metodologias para identificar os crocodilos que atacam e esses devem ser abatidos", disse.


 


O governante admite que questões tradicionais e culturais são um obstáculo aos esforços do Governo, especialmente na ponta leste do país onde as comunidades vivem mais arreigadas a esses aspectos mas onde também ocorrem mais ataques.


 


"Temos de ver a melhor forma de comunicar com as comunidades. E estudar medidas para mitigar o problema", disse.


 


"Foi já apresentada uma proposta para criar aqui uma unidade de criação de crocodilos para fins comerciais. Esse investimento ainda não se concretizou mas pode vir a ocorrer", referiu.


 


Sebastian Brackhane, investigador da Universidade de Freiburg e um dos responsáveis do projecto, explicou que a tendência é de um aumento de incidentes o que requer modelos de gestão focados mais na prevenção de ataque e mitigação do problema do que em conservação dos animais.


 


Além do mito de criação do país, da ilha crocodilo - há muitos rituais, poemas e outras manifestações culturais que honram o avô Lafaek (crocodilo) -, também há quem em Timor-Leste veja nos ataques uma espécie de punição da natureza contra as vítimas.


 


Aspectos como este condicionam as respostas das autoridades ao problema e ajudam a paralisar decisões mais concretas e amplas do executivo.


 


Uma das estratégias tem sido, em algumas zonas do país, estabelecer o que se intitula de Espaços de Exclusão de Crocodilos, zonas vedadas com estruturas de metal ou bambu para permitir que as comunidades realizem actividades como lavar a roupa, tomar banho ou até pescar em segurança, reduzindo o risco de ataques.


 


O impacto da crescente população de crocodilos - aponta-se a possibilidade até de uma migração das populações do Território Norte da Austrália (onde a sua proliferação impede, por exemplo, banhos nas praias de Darwin) - está igualmente a ter impacto ambiental.


 


Os crocodilos podem estar a contribuir para a queda no número de tartarugas de uma espécie local recentemente descoberta, a Chelodina timorensis, afectando outros habitats do país.


 


Dados disponíveis de investigações levadas a cabo em 2012 sugerem um aumento constante do número de animais da espécie Crocodylus porosus, o crocodilo de água-doce que nos anos 70 do século passado quase chegou à extinção.


 


com Lusa

17
Mai16

Alterasaun Klimátiku: illa lima iha Pasífiku lakon tiha ona

SAPO TL

Illa lima ne'ebé uluk pertensa ba arkipélagu hosi Illa sira Salomaun, iha Pasífiku, lakon tiha ona tanba nível médiu tasi nian ne'ebé aumenta, haktuir hosi estudu foun ida ne'ebé publika hosi Environmental Research Letters. 








Illa lima, konstitui de'it hosi vejetasaun, lakon tomak, no illa neen ki'ik sira seluk hetan daudaun prosesu ida "diminuisaun maka'as iha tasi-ibun".


 


Tuir Gizmodo, komunidade piskatóriu rua tenki muda tiha tanba prosesu ne'e. "Komprende fatór lokal sira ne'ebé aumenta sensibilidade hosi illa sira kona-bá erozaun kosteira hanesan krítiku ba ami hodi hetan resposta sira ba adaptasaun hosi komunidade remota sira iha Pacífico", esplika hosi relatóriu.


 


Investigadór sira peskiza imajen sira hosi satelit, ne'ebé hetan entre tinan 1947 no 2014, hodi avalia estadu erozaun hosi illa hamutuk 33, ne'ebé hanesan ba dala uluk maka mudansa natural sira hosi rejiaun hatudu ho pormenor sira.


 


Iha fatin seluk, ekipa hosi sientista australianu sira afirma ona katak Oeste hosi Pasífiku hanesan fatin perfeitu hodi haree aumenta hosi nível tasi nian, tanba populasaun sira muda beibeik ba fatin sira ne'ebé aas.


 


Illa sira Salomaun nian iha populasaun hamutuk 560.000 no iha illa besik 1.000 resin. Populasaun barak maka muda daudaun ba parte foun illa nian ka ba illa sira seluk tanba nível tasi nian ne'ebé aumenta.


 


Taro, kapital hosi provínsia Choiseul, prepara daudaun hodi muda rezidente sira no serbisu sira, no iha vila ida iha parte norte hosi provínsia hanesan senti dalabarak akontesimentu ida tasi-been tama iha ema nia uma sira.


 


Fonte: Green Savers

17
Mai16

Alterações climáticas: cinco ilhas do Pacífico já desapareceram

SAPO TL

Cinco das ilhas que pertenciam ao arquipélago das Ilhas Salomão, no Pacífico, já desapareceram devido à subida do nível médio do mar, de acordo com um novo estudo publicado pelo Environmental Research Letters. 





 


As cinco ilhas, constituídas unicamente por vegetação, desapareceram completamente, enquanto outras seis ilhotas estão a passar por um processo de “recessão costeira severa”.


 


De acordo com o Gizmodo, duas comunidades piscatórias já tiveram de ser relocalizadas devido a este processo. “Compreender estes factores locais que aumentam a susceptibilidade das ilhas à erosão costeira é crítico para [nos] guiar a respostas para a adaptação destas comunidades remotas no Pacífico”, explica o relatório.


 


Os investigadores pesquisaram imagens de satélite, adquiridas entre 1947 e 2014, para examinar o estado de erosão de 33 ilhas, naquela que foi a primeira vez que as mudanças naturais da região foram retratadas de forma minuciosa.


 


Por outro lado, a equipa de cientistas australianos afirma que o Oeste do Pacífico é um local perfeito para monitorizar a subido do nível do mar, uma vez que os habitantes estão permanentemente a mudarem-se para locais mais elevados.


 


As Ilhas Salomão têm 560.000 habitantes e perto de 1.000 ilhas. Muitos deles estão a mudar-se para nova partes da ilha ou, inclusive, outras ilhas, devido ao aumento do nível do mar.


 


Taro, a capital da província de Choiseul, está a preparar-se para relocalizar os residentes e serviços, enquanto a uma vila mais a norte da mesma província já viu mais de metade das suas casas serem invadidas pelo mar.


 


Fonte: Green Savers

16
Mai16

"Pendurar e proibir", a cerimónia tradicional para travar o lixo nas praias de Timor-Leste

SAPO TL

Por António Sampaio, da Agência Lusa

O tronco, enterrado na areia, em cujos ramos secos estão pendurados sacos e garrafas de plástico e um coral marca a proibição que vigora desde hoje nas praias de Díli e que é punida com uma multa de um porco crescido.


 



Foto: Gabinete do Primeiro-Ministro de Timor-Leste



"Entre a estátua do Cristo Rei e a estátua de João Paulo II está proibido arrancar corais e deitar lixo nas praias. Quem o fizer terá que pagar uma multa de um porco crescido", explica Pio Ataíde, lia nain (chefe tradicional) na capital timorense.

A cerimónia Tara Bandu (Pendurar e Proibir) foi conduzida pelos chefes tradicionais no lançamento da campanha "Praia Limpa, Ambiente Saudável" e perante representantes da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP), em Díli para um encontro de ministros do Mar.

O tronco, de que nascerá uma nova árvore, "ficará aqui entre a terra e o mar", na Praia dos Coqueiros, na Avenida de Portugal, em frente à sede da CPLP, para relembrar a proibição.

Foi abençoado pelo sangue de uma galinha e de um leitão, mortos na praia, regado com cerveja e acolhido pelos cantos tradicionais dos lia nain que convocaram os antepassados para "abençoar a praia".

Na mesma praia, com o mesmo propósito, reuniram-se os chefes tradicionais, com as cerimónias animistas antigas em que relembraram que "a natureza é sagrada", e um grupo de jovens, que há um ano criou o Movimento Tasi Mos (Mar Limpo).

A campanha que hoje arranca é governamental - foi aprovada uma resolução nesse sentido esta semana - envolve várias agências e entidades do executivo mas pode dizer-se que, em grande parte, foi estimulada pela vontade do primeiro grupo de 10 ou 15 pessoas, a génese do Tasi Mos, que se reuniu para limpar uma praia.

"É um movimento social, formado por jovens timorenses com preocupação crescente no âmbito ambiental. Somos frequentadores de praia e temos uma preocupação comum: poder disfrutar das praias de Timor", explicou Gally Soares Araújo, o responsável do projeto, à Lusa.

"As praias têm vindo a deteriorar-se e, por isso, pelo facebook começámos a lançar desafios a convidar as pessoas a vir connosco limpar a praia. Isso tem vindo sempre a crescer e agora o Governo já começou a notar a nossa campanha", afirmou.

São eles a ponta de lança da campanha que, como explicou Estanislau da Silva, ministro de Estado e Coordenador dos Assuntos Económicos e ministro da Agricultura e Pescas, que quer "sensibilizar os cidadãos e o Governo para a importância da limpeza das praias para o desenvolvimento sustentável de Timor".

"Com as praias poluídas não atrairemos turismo, não seremos capazes, nós próprios de desenvolver atividades de lazer nas mesmas. Mataremos os nossos peixes e estaremos a comprometer a saúde das nossas crianças", afirmou.

O lixo marinho foi o tema de um debate promovido antes do lançamento da campanha e onde participaram especialistas de vários países para avaliar recomendações sobre o que fazer nesta temática em Timor-Leste.

O diretor geral do Ambiente, João Carlos Soares, destacou a necessidade de encontrar soluções holísticas e referiu-se aos esforços do Governo para criar medidas tanto a montante como a jusante, para a recolha e tratamento de lixo e para a limpeza a ambiental.

Um problema complexo, disse, como se evidencia em Díli onde a melhoria dos sistemas de drenagem teve o efeito de levar mais lixo para as ribeiras e para o mar.

Danina Coelho, infeciologista do Gabinete de Garantia de Qualidade Na Saúde no Ministério Da Saúde recordou que mais do que os resíduos sólidos visíveis, como o plástico e outros detritos, um dos maiores problemas são a acumulação de microrganismos patogénicos na areia da praia e no mar.

Poluentes que causam problemas gastrointestinais e cutâneos, criando condições para vetores de doenças, como moscas, baratas e ratos.

@Lusa

16
Mai16

"Tara Bandu", serimónia tradisionál hodi la soe lixu iha tasi-ibun Timor-Leste nian

SAPO TL

Hosi António Sampaio, Ajénsia Lusa

Ai-hun, hakoi iha rai-henek, ne’ebé nia sanak maran sira tara hela saku ho garrafa plástiku no korál marka proibisaun ne’ebé vigora Hahú horisehik iha tasi-ibun Dili no kastigu ho multa fahi-boot ida.




Foto: Gabinete Primeiru-Ministru Timor-Leste nian



"Entre estátua Cristo Rei no estátua João Paulo II bandu atu foti korál no soe lixu iha tasi-ibun. Sé mak halo ida ne’e tenke selu multa fahi-boot ida", esplika Pio Ataíde, lia-na’in (xefe tradisionál) iha kapitál timoroan.

Serimónia Tara Bandu halo hosi xefe tradisionál sira iha lansamentu kampaña "Tasi-ibun moos, Ambiente Saudável" no iha reprezentante sira hosi Komunidade Nasaun Lia-portugés sira-nia oin, iha Dili ba enkontru ministru sira Tasi nian.

Ai-hun, hosi ne’ebé sei moris ai ida, "sei hela iha ne’e entre rai no tasi", iha Praia dos Coqueiros, Avenida Portugál, iha sede CPLP nia oin, hodi hanoin hikas proibisaun.

Fó bensa hodi manu-inan ho fahi ki’ik ida nia ran, ne’ebé oho iha tasi-ibun, rega ho serveja no simu ho hananu tradisionál lia-na’in sira-nian ne’ebé harohan ba bei’ala sira hodi "fó bensa ba tasi-ibun".

Iha tasi-ibun ne’e mós, ho propózitu ne’ebé hanesan, xefe tradisionál sira halibur malu, ho serimónia animista antiga hodi relembra katak "natureza ne’e lulik", no grupu joven sira ida, ne’ebé iha tinan ida liubá kria Movimentu Tasi Moos (Mar Limpo).

Kampaña ne’ebé hahú horisehik  tuir governu nian - aprova rezolusaun kona-ba ne’e iha semana ne’e- envolve ajénsia no entidade ezekutivu oioin maibé bele hatete katak, iha parte boot, mai hosi vontade primeiru grupu ema na’in 10 ka 15 nian, jéneze Tasi Moos, ne’ebé halibur malu hodi hamoos tasi-ibun.

"Ne’e movimentu sosiál ida, forma hosi joven timoroan sira ho preokupasaun iha ámbitu ambientál. Ita mak mai iha tasi-ibun no iha preokupasaun komún: bele goza tasi-ibun Timór nian", esplika Gally Soares Araújo, responsável projetu ne’e nian ba Lusa.

"Tasi-ibun sira sai aat  no, tanba ne’e, liuhosi facebook ami komesa fó dezafiu hodi konvida maluk sira hodi mai hamutuk ho ami hamoos tasi-ibun. Ida ne’e hahú buras ba beibeik no agora Governu komesa nota ami-nia kampaña", nia afirma.

Sira mak hun hosi kampaña ne’e, hanesan hatete Estanislau da Silva, ministru Estadu no Koordenadór ba Asuntu Ekonómiku no ministru Agrikultura no Peska nian, katak hakarak "sensibiliza sidadaun sira no Governu ba importánsia hosi hamoos tasi-ibun ba dezenvolvimentu sustentável Timór nian".

"Ho tasi-ibun ne’ebé fo’er ita sei la atrai turizmu, ita sei labele, iha rasik atu dezenvolve atividade lazer iha ne’e. Ita sei oho ita-nia ikan sira no ita kompromete saúde ita-nia oan sira-nian", nia afirma.

Lixu iha tasi mak tema hosi debate ne’ebé promove antes lansa kampaña ne’e no iha ne’ebé partisipa espesialista sira hosi nasaun oioin hodi avalia rekomendasaun kona-ba  sá mak halo iha temátika ne’e iha Timor-Leste.

Diretór jerál Ambiente nian, João Carlos Soares, destaka nesesidade hodi hetan solusaun olístika no refere ba esforsu Governu nian hodi kria medida tantu montante nune’e mós jusante, hodi rekolla no tratamentu lixu no ba limpeza ambientál.

Problema ne’ebé kompleksu, nia hatete, hanesan evidensia iha Dili iha ne’ebé hadi’a sistema drenajen iha efeitu hodi lori lixu ba mota no ba tasi.

Danina Coelho, infesiolojista hosi Gabinete Garantia Kualidade iha Saúde iha Ministériu Saúde rekorda aleinde fo’er sólidu vizível, hanesan plástiku no fo’er sira seluk, hanesan maiór problema ida mak akumulasaun mikrorganizmu patojéniku iha rai-henek sira iha tasi-ibun no iha tasi.

Poluente mak kauza problemas gastrointestinál no kulit, kria kondisaun ba vetór moras sira,hanesan lalar, barata no laho.

SAPO TL ho Lusa

09
Mai16

Mercúrio passa hoje diante do Sol, fenómeno pode ser observado se o tempo deixar

SAPO TL

Mercúrio vai passar hoje diante do Sol, um fenómeno raro que só volta a acontecer em 2019, e que, esta tarde, pode ser observado em Portugal, através de telescópios com filtros solares, se o estado do tempo ajudar.





 


O trânsito de Mercúrio, o planeta do Sistema Solar mais próximo do 'astro-rei', durará mais de sete horas: começa pelas 12:12 (hora de Lisboa), atinge o ponto máximo às 15:56 e termina pelas 19:41, de acordo com o Observatório Astronómico de Lisboa.


 


O planeta, que, aos olhos de quem o observa, surgirá como um pequeno círculo escuro, move-se lentamente ao atravessar o disco solar. À deslocação dá-se o nome de 'trânsito', porque Mercúrio passa entre o Sol e a Terra.


 


O fenómeno ocorre, na sua plenitude, na Europa Ocidental, no leste da América do Norte, no norte da América do Sul, no Ártico, na Gronelândia, no extremo noroeste de África e no Oceano Atlântico.


 


Em Lisboa e no Porto, se a meteorologia o permitir, já que estão previstos aguaceiros, pode ser observado, através de telescópios devidamente protegidos, na Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa, no Planetário Calouste Gulbenkian e no Planetário do Porto.


 


O Centro Ciência Viva de Constância também organiza uma sessão de observação.


 


Para que o trânsito de Mercúrio suceda, o planeta, além de estar entre o Sol e a Terra, tem de cruzar o plano orbital da Terra, o chamado plano da elíptica, segundo o astrofísico Pedro Machado.


 


O investigador do Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço explicou à Lusa que a raridade do fenómeno se deve ao facto de ocorrer 13 vezes por século, em maio ou em novembro, em intervalos de tempo que podem ser de três anos e meio, sete anos, nove anos e meio, dez anos ou 13 anos.


 


Hoje, como em todos os trânsitos de maio, Mercúrio parece ser 150 vezes mais pequeno do que o Sol. No caso dos de novembro, o tamanho do planeta parece ser 200 vezes menor do que o Sol.


 


As variações no tamanho aparente de Mercúrio devem-se "à grande excentricidade [alongamento da elipse] da órbita" do planeta, esclareceu Pedro Machado.


 


O próximo trânsito de Mercúrio será a 11 de novembro de 2019.


 


À semelhança de Mercúrio, também Vénus pode passar entre a Terra e o Sol, o que acontece duas vezes em cada cem anos.


 


@Lusa

09
Mai16

Merkúriu ohin mosu hamutuk ho loron, fenómenu ne’ebé bele observa karik tempu permite

SAPO TL

Merkúriu iha ohin sei mosu hamutuk ho loron, fenómenu ne’ebé dala ruma  sei akontese fila fali iha 2019, ne’ebé maka, lorokraik ne’e, bele observa iha Portugal, liuhosi  teleskópius ho filtru  solar, karik kondisaun  tempu ajuda.





 


Tránzitu iha Merkúriu, planeta Sistema Solar nian besik liu iha 'astro-rei', lori oras hitu liu: hahú hosi  12:12 (oras Lisboa), atinje nia pontu máximu iha 15:56 no termina iha 19:41, tuir Observatóriu Astronómiku  iha Lisboa.


 


Planeta, ba ema sira ne’ebé observa ho matan, mosu hanesan sírkulu metan ida ne’ebé  kiik, muda-an neneik liuhosi disku solar. Deslokasaun ida ne’e hanaran 'tránzitu', tamba Merkúriu passa entre loron no Rai.


 


Fenómenu ne’e akontese , iha nia plenitude, iha  Europa Osidentál, leste Amérika do Norte, iha norte América do Sul, iha Ártiku, iha Gronelándia, iha extremu noroeste Áfrika no Oseanu Atlántiku.


 


Iha Lisboa no iha Porto, karik meteorolojia permite, prepara tiha ona aguaseiru, ne’ebé bele observasaun, liuhosi teleskópiu protejidu,  Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa, iha  Planetáriu Calouste Gulbenkian nomós iha Planetáriu Porto nian.


 


Iha  Centro Ciência Viva de Constância moos organiza sesaun observasaun.


 


Atu  tránzitu iha Merkúriu tuir, planeta, aléinde iha entre Loron no Rai, tenki kruza planu orbitál hosi Rai, ne’ebé ho naran planu elíptika, tuir  astrofíziku Pedro Machado.


 


Investigadór hosi Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço haktuir ba Lusa katak dala fuma fenómenu ne’e akontese dala 13 kada sékulu, iha maiu ka iha novembru, ne’ebé bele moos lori tempu to’o tinan tolu ho balun, tinan hitu, tinan sia liu, tinan sanulu ka 13.


 


Ohin, hanesan tránzitu hotu ne’ebé akontese iha  maiu, Merkúriu dalaruma kiik liu 150 kompara ho Loron. Iha  novembru, tamañu planeta parese kiik liu dala 200 kompara ho Loron.


 


Variasaun iha  nia tamañu akontese liu ba Merkúriu bele " esentrisidade boot [alongamentu elipse nian] iha órbita" hosi planeta, haktuir  Pedro Machado.


Tránzitu Merkúriu tuir mai sei iha 11 novembru 2019.


 


Hanesan  Merkúriu, Vénus moos bele liu entre Rai no Loron, ne’ebé  akontese dala rua iha tinan atus ida nia-laran.


 


SAPO TL ho Lusa

06
Mai16

Descoberto o maior insecto do mundo

SAPO TL

Um insecto de mais de meio metro de comprimento foi encontrado no sul da China.





Foto: DR





Um bicho-folha de 62,4 centímetros, descoberto há dois anos em Guangxi, província do sul da China, é agora o insecto mais comprido do mundo entre as 807.625 variedades conhecidas, referiu a agência Xinhua, citando o Museu do Insecto do Oeste da China.


 


O anterior recorde foi dado a um outro bicho-folha da Malásia, encontrado em 2008, que media 56,7 centímetros e que está agora exibido no Museu de História Natural de Londres.


 


O cientista Zhao Li foi alertado pela população local de que teriam visto um insecto enorme de mais de meio metro de comprimento tão espesso como o dedo indicador humano. Desde então, o cientista andou à procura dele. A busca durou seis anos.


 


"Estava a recolher insectos numa montanha de 1.200 metros de altura na cidade de Guanxi Liuzhou, na noite do 16 de Agosto de 2014, quando surgiu uma sombra negra à distância que parecia um ramo de uma árvore," disse Zhao Li.


 


"Quando me aproximei, fiquei chocado ao encontrar um enorme insecto com pernas tão compridas quanto o corpo", acrescentou o cientista.


O insecto foi apelidado "Phryganistria chinensis Zhao" em sua homenagem.


 


Foram encontradas mais de 3 mil variedades de bichos-folha até agora, segundo a agência Xinhua.


 


@Renascença


06
Mai16

Hetan ona insektu ida ne’ebé bot liu iha mundu

SAPO TL

Hetan ona insektu ida ho naruk besik to’o metru ida, iha parte sul Xina.





Foto: DR




Insektu-ai-tahan nian ida ho sentímetru 62,4 hetan ona iha Gunagxi, provínsia sul Xina, tinan rua liu ba, no agora hetan tan insektu ida ho naruk besik 807.625 iha mundu, tuir ajénsia Xinhua fó sai no sita hosi Muzeu Insektu hosi Oeste Xina.


 


Rekorde dahuluk ho insektu-ai-tahan hosi Malázia ne’ebé hetan iha 2008 ho naruk media sentímetru 56,7 no agora promove hosi Muzeu Istória Naturál  Londres.


 


Sientista Zhao Li simu alerta hosi populasaun lokál katak sira haree insektu ida ne’ebé bot ho naruk besik to’o metru ida, hanesan liman-fuan inan hosi ita-ema nian.  Hahú hosi ne’e maka sientista ne’e la’o buka. No durasaun ba buka insektu refere tinan neen.


 


"Ha’u halo rekolla ba insektu sira iha foho ne’ebé ho aa metru 1.200 iha sidade Guanxi Liuzhou, 16-agostu-2014 kalan, bainhira mosu lalatak nakukun hosi aitahan ninia ramu ida" tenik Zhao Li.


 


"Bainhira ha’u hakbesik-aan ba, ha’u sente hakfodak tanba hetan fali insektu ida ne’ebé ninia ain naruk hanesan ho nia-isin lolon", hatutan tan sientista ne’e.


 


Insektu ne’e hanaran "Phryganistria chinensis Zhao" ba iha ninia omenajen.


 


Hetan ona insektu kiik ba aitahan oioin hamutuk rihun 3 to’o oras ne’e, tuir ajénsia Xinhua fó sai.


 


SAPO TL ho Renascença

Pág. 2/2

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D