Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Hora do Planeta

24
Nov15

Sidadaun CPLP preokupa ho alterasaun, maibé hatete mós hanesan oportunidade

SAPO TL

Efeitu hosi alterasaun klimátika hamosu preokupasaun ba sidadaun sira hosi nasaun lia-portugés sira, maibé haree hanesan oportunidade ida hodi aposta iha ekonomia "verde", maski Mosambike haree ida ne’e hanesan ameasa ida, tuir estudu ida mak halo iha estadu 90.





 


Tuir sira barak mak hatán ba inkéritu, atuasaun kontra mudansa hosi klima hanesan responsabilidade globál, polítiku, sosiedade no sidadaun ida-idak nian.


 


Portugál, Brazil, Mosambike no Kabuverde halo parte iha nasaun 90 mak abranje hosi konsulta públika kona-ba enerjia no klima ne’ebé realize iha fulan-juñu, ho partisipante 100 iha kada estadu.


 


Opinisaun sira ne’ebé mak rekolle sei tranzmite ba responsável polítiku sira ne’ebé sei marka prezensa iha konferénsia Nasoins Unidas nian kona-ba alterasaun klimátika, ne’ebé sei hala’o iha Paris, hahú hosi loron 30 novembru.


 


Nasaun sira ne’e "hatudu preokupasaun boot tebes ho alterasaun klimátika, ho 80% preokupa tebes, no Portugál ho enfaze ki’ik", tuir tendénsia mundiál, hatete horisehik investigadora Luísa Schmidt ba agénsia Lusa.


 


Preokupasaun ho impaktu hosi alterasaun klimátika maka’as liu iha Kabuverde (92% hosi sira ne’ebé hatán ba inkéritu sira), 83%  iha Mosambike no Brazil 75%.


 


Iha Portugál, liu uitoan hosi metade (57%), sidadaun sira preokupa tebes, maibé 42% preokupa de’it.


 


Sosióloga hosi Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa, entidade responsável ba servisu iha Portugál, analiza dadus sira mak hetan no konklui katak " jeneraliza ideia, maski iha Mosambike la’e, entre ema mak alterasaun klimátika sai hanesan oportunidade ba mudansa hodi iha ekonomia verde liu tan, ho enerjia ne’ebé moos, ho efisiénsia, transporte públiku".


 


Mosambike konsidera katak dala barak alterasaun klimátika "bele sai hanesan ameasa ida no ida ne’e iha relasaun ho bee-sa’e no eventu estremu ne’ebé akontese beibeik" iha nasaun ne’e, nia hatutan.


 


Tuir 87% hosi brazileiru sira, dalan hodi kombate alterasaun klimátika hanesan oportunidade hodi hadi’a kualidade moris, maibé entre mosambikanu 37% hatete katak ne’e hanesan ameasa ida.


 


Iha Portugál, ema 81% hatete hanesan oportunidade, persentajen ne’ebé iha Kabuverde ho 72%.


 


Tuir Luísa Schmidt, "di’ak tebes verifika sidadaun hotu, hosi nasaun ne’ebé de’it, entre sira ne’ebé hosi CPLP [Comunidade de Países de Língua Portuguesa] ne’ebé tama iha konsulta públika, konsidera katak tenke iha responsabilidade globál, hosi desizór polítiku sira, hosi sosiedade sivíl no sidadaun sira" iha kestaun klima nian.


 


Brazil no Portugál, ba ema 71% no 72% hatete responsabilidade ne’e tenke globál, respetivamente, iha Mosambike 68% no Kabuverde 64%, no opiniaun mundiál hamutuk 70%.


 


Tuir sira ne’ebé hatán ba inkéritu sira presaun esterna iha papél desizivu. Tuir investigadora, dadus ne’e indika katak sidadaun sira konsidera importante atu "Nasoins Unidas fó presaun ba nasaun sira hodi buka dalan liuhosi akordu ne’ebé sira bele hetan".


 


Luísa Schmidt aponta mós destake ba investigasaun no dezenvolvimentu teknolójiku, hanesan ferramenta importante hodi kombate mudansa hosi klima, no kapasitasaun, no tranzmite katak "presiza investe liu" iha siénsia koñesimentu no iha nia transmisaun.


 


Hodi redús emisaun hosi gás ho efeitu hosi estufa, responsável principal sira ba alterasaun klimátika, sidadaun sira hili subsídiu ba fonte enerjia ho karbonu ki’ik no apoiu ba dezenvolvimentu teknolojia ho karbonu ki’ik.


 


Iha konkordánsia entre sidadaun sira hosi nasaun hirak ne’e kona-ba instrumentu sira ne’ebé adekua hodi redús emisaun, ho 74% to’o 80% defende edukasaun públiku, no protesaun ba florestál tropikál aprezenta 53% iha Brazil, 50% iha Kabuverde, 54% iha Mosambike no 33% iha Portugál.


 


SAPO TL ho Lusa


 


 

24
Nov15

Cidadãos CPLP muito preocupados com alterações, mas dizem também ser oportunidade

SAPO TL

Os efeitos das alterações climáticas preocupam os cidadãos de países de língua portuguesa, mas são encaradas como uma oportunidade para apostar na economia "verde", embora Moçambique os veja como uma ameaça, segundo um estudo feito em 90 estados.





 


Para a maior parte dos inquiridos, na atuação contra as mudanças do clima a responsabilização deve ser global, de políticos, da sociedade e de cada um dos cidadãos.


 


Portugal, Brasil, Moçambique e Cabo Verde fizeram parte dos 90 países abrangidos por uma consulta pública sobre energia e clima, realizada em junho, com 100 participantes em cada estado.


 


As opiniões recolhidas serão transmitidas aos responsáveis políticos que vão estar na conferência das Nações Unidas sobre alterações climáticas, marcada para Paris, a partir de 30 de novembro.


 


Aqueles países "demonstraram uma preocupação muito elevada com as alterações climáticas, com 80% muito preocupados, e Portugal com um enfase um pouco menor", seguindo uma tendência mundial, disse ontem à agência Lusa a investigadora Luísa Schmidt.


 


A preocupação com os impactos das alterações climáticas é mais acentuada em Cabo Verde (92% dos inquiridos), enquanto em Moçambique é de 83% e no Brasil 75%.


 


Em Portugal, são pouco mais de metade (57%) os cidadãos muito preocupados, mas 42% estão somente preocupados.


 


A socióloga do Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa, entidade responsável pelo trabalho em Portugal, analisou os dados obtidos e concluiu que "a ideia generalizada, embora menos em Moçambique, entre as pessoas é que as alterações climáticas são uma oportunidade de mudança para uma economia mais verde, com as energias limpas, com eficiência, com transportes públicos".


 


Moçambique considera com maior frequência que as alterações climáticas "podem ser uma ameaça e isto tem a ver com as cheias e eventos extremos que têm sido mais visíveis" neste país, acrescentou.


 


Para 87% dos brasileiros, as medidas para combater as alterações climáticas são uma oportunidade para melhorar a qualidade de vida, mas entre os moçambicanos 37% dizem que representam uma ameaça.


 


Em Portugal, para 81% são uma oportunidade, percentagem que em Cabo Verde é de 72%.


 


Para Luísa Schmidt, "é interessante verificar que todos os cidadãos, seja de que país for, entre estes da CPLP [Comunidade de Países de Língua Portuguesa] que entraram na consulta pública, consideram que deve haver uma responsabilização que é global, dos decisores políticos, da sociedade civil e dos cidadãos" nas questões do clima.


 


Brasil e Portugal a responsabilidade deve ser global para 71% e 72%, respetivamente, em Moçambique 68% e Cabo Verde 64%, enquanto a opinião mundial ronda os 70%.


 


A pressão externa tem um papel decisivo, referem os inquiridos. Para a investigadora, este dado indica que os cidadãos consideram importante "as Nações Unidas pressionarem os países para tomarem uma série de medidas através dos acordos que se conseguirem".


 


Luísa Schmidt apontou ainda o destaque dado à investigação e ao desenvolvimento tecnológico, como ferramentas importantes no combate às mudanças do clima, e à capacitação, transmitindo que "é preciso investir mais" na ciência e no conhecimento e na sua transmissão.


 


Para reduzir as emissões de gases com efeito de estufa, principais responsáveis pelas alterações climáticas, os cidadãos preferem os subsídios às fontes de energia de baixo carbono e o apoio ao desenvolvimento de tecnologias de baixo carbono.


 


Há concordância entre os cidadãos destes países acerca dos instrumentos mais adequados para reduzir emissões, com 74% a 80% a defender a educação do público, enquanto a proteção das florestais tropicais apresenta 53% no Brasil, 50% em Cabo Verde, 54% em Moçambique e 33% em Portugal.


 


@Lusa

20
Nov15

Governu Timór halo tara-bandu hodi fó protesaun ba ai-kameli

SAPO TL

Governu Timór aprova ona rezolusaun ida hodi hametin liu tan esforsu ba protesaun ai-kameli, ne’ebé sai nu’udar "ai-emblemátiku ho valór nasionál", liu hosi tan tara- bandu, atu nune’e ema labele tesi, estraga no faan.





 


Ezekutivu  ne’e haktuir katak iha rezolusaun ai- kameli no espésie nativa Santalum Album, "sai ona hanesan objetu esplorasaun ekonómiku nian iha kedas tempu koloniál "ho númeru ne’ebé kiik oituan liu" ho ai iha nasaun ne’e.


 


Tamba ne’e maka, rezolusaun ne’e konsidera  ai- kameli " presija hetan duni protesaun espesiál hosi parte instituisaun públika hothotu nomós hosi ema idaidak inklui grupu, tanba ladun barak, hodi hatutan tan katak labele “tesi, estraga no faan”.


 


Governu kompromete atu intensifika ba inventariasaun, peskiza no kuda tan ai- kameli, tanba ne’e husu ba ministériu Agrikultura  no Peskas, ba Polísia Nasionál Timor-Leste nomós ba autoridade kompetente sira " atu halo tuir lei no regulamentu ne’ebé aplika ona, hodi fó protesaun ba ambiente, liu hosi hamenus esplorasaun ilegál ba aihoris nomós ba produtu florestál nian seluk".


 


Ho valór ekonómiku ás no iha valór seluk - "ekolójiku, kultura, terapéutiku, ornamentál no inkluzivu ba relijiosu sira" – ai- kameli hetan esplorasaun ho forma "ilegál no insustentável", dala barak estraga ai sira ne’ebé foin buras ka moris.


 


Seidauk iha dadus ne’ebé konta kuantitavamente kona-bá ai- kameli iha nasaun ne’e, iha rezolusaun ne’e nota  de’it katak " desflorestasaun iha Timor-Leste, iha área florestál ho nia totál pursentu 50 iha territóriu nasionál, no  pursentu 1,7 ba kada tinan".


 


Ho nue’e tenke tau importánsia atu "dezenvolve prátika jestaun florestál sustentável, ne’ebé  bele inklui  programa reflorestasaun no dezenvolve mekanismu ba kontrola atividade florestál degradante nian".


 


"Polítika nasionál no estratéjia sira ba setór florestál ne’e defini hanesan objetivu espesífiku ba protesaun floresta, ho nia ámbitu prioritáriu liu ba proteje ai- kameli  ", haktuir testu ne’e.


 


SAPO TL no Lusa

20
Nov15

Governo timorense reforça proibições para proteger sândalo

SAPO TL

O Governo timorense aprovou uma resolução que pretende reforçar os esforços de proteção do sândalo, como "planta emblemática de valor nacional", reforçando as proibições em vigor de corte, extração e comercialização.





 


Na resolução, o executivo sublinhou que o sândalo e em particular a espécie nativa Santalum Album, "tem sido objeto de exploração económica desenfreada desde os tempos coloniais" com um número "bastante reduzido" de árvores no país.


 


Por isso, o texto considerou que o sândalo "merece especial proteção por parte das instituições públicas e das pessoas singulares e coletivas devido à sua escassez" e sublinhou que "o corte, extração e comercialização" é proibido.


 


Compromete o Governo a intensificar a inventariação, pesquisa e plantação de sândalo e insta o Ministério da Agricultura e Pescas, a Polícia Nacional de Timor-Leste e as demais autoridades competentes "a garantir o cumprimento das leis e regulamentos aplicáveis à proteção ambiental e reprimir a exploração ilegal das florestas e dos produtos florestais".


 


Com elevado valor económico e diversos fins - "ecológicos, culturais, terapêuticos, ornamentais e inclusive religiosos" - o sândalo tem sido explorado de forma "ilegal e insustentável", muitas vezes com a tala de árvores demasiado jovens.


 


Sem detalhar dados quantitativos sobre o sândalo no país, a resolução nota apenas que "a desflorestação em Timor-Leste, cuja área florestal total ronda 50 por cento do território nacional, é de cerca de 1,7 por cento anualmente".


 


Daí que tenha insistido na importância de "desenvolver práticas de gestão florestal sustentável, que incluem programas de reflorestação e desenvolver mecanismos para controlar atividades florestais degradantes".


 


"A política nacional e estratégias para o setor florestal definem como objetivo específico a proteção da floresta, no âmbito do qual a proteção do sândalo se assume como prioritário", sublinhou-se no texto.


 


@Lusa

20
Nov15

Proposta painel CPLP nian kona-ba alterasaun klimátika

SAPO TL

Brazileiru Tércio Ambrizzi, espesialista kona-ba alterasaun klimátika, horisehik iha Lisboa, husu atu kria painel intergovernamentál ida ne’ebé envolve membru hothotu hosi Komunidade Nasaun Lian Portugés (CPLP), atu nune’e bele estuda no apoia desizór sira kona-ba fenómenu ne’e.





 


Profesór hosi Universidade de São Paulo, Brazil, husu ona atu kria "painel intergovernamentál" ida hosi komunidade luzófona nomós "núkleo ida hodi fó apoia ba peskiza" kona-ba alterasaun klimátika, durante nia halo intervensaun iha 1.º Kongresu CPLP nian, kona-ba aletrasaun klimátika, ne’ebé hala’o horisehik no ohin iha Lisboa.


 


"Dalaruma ami sei bele kria buat ne’e, iha ne’e, atu hodi hala’o peskiza no ajuda ema sira ne’ebé foti desizaun kona-ba diresaun tuir mai", defende Tércio Ambrizzi.


 


"Ita tenke hamutuk hodi kria dokumentu úniku ida, atu nune’e bele hatete kona-ba diferensa nomós frakeza hosi ita idaidak, it abele aliár no kombate di’ak liu tan nomós hamenus asaun hosi mudansa klimátika", tuir sujestaun ne’ebé espesialista fó.


 


 


 


Tuir Ambrizzi, kolaborasaun ne’e tenke hala’o liu hosi universidade no investigadór hosi nasaun CPLP oioin, maibé konta ho “suporte inisiál” hosi governu.


 


Iha parte dader, investigadór sira hosi Brazil, Angola, São Tomé e Príncipe, Guiné-Bissau, Kaboverde no Portugal aprezenta projetu hirak ne’ebé hala’o iha sira-ninia nasaun, hodi kontraria efeitu hosi alterasaun klimátika, hodi hamosu diferensa entre nasaun hothotu ne’ebé hanesan emisór gaze ho efeitu estufa – hanesan Brazil, Angola ka Portugal – ka hosi ema sira ne’ebé la fó liu sira-ninia kontribuisaun, maski sira maka susetível liu atu sofre impaktu hosi mudansa klima nian.


 


Hosi nasuan luzófona sira, Guiné-Bissau, Kaboverde ho São Tomé e Príncipe maka sai nu’udar nasaun ne’ebé ladun fó kontribuisaun barak ba emisaun gazes ho efeitu estufa, maski nune’e sira maka sofre efeitu hirak ne’e, liu hosi udan been ne’ebé menus ka udan bot ne’ebé sempre akontese, inundasaun, rai-maran ka siklone.


 


"Ita tenke koa’lia ba malu kona-ba diferensa ne’e. Tuir buat lolos, nasaun kiik sira lakontribui, maibé sira maka sofre, liu-liu sira ne’ebé hanesan illa – tasi kontinua bot. Sira bele besik liu tan no aproveita oportunidade ne’e hodi husu ajuda ba nasaun poluidór liu no bele foti kedas asaun ruma", hatutan tan espesialista brazileiru.


 


SAPO TL ho Lusa

20
Nov15

Proposto painel da CPLP sobre alterações climáticas

SAPO TL

O brasileiro Tércio Ambrizzi, especialista em alterações climáticas, propôs ontem em Lisboa a criação de um painel intergovernamental, envolvendo todos os membros da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), para estudar e apoiar os decisores sobre este fenómeno.





O professor da Universidade de São Paulo, no Brasil, sugeriu a criação de um "painel intergovernamental" da comunidade lusófona e de um "núcleo de apoio à pesquisa" sobre alterações climáticas, durante a sua intervenção no 1.º Congresso CPLP sobre alterações climáticas, que decorre hoje e sexta-feira em Lisboa.


 


"Talvez pudéssemos pensar criar aqui algo nesse sentido, para o desenvolvimento de pesquisa e ajudar os tomadores de decisão sobre as direções a seguir", defendeu Tércio Ambrizzi.


 


"Devemos juntar-nos para fazer um documento único, para que, sabendo as diferenças e as fraquezas de cada um de nós, nos possamos aliar e combater melhor e mitigar as ações das mudanças climáticas", sugeriu o especialista.


 


Para Ambrizzi, a colaboração deve ser feita através das universidades e investigadores dos diferentes países da CPLP, mas contando com o "suporte inicial" dos governos.


 


Durante a manhã, investigadores do Brasil, Angola, São Tomé e Príncipe, Guiné-Bissau, Cabo Verde e Portugal apresentaram projetos a decorrer nos respetivos países para contrariar os efeitos das alterações climáticas, tornando evidente as diferenças entre os países que são emissores de gases com efeito de estufa - como Brasil, Angola ou Portugal - ou outros cujo contributo é quase nulo, mas que são mais suscetíveis de sofrer os impactos das mudanças do clima.


 


Entre os países lusófonos, destacam-se a Guiné-Bissau, Cabo Verde e São Tomé e Príncipe como países que pouco contribuem para as emissões de gases com efeitos de estufa, mas que sofrem mais com os seus efeitos, como a diminuição das chuvas ou ocorrência de chuvas torrenciais, inundações, secas ou ciclones.


 


"Temos de compatibilizar [estas diferenças]. Na verdade, os pequenos países não contribuem, mas são aqueles que vão sofrer mais, principalmente os que são ilhas - o aumento do nível do mar está a ocorrer e vai continuar a ocorrer. Eles poderiam estar mais próximos e aproveitar a oportunidade de contar com a ajuda dos países mais poluidores, e que deveriam ter uma ação mais imediata", sustentou o especialista brasileiro.


 


@Lusa

13
Nov15

Astronauta sei lori akordu hosi simeira Paris ba Espasu

SAPO TL

Astronauta Thomas Pesquet sei lori ba espasu, iha tinan oinmai, testu hosi eventuál akordu kona-bá alterasaun klimátiku nebe sei sai hosi simeira Paris nian, iha fulan-Dezembru, hatete hosi sekretáriu Estadu fransés ba investigasaun.




Thomas Pesquet. Foto © Sergei Remezov


 


"Ami hein katak sira bele fó mai ami testu hosi rezolusaun finál", afirma hosi Thierry Mandon, iha konferénsia imprensa ida iha Paris, hodi hatudu esperansa relasionadu ho konkista ba akordu ida, maski "laiha serteza" iha konversasaun sira.


 


Simeira hosi Klima ONU nian (COP21), sei hala'o iha loron 30 Novembru to'o 11 Dezembru, sei halibur xefe Estadu no Governu atus resin no nia objetivu maka konsege akordu internasionál ida kona-bá hamenus emisaun gás sira ho efeitu estufa nian, nebe hanesan responsável ba akesimentu globál no ba konsekuénsia katastrófiku sira liuliu iha aumentu ba nível tasi nian.


 


Iha Paris sei marka prezensa hosi líder sira hosi emisór prinsipál sira hosi gás ho efeitu estufa hanesan Estadus Unidus, Xina, Índia, Brazil no Rúsia, maibé mós hosi nasaun sira nebe fraku sira hasoru efeitu sira hosi alterasaun klimátiku hanesan Bangladexe ka Níjer.


 


Bainhira líder mundiál sira konkorda no asina akordu ida, Prezidente fransés, Francois Hollande, sei entrega rasik dokumentu ne'e ba astronauta antes nia hahú viajen, hatete hosi Mandon.


 


Ba Thomas Pesquet, astronauta ida hosi Ajénsia Espasiál Europeiu nian, nia sei husu mós atu lori bandeira ki'ik ida Fransa nian iha nia viajen ba Estasaun Espasiál Internasionál, iha fulan-Novembru 2016.


 


"Ambiente hanesan buat ida nebe besik nafatin iha ha'u nia fuan. Bainhira sira fila hosi Espasu, astronauta sira mai oin-seluk tanba haree Rai nia frakeza", hatete hosi fransés ho tinan 37.


 


Lusa/SIC Notícias

13
Nov15

Astronauta vai levar acordo da cimeira de Paris para o Espaço

SAPO TL

O astronauta Thomas Pesquet vai transportar para o espaço, no próximo ano, o texto do eventual acordo sobre as alterações climáticas que saia da cimeira de Paris, em dezembro, disse o secretário de Estado francês para a investigação.




Thomas Pesquet. Foto © Sergei Remezov


 


"Nós esperamos realmente ser capazes de vos dar o texto da resolução final", afirmou Thierry Mandon, numa conferência de imprensa em Paris, mostrando ter ainda esperança relativamente à conquista de um acordo, apesar da "muita incerteza" em torno das conversações.


 


A 21.ª Cimeira do Clima da ONU (COP21), que vai decorrer de 30 de novembro a 11 de dezembro, vai fazer juntar mais de uma centena e meia de chefes de Estado e de Governo e tem como objetivo conseguir um acordo internacional sobre redução de emissões de gases com efeito de estufa, responsáveis pelo aquecimento global e pelas suas consequências catastróficas, nomeadamente o aumento do nível do mar.


 


Em Paris vão estar os líderes dos principais emissores de gases de efeito de estufa como Estados Unidos, China, Índia, Brasil ou Rússia, mas também dos países mais vulneráveis aos efeitos das alterações climáticas como Bangladesh ou o Níger.


 


Se os líderes mundiais acordarem e assinarem um acordo, o Presidente francês, Francois Hollande, vai pessoalmente entregar o documento ao astronauta antes de ele partir, disse Mandon.


 


A Thomas Pesquet, um astronauta da Agência Espacial Europeia, pedir-se-á também que leve uma pequena bandeira da França na sua viagem rumo à Estação Espacial Internacional, em novembro de 2016.


 


"O ambiente é algo que sempre esteve próximo do meu coração. Quando regressam do Espaço, os astronautas veem sempre um pouco diferentes porque viram a fragilidade da Terra", realçou o francês, de 37 anos.


 


Lusa/SIC Notícias

10
Nov15

El Niño nia kbiit nebe aumenta ameasa labarik sira nia moris, avizu hosi UNICEF

SAPO TL

Iha loron-tersa ne'e UNICEF hatete katak labarik millaun 11 iha risku hetan hamlaha, moras no falta bee iha Áfrika Orientál ho Austral tanba forsa nebe aumenta hosi fenómenu meteorolójiku nebe koñesidu ho naran El Niño.


 





Tuir UNICEF/Fundu hosi Nasaun Unidu ba Infánsia, El Niño halo mós rai-maran no bee-sa'e iha parte balun hosi Ázia, hosi rejiaun Pasífiku no hosi Amérika Latinu.

El Niño hanesan padraun klimátiku ida ligadu ba akesimentu hosi bee sira iha superfísie Oseanu Pasífiku nian nebe bele iha efeitu maka'as iha padraun klimátiku sira iha mundu tomak.

Manifestasaun sira hosi El Niño sei akontese ho períudu ida nebe la hanesan entre tinan rua no tinan hitu nia laran.

"Konsekuénsia sira bele iha efeitu hosi kaskata kona-bá jerasaun oioin, nune'e komunidade afetadu sira simu apoiu hodi hasoru ho diminuisaun ba kolleita sira no falta asesu ba bee moos nebe halo daudaun labarik sira laiha nutrisaun nebe di'ak no iha risku hasoru moras todan sira", alerta hosi UNICEF.

Tuir UNICEF, El Niño bele hamosu aumentu maka'as tebes ba moras sira hanesan malária, dengue, diareia ho kólera - moras sira nebe sai hanesan kauza prinsipál ba labarik sira nia mate.

"Bainhira kondisaun meteorolójiku extremu sira muda komunidade sira nia dalan moris, labarik ki'ik sira hetan liu terus tanba subnutrisaun, nebe halo sira sai liu fraku hodi hetan moras, sofre ba atrazu iha dezenvolvimentu kognitivu no mate prematuru", hatutan UNICEF.


 





"Labarik sira no komunidade sira nebe hetan problema ne'e presiza ita nia tulun hodi rekupera hosi impaktu El Niño nian no hodi bele prepara ba estraga sira nebe bele mosu hosi fenómenu ne'e", hatete hosi diretór ezekutivu UNICEF nian, Anthony Lake.

Nia hatete katak intensidade no potensiál hosi destruisaun El Niño nian bele hatudu alerta ida ba reuniaun hosi líder mundiál sira nian iha Paris.

"Bainhira hahú diskusaun ba akordu ida hosi limita akesimentu globál, tenki hanoin katak labarik sira nia futuru iha loron ohin no planeta nia futuru nebe sira sei hetan maka sai hanesan kauza", hatete hosi Anthony Lake.

Líder mundiál sira sei hasoru malu iha Paris iha Konferénsia Nasaun Unidu nian ba dala 21 kona-bá Klima, nebe koñesidu mós hanesan COP21, hosi loron 30 Novembru to'o 11 Dezembru tuirmai.

Objetivu hosi enkontru ne'e maka hetan akordu vinkulativu ida nebe hakarak limita akesimentu globál iha diminuisaun ba emisaun gás sira nebe iha efeitu estufa nian.

Akontesimentu sira hosi El Niño la'ós mosu hosi alterasaun klimátiku, maibé sientista sira fiar katak agora aumenta liu iha rezultadu sira hosi alterasaun klimátiku nian.

Nasaun barak nebe agora daudaun terus tanba efeitu sira hosi El Niño maka sira nebe hasoru ameasa todan hosi parte alterasaun klimátiku nian. Área sira nebe afetadu iha mós nível kiak nebe aas tebes.

Tuir espesialista sira, karik provável atu fenómenu meteorolójiku ne'e, hanesan ida nebe maka'as liu, sei hamosu tan bee-sa'e no rai-maran, hamosu tufaun no siklone sira iha Pasífiku, no afeta zona barak bainhira hetan nafatin kbiit hanesan hatudu iha previzaun sira ba fulan hirak tuirmai ne'e.

Somália, Etiópia, Indonézia, nasaun sira iha Pasífiku, Guatemala, Honduras, El Salvador, Peru, Ekuadór hanesan nasaun no rejiaun balun nebe afetadu hosi fenómenu El Niño.

ho Lusa

10
Nov15

Força crescente do El Niño ameaça a vida das crianças, avisa UNICEF

SAPO TL

A UNICEF estimou hoje que 11 milhões de crianças estejam em risco de fome, doenças e falta de água na África Oriental e Austral em resultado da força crescente do fenómeno meteorológico conhecido por El Niño.


 




Segundo a UNICEF/Fundo das Nações Unidas para a Infância, o El Niño também está a causar secas e cheias em partes da Ásia, da região do Pacífico e da América Latina.

El Niño é um padrão climático ligado ao aquecimento das águas de superfície do Oceano Pacífico, que pode ter um efeito profundo nos padrões climáticos em todo o mundo. As manifestações de El Niño tendem a acontecer com uma periodicidade que varia entre os dois e os sete anos.

"As consequências poderão ter um efeito de cascata sobre várias gerações, a menos que as comunidades afetadas recebam apoio para lidar com a quebra das colheitas e a falta de acesso a água potável, que estão a deixar as crianças malnutridas e em risco face às doenças fatais", alertou a UNICEF.

De acordo com a UNICEF, El Niño pode levar a um incremento significativo de doenças como a malária, o dengue, a diarreia e a cólera -- doenças que estão entre as principais causas de morte de crianças.

"Quando as condições meteorológicas extremas privam as comunidades do seu modo de vida, as crianças mais novas sofrem muitas vezes de subnutrição, o que as deixa ainda mais expostas ao risco de adoecerem, sofrerem atrasos no desenvolvimento cognitivo e morrerem prematuramente", adverte a UNICEF.


 




"As crianças e as comunidades em que se inserem precisam da nossa ajuda para recuperar do impacto de El Niño e para se prepararem para os estragos ulteriores que aquele fenómeno pode desencadear," considerou o diretor executivo da UNICEF, Anthony Lake.

Observou, a propósito, que a intensidade e o potencial de destruição do El Niño podem representar um alerta por ocasião da reunião de líderes mundiais em Paris.

"Ao procederem à discussão de um acordo para limitar o aquecimento global, devem lembrar-se de que o futuro das crianças de hoje e o do planeta que elas vão herdar está em causa", enfatizou Anthony Lake.

Os líderes mundiais vão reunir-se em Paris por ocasião da 21ª Conferência das Nações Unidas sobre o Clima, também conhecida como COP21, de 30 de novembro a 11 de dezembro próximos.

O objetivo do encontro é o de alcançar um acordo vinculativo que vise limitar o aquecimento global mediante a redução das emissões dos gases com efeito de estufa.

As ocorrências de El Niño não são causadas pelas alterações climáticas, mas os cientistas acreditam que estão a tornar-se mais intensas em resultado das alterações climáticas.

Muitos dos países que estão agora a sofrer os efeitos de El Niño são aqueles que enfrentam a mais grave ameaça por parte das alterações climáticas. Muitas das áreas afetadas têm também elevados níveis de pobreza.

Segundo especialistas, é provável que este fenómeno meteorológico, um dos mais fortes de que há registo, venha a causar mais cheias e secas, a alimentar tufões e ciclones no Pacífico, e a afetar mais zonas se continuar a ganhar força como indicam as previsões para os próximos meses.

Somália, Etiópia, Indonésia, nações do Pacífico, Guatemala, Honduras, El Salvador, Peru, Equador são alguns dos países e regiões afetados pelo fenómeno El Niño.

com Lusa

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D