Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Hora do Planeta

08
Out15

El Nino bele hamosu iha 2016 brankeamentu aat liu korál nian iha istória

SAPO TL

Korrente ekuatoriál manas ida nebe mosu iha Pasífiku, relasionadu ho El Nino, bele hamosu iha 2016 epizódiu aat ba brankeamentu korál iha istória, alerta hosi investigadór australianu sira iha loron-kinta ne'e.




 


Sientista sira hosi Universidade Queensland (Austrália) no hosi Ajénsia Oseániku no Atmosfériku Norte-amerikanu nian (NOAA, sigla lian inglés) esplika iha estudu ida nebe hatete de'it ba dala tolu maka sei akontese akontesimentu ida haneasn ne'e no resife sira hanesan Great Barrier Reef australianu nian sei afetadu liu.


 


"Bainhira kontinua aat nafatin, Great Barrier Reef sei hetan brankeamentu jeneralizadu ida ho mortalidade inerente tanba konsekuénsia hosi elevasaun beibeik hosi nivel temperatura tasi been nian", hatete hosi Ove Heogh-Guldberg, diretór hosi Institutu Alterasaun Globál hosi Universidade australianu nian.


 


Durante epizódiu dahuluk hosi brankeamentu globál nian, nebe rejista iha 1998, "metade hosi Great Barrier Reef, nebe klasifika hanesan patrimóniu Humanidade nian, afetadu no korál entre 5% to'o 10% mate ona, nia hatete. Ba dala rua akontese iha 2010, hafoin tempestade sira nebe aumenta stress nebe manas hamosu.


 



 


Fenómenu brankeamentu korál nian akontese bainhira, tanba temperatura hosi bee oseanu nian sa'e, korál sira hasai ho forsa alga simbiótiku sira nebe moris iha sira nia kulit, hodi hamosu kolorasaun iha korál sira. Auzénsia naruk hosi alga sira ne'e halo pólipo korál sira mate.


 


"Recife bele la hetan hipóteze iha 2016", alerta hosi Heogh-Guildberg, hodi hatutan katak Great Barrier Reef iha kilómetru kuadradu rihun 345, iha sistema karolinu hamutuk rihun tolu resin no illa tropikál millar ida resin.


 


Foin lalais, Governu australianu konsege evita ona atu UNESCO hatama Great Barrier Reef iha lista ba patrimóniu sira nebe iha perigu, hafoin hala'o tiha planu ida prezervasaun nebe sei halo iha tinan 35 tuirmai.


 


Resife karolinu sira nebe lakon iha impaktu importante tebes iha ekosistema tasi nian, tanba hanesan korál sira nebe fó hahán no fatin ba espésie oioin hosi ikan no krustáseu sira. Iha 1998, resife koralinu afetadu iha nasaun tropikál 60.


 


Fenómenu atuál hosi El Nino, nebe mosu fali iha fulan-Marsu ne'e, karik sei mosu to'o primavera 2016 nian no bele sai hanesan ida nebe maka'as liu, haktuir hosi investigadór no sientista norte-amerikanu sira.


 


El Nino hanesan fenómenu iregulár ida, nebe hamosu aumentu iha temperatura bee sira nian iha Pasífiku, udan boot iha zona balun, rai-maran iha zona sira seluk no anin nebe fraku. Sientista sira suspeitu katak akesimentu globál bele aumenta mós ho frekuénsia hosi El Nino.


 


ho Lusa

08
Out15

El Nino poderá gerar em 2016 o pior branqueamento de coral da história

SAPO TL

O ressurgimento de uma corrente equatorial quente no Pacífico, associada ao El Nino, poderá gerar em 2016 o pior episódio de branqueamento de corais jamais registado, alertaram investigadores australianos esta quinta-feira. 




 


Cientistas da universidade de Queensland (Austrália) e da Agência Oceânica e Atmosférica Norte-americana ((NOAA, na sigla inglesa) explicam num estudo que se trata apenas da terceira vez que ocorrerá um acontecimento dessa natureza e que recifes como os da Grande Barreira de Coral australiana serão particularmente afetados.


 


"Se a situação continuar a agravar-se, a Grande Barreira de Coral vai sofrer um branqueamento generalizado com a mortalidade inerente à consequência mais frequente da elevação dos níveis de temperatura da água do mar", disse Ove Heogh-Guldberg, diretor do Instituto de Alterações Globais da universidade australiana.


 


Durante o primeiro episódio de branqueamento global, registado em 1998, "mais de metade da Grande Barreira de coral, classificada como património da Humanidade, foi afetada e entre 5% a 10% dos corais morreram, recordou. A segunda vez ocorreu em 2010, depois de tempestades que agravaram o stresse provocado pelo calor.


 



 


O fenómeno do branqueamento do coral acontece quando, devido à subida da temperatura da água do oceano, os corais expelem as algas simbióticas que vivem nos seus tecidos, produzindo a coloração dos corais. A ausência prolongada dessas algas leva à morte dos pólipos de coral.


 


"O recife poderá não ter qualquer hipótese em 2016", alertou Heogh-Guildberg, aludindo à Grande Barreira, que se estende ao longo de 345 mil quilómetros quadrados, conta com cerca de 3.000 sistemas coralinos e mais de um milhar de ilhas tropicais.


 


Recentemente, o Governo australiano conseguiu evitar que a UNESCO colocasse a Grande Barreira na lista de património em perigo, depois de pôr em prática um plano de preservação que vai prolongar-se pelos próximos 35 anos.


 


O desaparecimento dos recifes coralinos tem um impacto muito importante no ecossistema marinho, uma vez que são os corais que fornecem alimento e abrigo a numerosas espécies de peixes e de crustáceos. Em 1998, os recifes coralinos de 60 países tropicais foram afetados.


 


O atual fenómeno do El Nino, que ressurgiu em março último, deverá persistir até à primavera de 2016 e poderá tornar-se um dos mais intensos de sempre, segundo preveem investigadores e cientistas norte-americanos.


 


O El Nino é um fenómeno irregular, que provoca o aumento da temperatura das águas no Pacífico, fortes chuvas em certas zonas, secas noutras e ventos fracos. Os cientistas suspeitam que o aquecimento global possa aumentar também a frequência do El Nino.


 


com Lusa

06
Out15

Grupu sientista sira deskobre espésia foun hosi mamíferu iha Indonézia

SAPO TL

Sientista sira hosi nasaun oioin nebe serbisu iha Indonézia deskobre ona espésie foun ida mamíferu nian, naran "hog-nosed rat", tanba nia karakterístika nebe seidauk observa hosi sientista sira.




 


Animál ne'e deskobre iha rejiaun ida iha foho nebe izoladu iha illa Sulawesi, iha sentru Indonézia nian, informa hosi muzeu australianu Victoria, nebe nia sientista sira partisipa iha serbisu sira ne'e.


 


Laho, nebe nia naran sientífiku maka Hyorhinomys stuempkei, iha "karakterístiku nebe foun tebes ba siénsia", hatutan hosi muzeu ne'e iha komunikadu nebe publika iha loron-tersa ne'e. Deskoberta ne'e halo hosi ekipa sientista ida hosi Indonézia, Austrália ho Estadus Unidus.


 


Aleinde inus ho kór roza axatadu no boot, nia inus hanesan fahi ida niain, animál ne'e iha tilun boot, ibun ki'ik no nehan sira iha oin naruk, haktuir hosi fonte hanesan.


 


Iha foto sira nebe hasai, mamíferu ne'e iha tamañu hanesan laho ida. "Ha'u hakfodak tebes tanba hetan espésie foun ida mamíferu nian nebe oinseluk liu hosi espésie sira nebe hanesan referensiadu hosi siénsia", hatete hosi Kevin Rowe, sientista ida hosi Muzeu Victoria.


 


Mamíferu ne'e hanesan karnívoru no, karik, han miñoka sira ka larva hosi insetu sira.

ho Lusa

06
Out15

Grupo de cientistas descobre nova espécie de mamífero na Indonésia

SAPO TL

Cientistas de vários países que estavam a trabalhar na Indonésia descobriram uma nova espécie de mamífero, chamado rato do nariz achatado, devido às suas características jamais antes observadas pelos cientistas.






 


Esta criatura foi descoberta numa região de montanha isolada na ilha de Sulawesi, no centro da Indonésia, informou o museu australiano de Victoria, cujos cientistas participaram nos trabalhos.


 


O rato, que tem o nome científico de Hyorhinomys stuempkei, tem “características nunca antes vistas pela ciência”, acrescentou o museu, num comunicado hoje publicado. Esta descoberta foi feita por uma equipa de cientistas da Indonésia, Austrália e dos Estados Unidos.


 


Além do nariz rosa achatado e grande, em que as narinas têm uma forma semelhante à de um porco, o animal tem grandes orelhas, uma boca pequena e dentes frontais longos, segundo a mesma fonte.


 


Nas fotos tiradas, o mamífero parece ter o mesmo tamanho de um rato. “Estou surpreendido por ter encontrado uma nova espécie de mamífero tão diferente das outras espécies que estão referenciadas pela ciência”, disse Kevin Rowe, um dos cientistas do Museu Vitória.


 


Este mamífero é carnívoro e alimenta-se, provavelmente, de minhocas e larvas de inseto.


 


com Lusa

Pág. 3/3

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D