Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Hora do Planeta

16
Out15

Loron Internasionál hodi Halakon Kiak 2015

SAPO TL

Loron Internasionál hodi halakon Kiak selebra iha loron 17 fulan-Outubru.


 



 


Loron ne'e komemora ofisialmente ba dala uluk iha 1993, ho objetivu fó alerta ba populasaun ba nesesidade hodi defende direitu báziku ema nian.

Buat hotu hahú iha loron 17 fulan-Outubru 1987 bainhira Joseph Wresinski, fundadór hosi Movimento Internacional ATD ( Ajuda a Toda a Desgraça) Quarto Mundo, organiza iha Paris reuniaun ida hodi hanoin vítima sira hosi hamlaha no kiak nian, iha fatin nebe uluk asina tiha Deklarasaun Universál Direitu Ema nian. Ema rihun 100 maka hatán ba nia apelu.

Informasaun sira nebe UNESCO fó sai hatudu katak ema millaun 842 sei iha hamlaha maka'as entre tinan 2011 no 2013. Asembleia Jerál ONU nian, liuhosi rezolusaun 47/196, dezigna loron ne'e ho hanoin hodi promove konsiensializasaun kona-bá nesesidade hodi halakon kiak iha mundu. Halakon kiak mosu iha sentru hosi Objetivu sira hosi Dezenvolvimentu Miléniu nian (ODM) no hosi Objetivu foun sira hosi Dezenvolvimentu Sustentável.

"Harii futuru ida sustentável: Hamutuk hodi hakotu ho kiak no diskriminasaun" maka tema ba Loron Internasionál hodi Halakon Kiak 2015. "Iha loron ne'e ita hotu hanoin, desidi no halo atuasaun hamutuk hasoru kiak maka'as, no harii mundu ida nebe labele husik ema ida ba kotuk. Ita nia objetivu maka prosperidade ba ema tomak no la'ós de'it ba ema balun", hatete hosi Ban Ki-moon, Sekretáriu Jerál ONU nian, iha nia mensajen espesiál ba loron ne'e.

@SAPO Timor-Leste

16
Out15

Dia Internacional para a Erradicação da Pobreza 2015

SAPO TL

O Dia Internacional para a Erradicação da Pobreza celebra-se a 17 de Outubro.




 


A data foi comemorada oficialmente pela primeira vez em 1993, com o objetivo de alertar a população para a necessidade de defender um direito básico do ser humano.

Tudo começou a 17 de Outubro de 1987 quando Joseph Wresinski, o fundador do Movimento Internacional ATD ( Ajuda a Toda a Desgraça) Quarto Mundo, organizou em Paris uma reunião em honra das vítimas da fome e da pobreza, no local onde tinha sido assinada a Declaração Universal dos Direitos Humanos. Ao seu apelo responderam cem mil pessoas.

Dados revelados pela UNESCO indicam que 842 milhões de pessoas continuam a sofrer de fome crónica entre 2011 e 2013. A Assembleia Geral das Nações Unidas, pela resolução 47/196, designou este dia com o intuito de promover a consciencialização sobre a necessidade de erradicar a pobreza e a miséria no mundo. A erradicação da pobreza permanece no centro dos Objetivos de Desenvolvimento do Milénio (ODM) e dos novos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável.

"Construir um futuro sustentável : Juntos para acabar com a pobreza e a discriminação" é o tema do Dia Internacional para a Erradicação da Pobreza de 2015. "Neste dia nós nos comprometemos a pensar, decidir e agir juntos contra a pobreza extrema, e a criar um mundo onde ninguém é deixado para trás. O nosso objectivo deve ser a prosperidade para todos e não apenas para alguns", disse Ban Ki-moon, o Secretário Geral da ONU, na sua mensagem especial para este dia.

@SAPO Timor-Leste

14
Out15

UNESCO defende kombinasaun tradisaun no siénsia hodi prevene risku dezastre

SAPO TL

UNESCO defende ohin kombinasaun prátika no matenek tradisionál ho koñesimentu sientífiku hodi prevene risku dezastre ho forma efikás no sustentável, bainhira komemora Loron Internasionál ba Redusaun Dezastre Naturál.





 


Foto: Epifânio Sarmento @SAPO TL


 


"Ita la bele ignora koñesimentu ne’ebé disponível mai ita; maibé, ita tanke haboot no integra koñesimentu no esperiénsia iha ne’ebé de’it sira iha. Konvida ita-nia parseiru hotu no governu hodi promove vizaun global ne’e: ne’e mak xave ba konstrusaun sosiedade ne’ebé reziliente tebes bainhira sira halo parte", refere diretora-jerál Organizasaun Nasoins Unidas nian ba Edukasaun, Siénsia no Kultura (UNESCO), Irina Bokova, iha mensajen ida ne’ebé fósai iha okaziaun efeméride.


 


"Koñesimentu salva vida. Loron ne’e hanesan oportunidade ida hodi konsentra iha importánsia vitál hosi koñesimentu lokál, tradisionál no indíjena, iha redusaun risku dezastre ba ida ne’ebé hanaran perigu naturál", konsidera diretora-jerál UNESCO nian, no asegura katak nia ajénsia "firmemente kompromete iha prosesu ne’e, liuhosi nia esperiénsia edukasionál, sientífika no kulturál".


 


Responsável ne’e lembra katak "kontribuisaun koñesimentu, indíjena no lokál, ba reziliénsia entre populasaun vulnerável realsa bainhira mosu tsunami iha oseanu Índiku iha tinan 2004", ho ne’e " UNESCO kompromete ho maiór difuzaun posível ba koñesimentu indíjena hodi hasoru dezafiu hosi mudansa klimátika no risku naturál, liu-liu iha zona remota, hanesan illa kiik sira, zona ho altitude boot no trópiku úmidu".


 


Fó ezemplu ba impaktu hosi tipu inisiativa ne’e, Irina Bokova hatete katak "UNESCO lansa inisiativa ida, iha Filipina, Timor-Leste no iha Indonézia hodi rejista koñesimentu local ne’ebé ajuda atu prevee, “mitigar” no adapta ho tempestade, siklone no efeitu hosi mudansa klimátika".


 


"Buat hotu hatudu koñesimentu kle’an no domíniu iha ambiente ba povu sira ne’ebé hela iha ne’ebá, ne’ebé bele inklui ho urjente iha polítika jestaun dezastre naturál", nia afirma iha nota.


 


Terseira Konferénsia Mundiál Nasoinss Unidas nian kona-ba Redusaun Risku ba Dezastre, ne’ebé realize iha fulan marsu, iha sidade japoneza, Sendai apela ba nesesidade atu fó sai ho di’ak koñesimentu ne’e ba benefísiu ema hotu nian, no enkoraja atu halo "maiór koperasaun" entre governu, autoridade lokál, komunidade no povu indíjena iha formulasaun no implementasaun polítika no norma hodi prevene dezastre naturál.


 


SAPO TL ho Lusa


 

14
Out15

UNESCO defende combinação de tradição e ciência para prevenir risco de desastres

SAPO TL

A UNESCO defendeu hoje a combinação de práticas e saberes tradicionais com conhecimentos científicos para prevenir de forma eficaz e sustentável o risco de desastres, quando se assinala o Dia Internacional para a Redução de Desastres Naturais.





 


Foto: Epifânio Sarmento @SAPO TL


 


"Não podemos ignorar o conhecimento disponível para nós; ao invés disso, devemos expandir e integrar o conhecimento e experiência onde quer que eles podem ser encontrados. Convido a todos os nossos parceiros e governos para promover essa visão global: é a chave para a construção de sociedades que são tanto mais resilientes quando elas são inclusivas", refere a diretora-geral da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO), Irina Bokova, numa mensagem divulgada por ocasião da efeméride.


 


"O conhecimento salva vidas. Este dia é uma oportunidade para se concentrar na importância vital dos conhecimentos locais, tradicionais e indígenas, na redução do risco de desastres no que diz respeito aos perigos naturais", considerou a diretora-geral da UNESCO, assegurando que a sua agência "está firmemente empenhada neste processo, através da sua experiência educacional, científica e cultural".


 


A responsável lembrou que "a contribuição do conhecimento, indígena e local, para a resiliência entre populações vulneráveis foi realçada aquando do tsunami registado no oceano Índico em 2004", pelo que "a UNESCO está comprometida com a maior difusão possível dos conhecimentos indígenas para enfrentar os desafios das mudanças climáticas e os riscos naturais, especialmente em zonas remotas, tais como pequenas ilhas, zonas de grande altitude e os trópicos húmidos".


 


Exemplificando o impacto deste tipo de iniciativa, Irina Bokova assinalou que "a UNESCO lançou uma iniciativa, nas Filipinas, Timor-Leste e na Indonésia para registar o conhecimento local que ajuda a prever, mitigar e adaptar às tempestades, ciclones e os efeitos das mudanças climáticas".


 


"Tudo demonstra o profundo conhecimento e domínio do ambiente pelos povos que vivem lá, o que deve-se incluir urgentemente nas políticas de gestão de desastres naturais", afirmou na nota.


 


A Terceira Conferência Mundial das Nações Unidas sobre Redução de Riscos de Desastre, realizada em março último, na cidade japonesa de Sendai apelou para a necessidade de tornar esse conhecimento melhor difundido para o benefício de todos, exortando para "uma maior cooperação" entre governos, autoridades locais, comunidades e povos indígenas na formulação e implementação de políticas e normas para a prevenção de desastres naturais.


 


@Lusa

12
Out15

Loron Hodi Hamenus Dezastre Naturál sira - 13 fulan-Outubru

SAPO TL

Antes selebra iha loron-kuarta daruak fulan-Outubru nian, maibé hahú 2009 maka Loron Internasionál Hodi Hamenus Dezastre Naturál sira selebra ona tinan-tinan iha loron 13 fulan-Outubru, desizaun ida nebe foti hosi Asembleia-Jerál ONU nian.


 




Loron ne'e harii iha tinan 1989 hodi alerta nasaun sira ba nesesidade hodi adopta polítika sira protesaun hasoru dezastre naturál sira. Iha loron ne'e, nasaun sira no sidadaun sira hetan konviti hodi halo parte iha edifikasaun ba komunidade ida nebe iha kapasidade hodi hasoru dezastre naturál sira.

"Knowledge for Life"
hanesan tema ba Loron Hodi Hamenus Dezastre Naturál sira 2015 nian. Tema ne'e iha relasaun ho koñesimentu tradisionál, indíjena no lokál, nebe komplementa siénsia modernu. Hanesan ezemplu, koñesimentu hosi sinál sira alerta nian iha natureza nebe bele sai importante hodi hametin asaun ida prekose nebe hamenus impaktu hosi dezastre sira nebe akontese beibeik ka fenómenu sira nebe akontese derepenti hanesan rai-maran, rai-manas, tempestade sira no inundasaun sira. Hanesan aliadu ba koñesimentu sientífiku, hanesan relatóriu sira nebe meteorolojista sira hato'o, koñesimentu lokál hanesan importante tebes, nebe transmiti hosi jerasaun ba jerasaun.


 




"Koñesimentu tradisionál no indíjena hanesan baze ba informasaun importante ba sosiedade barak nebe hakarak moris iha harmonia ho natureza no adapta ba akontesimentu klimátiku sira nebe destrutivu, ba akesimentu globál no aumentu ba nível tasi nian", hatete hosi Ban Ki-moon, Sekretáriu-Jerál ONU nian.

@SAPO Timor-Leste

12
Out15

Dia para a Redução dos Desastres Naturais - 13 de Outubro

SAPO TL

Originalmente celebrado na segunda quarta-feira de outubro, desde 2009 que o Dia Internacional para a Redução de Catástrofes passou a ser celebrado anualmente a 13 de outubro, uma decisão tomada pela Assembleia Geral das Nações Unidas.


 




A data foi criada em 1989 com o intuito de alertar as nações para a necessidade de adoção de políticas de proteção contra aos desastres naturais. Neste dia, os países e os cidadãos são convidados a fazer parte da edificação de uma comunidade mais resiliente quanto aos desastres naturais.

“Conhecimento para a Vida” é o tema do Dia Internacional para a Redução de Catástrofes de 2015. O tema está relacionado com o conhecimento tradicional, indígena e local, que complementa a ciência moderna. Por exemplo , o conhecimento dos sinais de alerta na natureza pode ser vital para assegurar uma ação precoce que diminua o impacto dos desastres que acontecem gradualmente ou fenómenos que acontecem repentinamente como as secas, ondas de calor, tempestades e inundações. Aliado ao conhecimento científico, como sejam os relatórios gerados pelos meteorologistas, o conhecimento local é vital, sendo transmitido de geração em geração.


 




"O conhecimento tradicional e indígena é a base de informação indispensável para muitas sociedades que procuram viver em harmonia com a natureza e adaptar-se aos acontecimentos climáticos destrutivos, ao aquecimento global e o aumento do nível do mar", disse Ban Ki-moon, Secretário-Geral da ONU.

@SAPO Timor-Leste

09
Out15

Timor hanesan mós fundadór hosi V20 ne’ebé halibur Estadu sira mak hetan ameasa tanba alterasaun klimátika

SAPO TL

Timor hanesan mós Estadu fundadór ida hosi grupu V20, ne’ebé halibur nasaun vulnerável sira ba alterasaun klimátika, hodi buka atu mobiliza influénsia favorável ba sira-nia interese.





 


Foto: Joalarcao @SAPO TL


 


V20 halibur nasaun sira ne’ebé kiak liu iha planeta no aprezenta diretamente iha antípoda G20 nian, ne’ebé halibur Estadu 20 ne’ebé iha liu podér iha planeta, ne’ebé ministru Finansas sira hala’o sorumutu iha kinta-feira iha Lima, iha okaziaun asembleia anuál Fundu Monetáriu Internasionál no Banku Mundiál nian.


 


"Ami hanesan nasaun ho rendimentu kiik ka natoon, menus dezenvolvidu, “áridos”, peninsulár, “encravados”, foho, foho kiik sira ne’ebé iha dezenvolvimentu", haktuir komunikadu ne’ebé fó sai bainhira kria grupu ne’e, ne’ebé preside hosi ministru Finansas filipinu, Cesar Purisima.


"Ami halibur ema millaun 700 (...) no ami hamutuk iha ami-nia vulnerabilidade kontra alterasaun klimátika", esplika grupu foun ne’e iha komunikadu.


 


Kriasaun ba V20 hala’o bainhira finansiamentu iha luta kontra alterasaun klimátika okupa fatin relevu iha ajenda ministru Finansas sira nian, ne’ebé hala’o sorumutu iha Lima, no bainhira falta fulan rua tama ba simeira klima nian, ne’ebé organiza hosi Organizasaun Nasoins Unidas (ONU), iha Paris.


 


Christiana Figueres, responsável hosi klima iha ONU, sauda kriasaun ba V20 no apela ba "finansiamentu ambisiozu no lalais" nasaun sira ne’e nian.


 


V20 aleinde Timor-Leste inklui mós Afeganistaun, Bangladesh, Barbados, Butão, Costa Rica, Etiópia, Gana, Quénia, Kiribati, Madagáscar, Maldivas, Nepal, Filipinas, Ruanda, Santa Lúcia, Tanzânia, Tuvalu, Vanuatu no Vietname.


 


SAPO TL ho Lusa


 

09
Out15

Timor é um fundador do V20 que junta Estados ameaçados por alterações climáticas

SAPO TL

Timor é um dos Estados fundadores do grupo V20, que junta os países mais vulneráveis às alterações climáticas, para procurar mobilizar influências favoráveis aos seus interesses.





 


Foto: Joalarcao @SAPO TL


 


O V20 junta vários dos países mais pobres do planeta e apresenta-se diretamente nos antípodas do G20, que junta os 20 Estados mais poderosos do planeta, cujos ministros das Finanças se reúnem na quinta-feira em Lima, por ocasião das assembleias anuais do Fundo Monetário Internacional e Banco Mundial.


 


"Somos países com baixos rendimentos ou meios, menos desenvolvidos, áridos, peninsulares, encravados, montanhosos, pequenas ilhas em desenvolvimento", segundo o comunicado divulgado por ocasião da criação do grupo, que é presidido pelo ministro das Finanças filipino, Cesar Purisima.


 


"Juntamos 700 milhões de pessoas (...) e estamos unidos na nossa vulnerabilidade face às alterações climáticas", explica o novo grupo em comunicado.


 


A criação do V20 ocorre quando o financiamento da luta contra as alterações climáticas ocupa um lugar de relevo na agenda dos ministros das Finanças, reunidos em Lima, e quando faltam dois meses para a cimeira do clima, organizada pela Organização das Nações Unidas (ONU), em Paris.


 


Christiana Figueres, a responsável pelo clima na ONU, saudou a criação do V20 e apelou a um "financiamento ambicioso e rápido" destas nações.


O V20 inclui, além de Timor-Leste, Afeganistão, Bangladesh, Barbados, Butão, Costa Rica, Etiópia, Gana, Quénia, Kiribati, Madagáscar, Maldivas, Nepal, Filipinas, Ruanda, Santa Lúcia, Tanzânia, Tuvalu, Vanuatu e Vietname.


 


@Lusa

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D