Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Hora do Planeta

12
Jun20

UE ho Oxfam lansa inisiativu hodi kombate hasoru emisaun karbonu iha Timor-Leste

SAPO TL

Uniaun Europeia ho organizasaun la'ós governamental (ONG) Oxfam lansa ona, iha loron-kuarta, inisiativu ida hosi reflorestasaun ne'ebé sei benefisia kultura hosi ai-horis hamutuk 2.000 resin iha Timor-Leste, kontribui hodi hamenus emisaun hosi karbonu iha nasaun.

timor_leste.jpg

"Rai Matak" hanesan inisiativa ida "inovadora ho sertifikadu iha nível internasional ne'ebé hakarak apoia dezenvolvimentu hosi ekonomia verde iha nasaun", haktuir hosi komunikadu ne'ebé haruka ba Lusa.

"Inisiativu hosi ekonomia verde ne'e sei hamenus emisaun sira karbonu nian ne'ebé sei hamosu mudansa klimátika, sei lori rendimentu sira ba agrikultor timoroan sira, sei hamosu ai-laran sira iha área sira ne'ebé tuir ambiente hetan estraga no sei ajuda komunidade rural sira hodi dezenvolve", esplika hosi embaixador europeu Andrew Jacobs, iha Díli, iha lansamentu hosi inisiativa.

"Inisiativa hanesan tuir Akordu Verde Europeu - estratéjia rasik hosi kresimentu UE nian ne'ebé haketak kresimentu ekonómiku hosi utilizasaun rekursu sira nian no haree ba la-emisaun líkidu hosi gás sira ne'ebé iha efeitu estufa to'o tinan 2050", nia afirma.

Kathy Richards, diretora nasional hosi Oxfam iha Timor-Leste, rekorda ona katak agrikultura karbonu nian hanesan iha vantajen ba ema tomak iha Timor-Leste.

"Iha potensial hodi aumenta rendimentu anual hosi agrikultor ida no fasilita dezenvolvimentu ekonómiku lokal, aleinde lori benefísiu maka'as ba rai ho ambiente no halo di'ak iha seguransa hahán nian", nia afirma.

Ho orsamentu ida hamutuk dolar millaun tolu, inisiativa sei permiti ba agrikultor sira Timor-Leste nian hodi kuda ho kria ai-laran produtivu sira iha rai sira ne'ebé mamuk.

Selu iha ámbitu hosi programa Global Climate Change Alliance + (GCCA+), hosi UE, inisiativa hakarak apoia komunidade rural sira hodi adapta ba realidade sira hosi mudansa klimátika nian.

Iha kazu Timor-Leste nian, inisiativa sei implementa hosi Oxfam, hamutuk ho Fundasaun Xpand ho empreza Ho Musan Ida, empreza sosial timoroan ida ne'ebé iha sede iha Baguia, Baucau.

"Objetivu hosi programa maka reforsa ekonomia hosi aldeia sira ho kombate degradasaun ambiental liuhosi vínkulu agroflorestasaun nian ba komérsiu hosi karbonu ne'ebé sertifikadu internasionalmente", refere hosi komunikadu.

Programa bazeia iha esperiénsia susesu ida hosi agrikultura karbonu nian iha Baguia, iha Munisípiu Baucau, ne'ebé disponibiliza 'know-how' ho finansiamentu ba komunidade rural sira ne'ebé iha interese hodi prenxe kritériu ruma iha Timor-Leste.

Iha konkretu, kalkula plantasaun ba ai-horis hamutuk 400.000, ho kaptasaun ida hosi dióksidu karbonu to'o tonelada 400.000, ho impaktu ekonómiku diretu iha agrikultura 2.000 no entre ema rihun neen to'o rihun 10.

Agrikultor sira ne'ebé partisipa iha programa Rai Matak sei simu pagamentu anual ida ba plantasaun ho manutensaun hosi ai-horis sira iha sira nia rai privadu.

"Ne'e sei ajuda restaura biodiversidade ho halakon karbonu hosi atmosfera", subliña hosi nota.

Programa 'Rai Matak' sei serbisu ho agrikultor sira hodi kalkula karbonu ne'ebé rai hosi sira nia ai-horis no sei fa'an iha merkadu internasional sira.

Pagamentu anual sira ba agrikultor sira Timor-Leste nian tanba kuda ho halo manutensaun hosi ai-horis sira sei reforsa ekonomia lokal sira ho sei asegura kresimentu sustentável, aponta iha nota.

Andrew Mahar, CEO hosi Fundasaun xpand, rekorda ona katak Akordu Paris nian kona-ba Klima hahú hala'o iha Novembru tinan ne'e no folin hosi karbonu hanoin ona iha modelu emprezarial sira ho finanseiru sira hosi nasaun barak ho empreza sira.

"Agro-florestasaun komunitáriu iha Timor-Leste bele aproveita oportunidade hosi merkadu ne'e", nia refere.

Projetu sei apoia mós kriasaun hosi Fundasaun Nasional ida Karbonu nian iha Timor.

Fundasaun ne'e sei serbisu ho Governu, área la governamental no área privadu iha Timor-Leste "hodi harii merkadu seguru ida ho metin hosi agrikultura karbonu nian, ajuda Timor-Leste hodi hetan Sertifikasaun Gold Standard hosi área florestal sira".

Leopoldina Guterres, responsável hosi Fundasaun Ho Musan Ida, esplika ona katak arborikultor sira hosi Baguia iha tinan 10 nia laran hetan nafatin rendimentu sira hosi produsaun karbonu nian, agora hakarak "apoia komunidade sira seluk iha Timor-Leste hodi implementa programa Rai Matak ho harii relasaun forte sira, dura kleur ho pozitivu hodi benefisia jerasaun futuru sira".

Fonte: Ajénsia Lusa

12
Jun20

UE e Oxfam lançam iniciativa de combate às emissões de carbono em Timor-Leste

SAPO TL

A União Europeia e a organização não-governamental (ONG) Oxfam lançaram, na quarta-feira, uma iniciativa de reflorestação que beneficiará mais de 2.000 arboricultores em Timor-Leste, contribuindo para a redução das emissões de carbono no país.

timor_leste.jpg

"Rai Matak" (Terras Verdes, em tétum) é uma iniciativa “inovadora e certificada a nível internacional que pretende apoiar o desenvolvimento da economia verde no país", segundo um comunicado enviado à Lusa.

“Esta iniciativa de economia verde reduzirá as emissões de carbono que conduzem às alterações climáticas, trará rendimentos aos agricultores timorenses, reflorestará áreas ambientalmente degradadas e ajudará as comunidades rurais a prosperar”, explicou no lançamento da iniciativa, em Díli, o embaixador europeu Andrew Jacobs.

“A iniciativa é coerente com o Acordo Verde Europeu - a própria estratégia de crescimento da UE que dissocia o crescimento económico da utilização de recursos e visa a não-emissão líquida de gases com efeito de estufa até 2050”, afirmou.

Kathy Richards, diretora nacional da Oxfam em Timor-Leste, recordou que a agricultura de carbono é vantajosa para todos em Timor-Leste.

“Tem potencial para aumentar o rendimento anual de um agricultor e facilitar o desenvolvimento económico local, além de trazer grandes benefícios para o solo e para o ambiente e melhorias na segurança alimentar”, afirmou.

Com um orçamento de três milhões de dólares, a iniciativa permitirá a agricultores de Timor-Leste plantarem e criarem florestas produtivas em terras desflorestadas.

Financiado no âmbito do programa Global Climate Change Alliance + (GCCA+), da UE, a iniciativa pretende apoiar comunidades rurais a adaptarem-se às realidades das alterações climáticas.

No caso de Timor-Leste, a iniciativa vai ser implementada pela Oxfam, em parceria com a Fundação Xpand e Ho Musan Ida, uma empresa social timorense sediada em Baguia, Baucau.

“O objetivo do programa é reforçar as economias das aldeias e combater a degradação ambiental através do vínculo da agroflorestação ao comércio de carbono certificado internacionalmente”, refere o comunicado.

O programa baseia-se na experiência bem-sucedida da agricultura de carbono em Baguia, no Município de Baucau, que disponibiliza 'know-how' e financiamento às comunidades rurais interessadas que preencham determinados critérios em Timor-Leste.

Em concreto, prevê a plantação de 400.000 árvores, com uma captação de dióxido de carbono de até 400.000 toneladas, com um impacto económico direto em 2.000 agricultores e entre seis e 10 mil pessoas.

Os agricultores que participem no programa Rai Matak receberão um pagamento anual pela plantação e manutenção de árvores nas suas terras privadas.

“Isto ajudará a restaurar a biodiversidade e a remover o carbono da atmosfera”, sublinha-se na nota.

O programa "Rai Matak" trabalhará com os agricultores para calcular o carbono armazenado pelas suas árvores e venderá o mesmo nos mercados internacionais.

Os pagamentos anuais aos agricultores de Timor-Leste pela plantação e manutenção de árvores reforçarão as economias locais e assegurarão o crescimento sustentável, aponta-se na nota.

Andrew Mahar, CEO da Fundação xpand, recordou que o Acordo de Paris sobre o Clima entra em vigor em novembro deste ano e o preço do carbono já está a ser tido em conta nos modelos empresariais e financeiros de muitos países e empresas.

“A agro-florestação comunitária em Timor-Leste pode aproveitar esta oportunidade de mercado”, referiu.

O projeto vai também apoiar a criação de uma Fundação Nacional do Carbono em Timor.

Esta fundação vai trabalhar com o Governo, o setor não governamental e o setor privado em Timor-Leste “para construir um mercado seguro e robusto de agricultura de carbono, ajudando Timor-Leste a obter a Certificação Gold Standard das áreas florestais”.

Leopoldina Guterres, responsável da Fundação Ho Musan Ida, explicou que os arboricultores de Baguia têm vindo há 10 anos a obter rendimentos da produção de carbono, querendo agora “apoiar outras comunidades em Timor-Leste a implementar o programa Rai Matak e a construir relações fortes, duradouras e positivas para beneficiar as gerações futuras”.

Fonte: Agência Lusa

05
Jun20

Fulan-Maiu hanesan fulan manas liu ne'ebé rejista ona iha planeta

SAPO TL

Fulan-Maiu hanesan fulan ne'ebé manas liu ne'ebé rejista relasiona ho períudu hanesan iha tinan anterior sira iha planeta, haktuir hosi servisu europeu hosi mudansa klimátika Copernicus, ne'ebé rejista ona temperatura sira ne'ebé aas tebes duké normal, liuliu iha Ártiku.

calor_temperatura_tl.jpg

"Fulan-Maiu sai hanesan 0,63°C manas liu duké média iha fulan hanesan iha tinan sira entre 1981-2010, nune'e sai hanesan fulan ne'ebé manán liu dezde hahú rekolla informasaun nian", halakon fulan-Maiu 2016 no fulan-Maiu 2017, divulga hosi Copernicus iha komunikadu ida iha loron-sesta ne'e.

Temperatura sira ne'ebé aas liu duké normal no to'o "anormal tebes" rejista ona iha Sibéria, ho kuaze 10°C duké normal. Iha noroeste rejiaun nian, diminuisaun jelu nian iha mota sira Ob ho Yenisei (Sibéria) nunka hahú sedu tebes, Copernicus hatete.

Primavera mós hanesan delikadu tebes iha parte barak hosi rejiaun Ártiku, liuliu iha oeste Alaska nian no iha Antártida.

Iha nível global, serbisu europeu destaka katak iha fulan 12 ikus ne'e (Juñu 2019 to'o Maiu 2020) iguala ona períudu tinan ne'ebé manas liu ne'ebé rejista ona (Outubru 2015 to'o Setembru 2016), ho 0,7°C aas liu duké normal.

Tanba akesimentu global ne'ebé hamosu hosi emisaun sira gás nian ho efeitu estufa ne'ebé produzidu hosi atividade humanu sira, planeta hetan ona tan 1°C dezde era pré-industrial, hamosu multiplikasaun ida hosi eventu klimátiku maka'as sira hanesan laloran manas nian, rai-maran ka inundasaun sira.

Tinan 2019 sai hanesan tinan daruak ne'ebé manas liu iha mundu, hafoin tinan 2016, no espesialista sira hein atu temperatura média global halakon rekord foun ida iha períudu tinan lima oinmai (2020-2024).

Fonte: Ajénsia Lusa

05
Jun20

Mês de maio foi o mais quente já registado no planeta

SAPO TL

O mês de maio foi o mais quente registado em relação ao mesmo período nos anos anteriores no planeta, segundo o serviço europeu de mudanças climáticas Copernicus, que registou temperaturas muito acima do normal, especialmente no Ártico.

calor_temperatura_tl.jpg

"O mês de maio foi 0,63°C mais quente do que a média no mesmo mês dos anos 1981-2010, o que o torna o mês de maio mais quente desde o início da recolha de dados", à frente de maio de 2016 e maio de 2017, divulgou hoje o Copernicus num comunicado.

Temperaturas mais altas do que o normal e até "muito anormais" foram registadas na Sibéria, com quase 10°C acima do normal. No noroeste da região, a quebra de gelo nos rios Ob e Yenisei (Sibéria) nunca havia começado tão cedo, disse o Copernicus.

A primavera também foi particularmente amena em grande parte da região do Ártico, nomeadamente no oeste do Alasca, e na Antártida.

Globalmente, o serviço europeu destaca que os últimos doze meses (junho de 2019 a maio de 2020) igualam o período do ano mais quente já registado (outubro de 2015 a setembro de 2016), com 0,7°C acima do normal.

Devido ao aquecimento global causado pelas emissões de gases com efeito de estufa produzidas pelas atividades humanas, o planeta já ganhou mais de 1°C desde a era pré-industrial, causando uma multiplicação de eventos climáticos extremos como ondas de calor, secas ou inundações.

O ano de 2019 foi o segundo ano mais quente do mundo, depois de 2016, e os especialistas esperam que a temperatura média global quebre um novo recorde no próximo período de cinco anos (2020-2024).

Fonte: Agência Lusa

03
Dez19

Mudansa Klimátika oho ona ema na'in 1.200 resin iha Áfrika Oriental ho Austral

SAPO TL

Ema liu na'in 1.200 mate ona iha tinan ne'e iha Áfrika Austral ho Oriental iha dezastre natural sira ne'ebé iha ligasaun ho mudansa klimátika, afirma hosi organizasaun Save The Children iha loron-segunda ne'e.

idai_4.jpg

Númeru sira ne'e aumenta tanba siklone sira, inundasaun sira ho rai-monu ne'ebé maka akontese iha nasaun sira hanesan Mosambike, Zimbabué, Maláui, Kénia, Sudaun ka Somália, esplika hosi organizasaun.

Tuir Save The Children, konsekuénsia sira hosi mudansa klimátika halo ona, iha tinan ne'e, ema millaun 33 iha rejiaun hetan terus hosi inseguransa hahán nian, kalkula katak millaun 16 maka labarik sira.

Konsekuénsia hosi mudansa klimátika halo mós, tuir organizasaun, ema millaun ida husik sira nia uma, kria "risku adisional sira atu labarik sira hetan esplorasaun, haketak sira hosi sira nia família, ka atu husik eskola".

"Rezultadu sira hosi análize ne'e hanesan triste no hatudu katak krizi klimátika aumenta tan dezigualdade, kiak ho deslokamentu hosi Áfrika Oriental ho Austral", afirma hosi diretor Save The Children nian ba rejiaun, Ian Vale.

"Bainhira líder mundial sira hasoru malu ba COP25, ami husu atu foti desizaun firmi sira hodi hamenus impaktu hosi mudansa klimátika sira no hodi garanti atu moris sira ho labarik sira nia futuru hetan protesaun", hatutan hosi Vale.

Simeira ONU nian kona-ba Klima (COP25) hahú iha loron-segunda ne'e iha Madrid, ho prezensa hosi líder mundial na'in 50, inklui primeiru-ministru portugés nian, António Costa.

Durante Konferénsia hosi Parte sira ba dala 25 (COP25) hosi Konvensaun-Kuadru hosi ONU nian kona-ba Mudansa Klimátika sira, ne'ebé hanaruk to'o loron 13 Dezembru, sei hein delegasaun sira hosi nasaun hamutuk 196, nune'e mós hosi reprezentante importante sira hosi Uniaun Europeia ho instituisaun internasional oioin, nune'e bele kalkula "totalidade hosi nasaun sira hosi mundu", haktuir hosi komunikadu ida hosi Governu españól.

Iha fulan-Marsu, siklone Idai atinji Mosambike, Komoro, Madagaskar, Seychelles ho Tanzánia, halo ema na'in 1.300 resin mate no afeta ona ema millaun 1,5 resin.

Tempestade hamosu inundasaun maka'as ne'ebé arasta aldeia sira, ponte sira, estrada sira ho infraestrutura sira seluk, kria bee-lihun boot sira ne'ebé presiza semana barak nia laran hodi lakon.

Liutiha tempu balun, iha Abril, rejiaun hasoru fali siklone ida, Kenneth, ne'ebé halo ema na'in 50 resin mate.

Fonte: Ajénsia Lusa

03
Dez19

Alterações climáticas mataram mais de 1.200 pessoas na África Oriental e Austral

SAPO TL

Mais de 1.200 pessoas terão morrido este ano na África Austral e Oriental em desastres naturais associados às alterações climáticas, afirmou ontem a organização Save The Children.

idai_4.jpg

Estes números foram impulsionados pelos ciclones, inundações e deslizamentos de terra que abalaram países como Moçambique, Zimbabué, Maláui, Quénia, Sudão ou Somália, explicou a organização.

Segundo a Save The Children, as consequências das alterações climáticas terão levado a que, este ano, 33 milhões de pessoas na região sofressem de insegurança alimentar, estimando que 16 milhões destes sejam crianças.

As consequências das alterações climáticas terão ainda, de acordo com a organização, levado a que um milhão de pessoas abandonassem os seus lares, criando "riscos adicionais para que as crianças sejam exploradas, separadas das suas famílias, ou que abandonem a escola".

"Os resultados desta análise são sombrios e mostram que a crise climática estão a consolidar, ainda mais, a desigualdade, a pobreza e o deslocamento da África Oriental e Austral", afirmou o diretor da Save The Children para a região, Ian Vale.

"Enquanto líderes mundiais se reúnem para a COP25, pedimos que tomem decisões firmes para reduzir o impacto das mudanças climáticas e para garantir que as vidas e o futuro das nossas crianças são protegidos", acrescentou Vale.

A cimeira das Nações Unidas sobre o clima (COP25) começou ontem em Madrid, com a presença de 50 líderes mundiais, incluindo o primeiro-ministro português, António Costa.

Durante a 25.ª Conferência das Partes (COP 25) da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Alterações Climáticas, que se prolonga até 13 de dezembro, são esperadas delegações de 196 países, assim como os mais altos representantes da União Europeia e várias instituições internacionais, o que pressupõe “a totalidade dos países do mundo”, de acordo com um comunicado do Governo espanhol.

Em março, o ciclone Idai atingiu Moçambique, Comores, Madagáscar, Seychelles e Tanzânia, provocando mais de 1.300 mortos e afetando cerca de 1,5 milhões de pessoas.

A intempérie provocou cheias intensas que arrastaram aldeias, pontes, estradas e outras infraestruturas, criando lagos gigantescos que levaram semanas a desaparecer.

Pouco tempo depois, em abril, a região voltou a ser atingida por um ciclone, o Kenneth, que matou mais de 50 pessoas.

Fonte: Agência Lusa

19
Nov19

Poluisaun ár iha Sydney entre poluisaun 20 aat liu iha mundu tanba inséndiu sira

SAPO TL

Poluisaun ár nian iha Sydney, sidade boot ida hosi Austrália ho populasaun hamutuk millaun lima resin, iha loron-tersa ne'e halo parte entre poluisaun hamutuk 20 ne'ebé aat liu iha mundu tanba suar hosi inséndiu sira iha leste nasaun nian, hatete hosi autoridade sira.

australia_fogo2019.jpg

"Sydney, ne'ebé koñesidu mós hanesan 'Big Smoke' [naran ne'ebé fó iha Austrália ba sidade boot sira] halo relasaun ho alkuña iha ohin loron. Suar hosi ahi sira sei lakon neineik durante loron maibé sei aumenta iha kalan. Iha alerta ida hosi kualidade ár ne'ebé ladi'ak", hakerek hosi serbisu sira meteorolojia nian iha rede sosial Twitter.

Iha portal AirVisual, ne'ebé sukat kualidade hosi ár iha mundu tomak, Sydney okupa iha loron-tersa ne'e pozisaun 17, menus pozisaun rua hosi sidade xineza Xangai, iha ranking ida ne'ebé lidera hosi Daka, iha Bangladexe.

Informasaun hosi governu Nova Gales Súl nian, ne'ebé nia kapital maka Sydney, hatudu katak kualidade ár "hanesan pobre".

Suar maka'as iha Sydney iha dadeer hanesan konsekuénsia hosi inséndiu sira hosi foho sira Gosper, hosi kilómetru 300 resin iha noroeste sidade nian no ne'ebé sunu ona rai besik 850 kilómetru kuadradu.

Impaktu hosi suar, ne'ebé afeta mós sidade sira hanesan Wollongongong ho Newcastle, sei sai aat tanba manas maka'as ne'ebé sei akontese iha loron rua oinmai iha kosta leste Austrália nian no ne'ebé hamosu susar durante semana rua nia laran hodi kombate ahi sira ne'ebé halo hosi bombeiru na'in 1.300 resin.

Pelumenus ema na'in neen mate ona tanba inséndiu ai-laran sira iha Nova Gale Súl, rejiaun ne'ebé hetan inséndiu ho rai-maran maka'as, ne'ebé rai hamutuk 13.000 kilómetru kuadradu mutuk ona dezde loron 01 Jullu.

Temporada hosi inséndiu sira iha Austrália varia tuir área ho kondisaun meteorolójiku sira maski iha nível jeral rejista entre fulan sira Dezembru ho Marsu.

Inséndiu aat sira ne'ebé akontese iha nasaun iha dékada hirak ikus ne'e akontese iha inísiu fulan-Fevereiru 2009, iha estadu Victoria (sudeste) no halo ona ema na'in 173 mate no na'in 414 kanek. Área ne'ebé hetan sunu hamutuk 4.500 kilómetru kuadradu.

Fonte: Ajénsia Lusa

19
Nov19

Poluição do ar em Sydney entre as 20 piores do mundo devido aos incêndios

SAPO TL

A poluição do ar em Sydney, a maior cidade da Austrália com mais de cinco milhões de habitantes, está hoje entre as 20 piores do mundo devido ao fumo dos incêndios no leste do país, disseram as autoridades.

australia_fogo2019.jpg

"Sydney, também conhecida como 'Big Smoke' [nome dado na Austrália às grandes cidades] faz jus à alcunha hoje. O fumo do fogo desaparecerá progressivamente ao longo do dia, mas aumentará à noite. Há um alerta de má qualidade do ar", escreveram os serviços de meteorologia na rede social Twitter.

No portal AirVisual, que mede a qualidade do ar em todo o mundo, Sydney ocupa hoje a 17.ª posição, duas abaixo da cidade chinesa de Xangai, num ranking liderado por Daca, no Bangladesh.

Dados do governo de Nova Gales do Sul, cuja capital é Sydney, mostram que a qualidade do ar "é pobre".

O manto de fumo sobre Sydney ao amanhecer é consequência dos incêndios das montanhas Gosper, a cerca de 300 quilómetros a noroeste da cidade e que já queimou cerca de 850 quilómetros quadrados de terra.

O impacto do fumo, que também está a afetar as cidades de Wollongongong e Newcastle, deverá ser agravado pelo calor intenso esperado para os próximos dois dias na costa leste da Austrália e que está a dificultar há duas semanas o combate às chamas por mais de 1.300 bombeiros.

Pelo menos seis pessoas morreram devido aos incêndios florestais em Nova Gales do Sul, a região mais duramente atingida por incêndios e seca severa, onde 13.000 quilómetros quadrados de terra arderam desde 01 de julho.

A temporada de incêndios na Austrália varia de acordo com a área e as condições meteorológicas, embora sejam geralmente registados entre os meses de dezembro e março.

Os piores incêndios ocorridos no país nas últimas décadas ocorreram no início de fevereiro de 2009, no estado de Victoria (sudeste), e causaram 173 mortos e 414 feridos. A área ardida foi de 4.500 quilómetros quadrados.

Fonte: Agência Lusa

29
Out19

Dezastre natural sira iha Timor-Leste halo ema na'in lima mate ho estraga uma hamutuk 900 dezde Agostu

SAPO TL

Dezastre natural sira iha Timor-Leste, liuliu anin maka'as ho inséndiu sira, halo ona pelumenus ema na'in lima mate, na'in 11 kanek ho estraga uma hamutuk 900 resin dezde fulan-Agostu, ho Governu prepara apoiu emerjénsia nian ba família atus resin ne'ebé afetadu.

cris1.jpg

Foto fó hosi Cris Carrascalão ba SAPO Timor-Leste

Balansu foun hosi Sekretaria Estadu Protesaun Sivil nian, ne'ebé maka Lusa iha asesu, hatudu katak parte boot hosi destruisaun akontese iha fulan-Outubru, ho ema na'in rua mate, na'in rua kanek, estraga uma hamutuk 714 ho edifísiu públiku haat (inklui kapela ida).

Destruisaun akontese iha munisípiu 10 hosi munisípiu 12 Timor-Leste nian no iha mós enklave Oecusse-Ambeno, maibé impaktu boot, hosi anin maka'as sira, akontese iha munisípiu Ermera ne'ebé estraga ona, iha de'it fulan ne'e, uma hamutuk 490.

Balansu ne'e hatudu katak suku oioin hosi zona Hatulia B (Ermera) sai hanesan fatin sira ne'ebé maka afetadu maka'as, liuliu tanba inséndiu sira.

Iha detalle kona-ba insidente sira dezde fulan-Agostu, relatóriu konfirma ema na'in ida mate tanba inséndiu iha loron 24 Outubru, iha zona Same Vila ho ida seluk mate tanba inséndiu, iha Fahisoi (Remexiu), iha loron 20 Outubru.

Ema na'in rua mate ona tanba anin maka'as iha zona Dukurai (Letefoho, Ermera, iha súl Díli nian) iha lorom 09 Setembru, na'in ida mate iha Lebre (Bobonaro) tanba inséndiu ida iha loron 25 Agostu.

Relatóriu nota katak aleinde estraga kapela ida iha Hatubuliku (Ainaro), estraga mós eskola rua ona zona Ermera no total ida Uma Lisan hamutuk 13, ne'ebé iha signifikadu maka'as ba sosiedade timoroan, iha parte oioin iha munisípiu Baucau nian.

Inséndiu sira afeta mós zona balun ne'ebé hanesan simbóliku iha nasaun, inklui Foho Ramelau, pontu aas liu nasaun nian no hanesan foho aas liu daruak hosi nasaun sira ho lian portugeza.

Governu haruka ona apoiu ba família atus resin ne'ebé afetadu, agora estuda hela reforsu estraordináriu ida iha orsamentu 2019 nian - iha folin dolar millaun lima ba apoiu adisional.

Responsável sira hosi Protesaun Sivil agora daudaun estuda hela ho ajénsia sira hosi ONU nian iha Timor-Leste kona-ba eventual apoiu adisional sira emerjénsia nian, konfirma ona hosi fonte sira Governu nian.

Rajesh Pandav, responsável hosi Organizasaun Mundial Saúde (OMS) nian esplika ona ba Lusa katak ONU disponibiliza ona hodi fó apoiu bainhira presiza.

Nia esplika mós katak iha semana liubá, no iha sekuénsia hosi pedidu ida hosi Ministériu Saúde, ekipa sira OMS ho autoridade sira saúde timoroan nian fó ona asisténsia emerjénsia nian ba populasaun sira iha zona sira ne'ebé afetadu hosi Ermera ho Liquiçá, munisípiu rua ne'ebé afetadu liu.

Fonte: Ajénsia Lusa

29
Out19

Desastres naturais em Timor-Leste deixaram cinco mortos e 900 casas destruídas desde agosto

SAPO TL

Desastres naturais em Timor-Leste, nomeadamente ventos fortes e incêndios, deixaram pelo menos cinco mortos, onze feridos e mais de 900 casas destruídas desde agosto, com o Governo a preparar apoio de emergência para centenas de famílias afetadas.

cris1.jpg

Foto cedida pela Cris Carrascalão para SAPO Timor-Leste

O balanço mais recente da Secretaria de Estado da Proteção Civil, a que a Lusa teve acesso, mostra que grande parte da destruição ocorreu no mês de outubro, com dois mortos, dois feridos, 714 casas e quatro edifícios públicos (incluindo uma capela).

A destruição ocorreu em 10 dos 12 municípios de Timor-Leste e ainda no enclave de Oecusse Ambeno, mas o maior impacto, tanto de ventos como de fotos, ocorreu no município de Ermera em que foram destruídas só este mês 490 casas.

Este balanço mostra que vários sucos (equivalente a freguesias) da zona de Hatulia B (Ermera) foram dos locais mais afetados, especialmente devido a incêndios.

No detalhe sobre os incidentes desde agosto, o relatório confirma um morto devido a um incêndio a 24 de outubro, na zona de Same Vila e uma outra também devido a incêndio, em Fahisoi (Remexio) a 20 de outubro.

Duas pessoas morreram devido ao vento forte na zona de Dukurai (Letefoho, Ermera, a sul de Díli) no dia 09 de setembro, uma morreu em Lebre (Bobonaro) devido a um incêndio, a 25 de agosto.

O relatório nota que além da capela destruída em Hatubulico (Ainaro), foram ainda destruídas duas escolas na zona de Ermera e, de grande significado para a sociedade timorenses, um total de 13 ‘Uma Lisan’ (Casas Sagradas) em vários pontos do município de Baucau.

Incêndios afetaram ainda algumas das zonas mais simbólicas do país, incluindo o Monte Ramelau, ponto mais alto do país e segundo mais elevado de todos os países de língua portuguesa.

O Governo canalizou já apoio para centenas de famílias afetadas, estando atualmente a ser estudado um reforço extraordinário no orçamento de 2019 – no valor de cinco milhões de dólares – para apoio adicional.

Responsáveis da Proteção Civil estão atualmente a estudar com as agências das Nações Unidas em Timor-Leste eventuais apoios adicionais de emergência, confirmaram fontes do Governo.

Rajesh Pandav, responsável da Organização Mundial de Saúde (OMS) explicou à Lusa que as Nações Unidas se disponibilizaram já para dar eventual apoio que possa ser necessário.

Explicou ainda que na semana passada, e na sequência de um pedido do Ministério da Saúde, equipas da OMS e das autoridades de saúde timorenses deram já assistência de emergência a populações nas zonas mais afetadas de Ermera e Liquiçá, dois dos municípios mais afetados.

Fonte: Agência Lusa

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D