Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Hora do Planeta

14
Abr15

Marte poderá ter água líquida, mas não vida

SAPO TL

Análises de dados do robô Curiosity, da NASA, reforçam a hipótese de que a água líquida poderá existir em Marte, revela ontem um estudo, alertando, porém, para a improbabilidade de ser encontrada vida no planeta.


 



 


 


"Descobrimos perclorato de cálcio no solo, que, sob certas condições, absorve o vapor de água presente na atmosfera", explicou um dos coautores da investigação, Morten Bo Madsen, do Instituto Niels Bohr da Universidade de Copenhaga, na Dinamarca.


 


O perclorato, um tipo de sal, baixa o ponto de congelação da água, ao ponto de a tornar líquida.


 


"Mesmo se a água, sob a forma líquida, existe em Marte, é improvável que se encontre vida", refere, no seu portal, o instituto de Morten Bo Madsen, assinalando que o ambiente do "planeta vermelho" é "demasiado seco, frio e sujeito a radiações cósmicas tão potentes que penetram na superfície, matando todo o tipo de vida", pelo menos a que é comparável com a da Terra.


 


De acordo com o estudo, publicado na revista Nature, quando a noite cai, uma parte do vapor de água na atmosfera condensa-se à superfície de Marte como gelo.


 


Contudo, o perclorato de cálcio é muito absorvente e forma com a água uma salmoura, o que diminui o ponto de congelação e permite ao gelo transformar-se em água líquida, explicou Morten Bo Madsen.


 


Sendo o solo poroso, a água infiltra-se.


 


As observações do robô Curiosity, a subir o Monte Sharp, no meio da cratera Gale, testemunham igualmente a presença de depósitos sedimentares deixados num passado distante por água.


 


"Estes tipos de depósitos formaram-se quando grandes quantidades de água fluíam ao longo da cratera e alcançaram águas estagnadas, na forma de um lago", adiantou o investigador.


 


Segundo outro coautor da investigação, Alfred McEwen, da Universidade do Arizona, nos Estados Unidos, se existe uma salmoura na cratera de Gale, zona mais quente e seca de Marte, e, portanto, menos propícia para ter esta água salgadíssima, é possível que ela também surja "em muitos outros lugares do planeta".


 


O robô Curiosity, da agência espacial norte-americana NASA, fixou-se em solo marciano em agosto de 2012, para estudar melhor o planeta.


 


Há um mês, uma investigação conjunta da NASA e do Observatório Europeu do Sul, organização da qual Portugal faz parte, revelou que um oceano primitivo em Marte continha mais água do que o Oceano Ártico na Terra e cobria uma maior superfície do "planeta vermelho" do que a que é coberta pelo Oceano Atlântico no "planeta azul".


 


Uma equipa internacional de astrofísicos conseguiu distinguir as assinaturas químicas de dois tipos de água atmosférica de Marte e mapeou "as propriedades da água em diversas regiões da atmosfera" do planeta durante cerca de seis anos.


 


@Lusa

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D