Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Hora do Planeta

03
Ago16

Japão doa 2,4 milhões de euros para vítimas da seca em Moçambique

SAPO TL

O Governo do Japão vai doar 2,7 milhões de dólares (2,4 milhões de euros) para o apoio de emergência às vítimas da seca em Moçambique, anunciou em comunicado a embaixada nipónica em Maputo. 


 



 


Segundo a nota, a ajuda faz parte de uma verba de cinco milhões de dólares (4,4 milhões de euros) que o Japão vai entregar ao Programa Alimentar Mundial (PAM), para o auxílio às vítimas dos efeitos do fenómeno climático El Niño, na África Austral.


 


"Esta ajuda de emergência destina-se a fornecer alimentos e apoio nutricional para Moçambique, Malaui, Lesoto e Suazilândia, onde as necessidades humanitárias têm vindo a crescer, devido à seca causada pelo fenómeno El Niño", refere o comunicado.


 


Além de comprometer grande parte do primeiro período da época agrícola de 2016, a seca que afeta as províncias do centro e sul de Moçambique deixou 1,5 milhões de pessoas em situação de insegurança alimentar.


 


Para responder com eficácia às necessidades da população, o Instituto Nacional de Gestão de Calamidades (INGC) está à procura de meios para a construção de infraestruturas mais resistentes e capazes de disponibilizar atempadamente informações para a rápida assistência das pessoas, num plano orçado em cerca de 400 milhões de dólares (355 milhões de euros) por ano.


 


A situação das pessoas afetadas pela seca em Moçambique levou o Governo a decretar em abril "alerta vermelho" para dinamizar as ações de assistência às populações.


 


Moçambique é sazonalmente atingido por cheias, fenómeno justificado pela sua localização geográfica, a jusante da maioria das bacias hidrográficas da África Austral, mas o sul do país é afetado por secas prolongadas e que este ano atingem também as províncias da região centro.


 


Além de Moçambique, a seca afeta vários países da África Austral, tendo levado o Malaui, a Zâmbia e o Zimbabué a declararem o estado de emergência, devido à falta de alimentos.


 


A estiagem, que dura há mais de um ano, afeta ainda a maior potência da região, a África do Sul, que declarou esta seca como a pior dos últimos cem anos.


 


com Lusa

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D