Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Hora do Planeta

24
Nov15

El Niño maka kria bailoro naruk to’o fulan abril iha Timor-Leste - ministru

SAPO TL

Iha tinan ida ne’e udan-been sei tuun tarde iha Timor-Leste, tanba fenómenu El Niño maka bailoro sei prolonga to’o fulan abril, dehan ministru Agrikultura no Peska, Estanislau da Silva, ba Lusa.





Foto hosi Miguel António Gomes fó ba SAPO Timor-Leste


 


Situasaun ne’e sei fó impaktu ba alimentár populasaun, liu-liu iha zona kosteira norte, tanba to’o oras ne’e udan ladauk tuun iha parte refere.


"Karik ami konsege hetan udan-been utioan, ne’e di’ak. Maibé difisil baa mi atu ida ne’e akontese”, tenik Estanislau da Silva ba Lusa.


 


"Ami ninia preokupasaun maka bainhira udan kuandu mai, ema hahú kuda rai, maibé depois udan-been maran. Maka ida ne’e sei fó impaktu ba produsaun", dehan ministru.


 


Tanba ne’e maka Governu hahú kria planu kontinjénsia liu hosi sosa no fahe semente nomós alimentu, inklui fó apoia ba agrikultór sira.


 


Fenómentu El Niño hanesan alterasaun entre fulan 12 to’o 18 ba iha distribuisaun temperature hosi superfísie tasi-been Pasífika nian ne’ebé sai nu’udar efeitu ba meteorolojia rejiaun refere.


 


Espesialista sira haktuir katak fenómenu ba tinan ne’e – ida hosi tolu ne’ebé iha – hahú ona iha fulan maiu, ho intensidade “ladun no maka’as maski nune’e sei bele prolonga to’o inísiu tinan 2016”.


 


Iha juñu, rejiaun sentrál no leste Pasífika akontese ho anomalia hosi temperatura ne’ebé atu hanesan ho El Niño maka’as ida no fulan ida ne’e, temperatura ba iha rejiaun sentrál aumenta maka’as liu tan, ba eventu bot 1997-98.


 


Tuir Organizasaun Meteorolójika Mundiál, ida ne’e hanesan eventu bot ida mos hosi tipu ne’ebé hala’o ona iha  1997-1998 no 1982-1983.


 


 


Foto hosi Miguel António Gomes fó ba SAPO Timor-Leste


 


"Haktuir katak populasaun ne’ebé hela iha zona kosteira, liu-liu kosta norte, sei hetan afeta maka’as. Iha parte rai-klaran, tanba klima altitude, sei ladun hetan afeta, maski udan-been ladun barak", dehan Estanislau da Silva.


 


Hatutan tan katak, situasaun hosi udan-been ne’ebé ladun barak, rai-rahun nomós poluisaun bele mos afeta populasaun hirak ne’ebé ho moras respisratória.


 


Governante ne’e haktuir hikas katak ho efeitu síkliku hosi El Niño, hahú sente mos impaktu hosi alterasaun klimátika.


 


"El Niño hanesan siklu foun ida ne’ebé kria alterasaun klimátika ho durasaun kleur. Mudansa ida ne’ebé ladauk hetan preparasaun di’ak hosi ami-ninia populasaun sira”, nia dehan.


 


Estanislau da Silva ko’alia lia hirak ne’e ba ajénsia Lusa durante semináriu ne’ebé hala’o iha Dili, ho tema “Dezafiu Globál, Resposta Rejionál no Nasionál ba Inseguransa Aliment’ar nomós Nutrisionál”, ne’ebé koinside ho reuniaun estraordinária dahuluk hosi Konsellu Seguransa Alimentár no Nutrisionál hosi espasu uzófonu (CONSAN-CPLP).


 


Objetivu hosi reuniaun ne’ebé sei hala’o to’o 26-novembru, maka sei atu debate kona-ba planu serbisu hamutuk hodi kombate hamlaha no desnutrisaun iha Komunidade Nasaun Lian Portugés (CPLP).


 


Estudu ida ne’ebé fó sai iha tinan ne’e hosi Seeds of Life (SoL), programa ida hosi Ministériu Agrikultura no Peska, no finansia hosi apoiu ne’eb’e Austrália fó, haktuir katak klima sei bele fó impaktu maka’as ba seguransa ai-haan iha Timor-Leste.


 


Estudu ne’e fó sai katak família 9,2% ne’ebé mukit, liu-liu hirak ne’ebé hela iha área rurál, tenke haan ai-farina, talas, fehuk, hafoin tama ba fulan agostu, bainhira “'stocks” ne’eb’e sira kuda, hotu ona.


 


Konsumu ne’e aumenta barak liu iha tinan défisi agríkola nian, bainhira alimentasaun selvajen ka Silvestre hahú utiliza molok fulan rua no metade hosi família ne’ebé ki’ak.


 


"Bazeia ba tinan normál, 'stock' hosi ai-haan nian termina iha fulan agostu no família9,2% de;it maka han ai-farina, fehuk, talas. Tanba ne’e maka iha tinan défisi alimentár hahú mosu problema nutrisaun ladi’ak,  'stocks' hosi batar (graun) hotu iha fulan rua nia laran, lahanesan baibain, tanba ne’e maka metade hosi família sira tenke haan ona ai-farina, fehuk, talas hosi kedas fulan maiu", tuir estudu fó sai.


 


SAPO TL ho Lusa


 

24
Nov15

Seca em Timor-Leste devido ao El Niño pode prolongar-se até abril - ministro

SAPO TL

A chegada da temporada das chuvas em Timor-Leste deverá atrasar-se este ano, com o fenómeno El Niño a fazer prolongar o período de seca até abril, disse à Lusa o ministro da Agricultura e Pescas, Estanislau da Silva.





Fotos gentilmente cedidas por Miguel António Gomes ao SAPO Timor-Leste


 


Uma situação que terá impacto na segurança alimentar das populações, especialmente das zonas costeiras do norte do país, onde as chuvas ainda não começaram.


 


"Se atingirmos metade da chuva já é bom. Mas dificilmente vamos conseguir", disse à Lusa Estanislau da Silva.


"A nossa maior preocupação é que as chuvas chegam, as pessoas plantam mas depois as chuvas param. A produção vai ficar seriamente afetada", afirmou o ministro.


 


Uma situação que levou o Governo a preparar planos de contingência que passam pela compra e distribuição de sementes e alimentos e por apoio aos agricultores.


 


Os fenómenos El Niño são alterações de entre 12 e 18 meses na distribuição da temperatura da superfície da água do oceano Pacífico que têm efeitos na meteorologia da região.


 


Especialistas referem que o fenómeno deste ano - um dos três maiores já registados - começou em maio, com uma intensidade entre "moderada e forte", e deverá prolongar-se até ao início de 2016.


 


Em junho, a região central e leste do Pacífico registou anomalias de temperatura equivalentes a um El Niño forte e este mês as temperaturas na região central foram superiores às do grande evento de 1997-98.


 


Segundo a Organização Meteorológica Mundial, este é um dos três maiores eventos do tipo jamais registado, a par dos de 1997-1998 e 1982-1983.


 


 


Fotos gentilmente cedidas por Miguel António Gomes ao SAPO Timor-Leste


 


"Diria que as populações que vivem nas zonas costeiras, especialmente na costa norte, vão ser seriamente afetadas. No interior, por causa do clima de altitude, vão ser menos afetadas, apesar das chuvas serem menores", disse Estanislau da Silva.


A par disso, referiu ainda, a pouca chuva, o pó e a poluição acabam por afetar também os setores da população com maiores problemas respiratórios.


 


O governante recordou que a par dos efeitos cíclicos do El Niño, já se começa a sentir também o impacto das alterações climáticas.


 


"O El Niño é um ciclo mas recentemente agravou-se mais pelas alterações climáticas que tornaram esse ciclo mais prolongado. Uma das mudanças para as quais as nossas populações não estão devidamente preparadas", disse.


 


Estanislau da Silva falava à agência Lusa à margem de um seminário em Díli com o tema "Desafios Globais, Respostas Regionais e Nacionais à Insegurança Alimentar e Nutricional", que coincide com a primeira reunião extraordinária do Conselho de Segurança Alimentar e Nutricional do espaço lusófono (CONSAN-CPLP).


 


O objetivo da reunião, que se prolonga até 26 de novembro, é debater um plano de trabalho conjunto para a erradicação da fome e da desnutrição na Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP).


 


Um estudo divulgado este ano pelo Seeds of Life (SoL), um programa do Ministério de Agricultura e Pescas timorense, financiado com apoio australiano, conclui que o clima pode ter um impacto significativo na segurança alimentar em Timor-Leste.


 


O estudo indica que cerca de 9,2% das famílias timorenses mais vulneráveis, especialmente nas zonas rurais, são obrigadas a recorrer a comida silvestre depois de agosto quando, normalmente, terminam os 'stocks' de cultivo.


 


Esse consumo é ainda mais elevado em anos de défice agrícola, quando a alimentação selvagem ou silvestre começa a ser utilizada dois meses antes e por metade dos lares mais pobres.


 


"Num ano normal, o 'stock' alimentar termina em agosto e só 9,2% das famílias consumia comida silvestre. No entanto, em anos de défice alimentar com problemas de má nutrição, os 'stocks' de grão terminam normalmente dois meses antes do normal e metade das famílias já têm de recorrer a comida silvestre a partir de maio", revela o estudo.


 


@Lusa

10
Nov15

El Niño nia kbiit nebe aumenta ameasa labarik sira nia moris, avizu hosi UNICEF

SAPO TL

Iha loron-tersa ne'e UNICEF hatete katak labarik millaun 11 iha risku hetan hamlaha, moras no falta bee iha Áfrika Orientál ho Austral tanba forsa nebe aumenta hosi fenómenu meteorolójiku nebe koñesidu ho naran El Niño.


 





Tuir UNICEF/Fundu hosi Nasaun Unidu ba Infánsia, El Niño halo mós rai-maran no bee-sa'e iha parte balun hosi Ázia, hosi rejiaun Pasífiku no hosi Amérika Latinu.

El Niño hanesan padraun klimátiku ida ligadu ba akesimentu hosi bee sira iha superfísie Oseanu Pasífiku nian nebe bele iha efeitu maka'as iha padraun klimátiku sira iha mundu tomak.

Manifestasaun sira hosi El Niño sei akontese ho períudu ida nebe la hanesan entre tinan rua no tinan hitu nia laran.

"Konsekuénsia sira bele iha efeitu hosi kaskata kona-bá jerasaun oioin, nune'e komunidade afetadu sira simu apoiu hodi hasoru ho diminuisaun ba kolleita sira no falta asesu ba bee moos nebe halo daudaun labarik sira laiha nutrisaun nebe di'ak no iha risku hasoru moras todan sira", alerta hosi UNICEF.

Tuir UNICEF, El Niño bele hamosu aumentu maka'as tebes ba moras sira hanesan malária, dengue, diareia ho kólera - moras sira nebe sai hanesan kauza prinsipál ba labarik sira nia mate.

"Bainhira kondisaun meteorolójiku extremu sira muda komunidade sira nia dalan moris, labarik ki'ik sira hetan liu terus tanba subnutrisaun, nebe halo sira sai liu fraku hodi hetan moras, sofre ba atrazu iha dezenvolvimentu kognitivu no mate prematuru", hatutan UNICEF.


 





"Labarik sira no komunidade sira nebe hetan problema ne'e presiza ita nia tulun hodi rekupera hosi impaktu El Niño nian no hodi bele prepara ba estraga sira nebe bele mosu hosi fenómenu ne'e", hatete hosi diretór ezekutivu UNICEF nian, Anthony Lake.

Nia hatete katak intensidade no potensiál hosi destruisaun El Niño nian bele hatudu alerta ida ba reuniaun hosi líder mundiál sira nian iha Paris.

"Bainhira hahú diskusaun ba akordu ida hosi limita akesimentu globál, tenki hanoin katak labarik sira nia futuru iha loron ohin no planeta nia futuru nebe sira sei hetan maka sai hanesan kauza", hatete hosi Anthony Lake.

Líder mundiál sira sei hasoru malu iha Paris iha Konferénsia Nasaun Unidu nian ba dala 21 kona-bá Klima, nebe koñesidu mós hanesan COP21, hosi loron 30 Novembru to'o 11 Dezembru tuirmai.

Objetivu hosi enkontru ne'e maka hetan akordu vinkulativu ida nebe hakarak limita akesimentu globál iha diminuisaun ba emisaun gás sira nebe iha efeitu estufa nian.

Akontesimentu sira hosi El Niño la'ós mosu hosi alterasaun klimátiku, maibé sientista sira fiar katak agora aumenta liu iha rezultadu sira hosi alterasaun klimátiku nian.

Nasaun barak nebe agora daudaun terus tanba efeitu sira hosi El Niño maka sira nebe hasoru ameasa todan hosi parte alterasaun klimátiku nian. Área sira nebe afetadu iha mós nível kiak nebe aas tebes.

Tuir espesialista sira, karik provável atu fenómenu meteorolójiku ne'e, hanesan ida nebe maka'as liu, sei hamosu tan bee-sa'e no rai-maran, hamosu tufaun no siklone sira iha Pasífiku, no afeta zona barak bainhira hetan nafatin kbiit hanesan hatudu iha previzaun sira ba fulan hirak tuirmai ne'e.

Somália, Etiópia, Indonézia, nasaun sira iha Pasífiku, Guatemala, Honduras, El Salvador, Peru, Ekuadór hanesan nasaun no rejiaun balun nebe afetadu hosi fenómenu El Niño.

ho Lusa

10
Nov15

Força crescente do El Niño ameaça a vida das crianças, avisa UNICEF

SAPO TL

A UNICEF estimou hoje que 11 milhões de crianças estejam em risco de fome, doenças e falta de água na África Oriental e Austral em resultado da força crescente do fenómeno meteorológico conhecido por El Niño.


 




Segundo a UNICEF/Fundo das Nações Unidas para a Infância, o El Niño também está a causar secas e cheias em partes da Ásia, da região do Pacífico e da América Latina.

El Niño é um padrão climático ligado ao aquecimento das águas de superfície do Oceano Pacífico, que pode ter um efeito profundo nos padrões climáticos em todo o mundo. As manifestações de El Niño tendem a acontecer com uma periodicidade que varia entre os dois e os sete anos.

"As consequências poderão ter um efeito de cascata sobre várias gerações, a menos que as comunidades afetadas recebam apoio para lidar com a quebra das colheitas e a falta de acesso a água potável, que estão a deixar as crianças malnutridas e em risco face às doenças fatais", alertou a UNICEF.

De acordo com a UNICEF, El Niño pode levar a um incremento significativo de doenças como a malária, o dengue, a diarreia e a cólera -- doenças que estão entre as principais causas de morte de crianças.

"Quando as condições meteorológicas extremas privam as comunidades do seu modo de vida, as crianças mais novas sofrem muitas vezes de subnutrição, o que as deixa ainda mais expostas ao risco de adoecerem, sofrerem atrasos no desenvolvimento cognitivo e morrerem prematuramente", adverte a UNICEF.


 




"As crianças e as comunidades em que se inserem precisam da nossa ajuda para recuperar do impacto de El Niño e para se prepararem para os estragos ulteriores que aquele fenómeno pode desencadear," considerou o diretor executivo da UNICEF, Anthony Lake.

Observou, a propósito, que a intensidade e o potencial de destruição do El Niño podem representar um alerta por ocasião da reunião de líderes mundiais em Paris.

"Ao procederem à discussão de um acordo para limitar o aquecimento global, devem lembrar-se de que o futuro das crianças de hoje e o do planeta que elas vão herdar está em causa", enfatizou Anthony Lake.

Os líderes mundiais vão reunir-se em Paris por ocasião da 21ª Conferência das Nações Unidas sobre o Clima, também conhecida como COP21, de 30 de novembro a 11 de dezembro próximos.

O objetivo do encontro é o de alcançar um acordo vinculativo que vise limitar o aquecimento global mediante a redução das emissões dos gases com efeito de estufa.

As ocorrências de El Niño não são causadas pelas alterações climáticas, mas os cientistas acreditam que estão a tornar-se mais intensas em resultado das alterações climáticas.

Muitos dos países que estão agora a sofrer os efeitos de El Niño são aqueles que enfrentam a mais grave ameaça por parte das alterações climáticas. Muitas das áreas afetadas têm também elevados níveis de pobreza.

Segundo especialistas, é provável que este fenómeno meteorológico, um dos mais fortes de que há registo, venha a causar mais cheias e secas, a alimentar tufões e ciclones no Pacífico, e a afetar mais zonas se continuar a ganhar força como indicam as previsões para os próximos meses.

Somália, Etiópia, Indonésia, nações do Pacífico, Guatemala, Honduras, El Salvador, Peru, Equador são alguns dos países e regiões afetados pelo fenómeno El Niño.

com Lusa

08
Out15

El Nino bele hamosu iha 2016 brankeamentu aat liu korál nian iha istória

SAPO TL

Korrente ekuatoriál manas ida nebe mosu iha Pasífiku, relasionadu ho El Nino, bele hamosu iha 2016 epizódiu aat ba brankeamentu korál iha istória, alerta hosi investigadór australianu sira iha loron-kinta ne'e.




 


Sientista sira hosi Universidade Queensland (Austrália) no hosi Ajénsia Oseániku no Atmosfériku Norte-amerikanu nian (NOAA, sigla lian inglés) esplika iha estudu ida nebe hatete de'it ba dala tolu maka sei akontese akontesimentu ida haneasn ne'e no resife sira hanesan Great Barrier Reef australianu nian sei afetadu liu.


 


"Bainhira kontinua aat nafatin, Great Barrier Reef sei hetan brankeamentu jeneralizadu ida ho mortalidade inerente tanba konsekuénsia hosi elevasaun beibeik hosi nivel temperatura tasi been nian", hatete hosi Ove Heogh-Guldberg, diretór hosi Institutu Alterasaun Globál hosi Universidade australianu nian.


 


Durante epizódiu dahuluk hosi brankeamentu globál nian, nebe rejista iha 1998, "metade hosi Great Barrier Reef, nebe klasifika hanesan patrimóniu Humanidade nian, afetadu no korál entre 5% to'o 10% mate ona, nia hatete. Ba dala rua akontese iha 2010, hafoin tempestade sira nebe aumenta stress nebe manas hamosu.


 



 


Fenómenu brankeamentu korál nian akontese bainhira, tanba temperatura hosi bee oseanu nian sa'e, korál sira hasai ho forsa alga simbiótiku sira nebe moris iha sira nia kulit, hodi hamosu kolorasaun iha korál sira. Auzénsia naruk hosi alga sira ne'e halo pólipo korál sira mate.


 


"Recife bele la hetan hipóteze iha 2016", alerta hosi Heogh-Guildberg, hodi hatutan katak Great Barrier Reef iha kilómetru kuadradu rihun 345, iha sistema karolinu hamutuk rihun tolu resin no illa tropikál millar ida resin.


 


Foin lalais, Governu australianu konsege evita ona atu UNESCO hatama Great Barrier Reef iha lista ba patrimóniu sira nebe iha perigu, hafoin hala'o tiha planu ida prezervasaun nebe sei halo iha tinan 35 tuirmai.


 


Resife karolinu sira nebe lakon iha impaktu importante tebes iha ekosistema tasi nian, tanba hanesan korál sira nebe fó hahán no fatin ba espésie oioin hosi ikan no krustáseu sira. Iha 1998, resife koralinu afetadu iha nasaun tropikál 60.


 


Fenómenu atuál hosi El Nino, nebe mosu fali iha fulan-Marsu ne'e, karik sei mosu to'o primavera 2016 nian no bele sai hanesan ida nebe maka'as liu, haktuir hosi investigadór no sientista norte-amerikanu sira.


 


El Nino hanesan fenómenu iregulár ida, nebe hamosu aumentu iha temperatura bee sira nian iha Pasífiku, udan boot iha zona balun, rai-maran iha zona sira seluk no anin nebe fraku. Sientista sira suspeitu katak akesimentu globál bele aumenta mós ho frekuénsia hosi El Nino.


 


ho Lusa

08
Out15

El Nino poderá gerar em 2016 o pior branqueamento de coral da história

SAPO TL

O ressurgimento de uma corrente equatorial quente no Pacífico, associada ao El Nino, poderá gerar em 2016 o pior episódio de branqueamento de corais jamais registado, alertaram investigadores australianos esta quinta-feira. 




 


Cientistas da universidade de Queensland (Austrália) e da Agência Oceânica e Atmosférica Norte-americana ((NOAA, na sigla inglesa) explicam num estudo que se trata apenas da terceira vez que ocorrerá um acontecimento dessa natureza e que recifes como os da Grande Barreira de Coral australiana serão particularmente afetados.


 


"Se a situação continuar a agravar-se, a Grande Barreira de Coral vai sofrer um branqueamento generalizado com a mortalidade inerente à consequência mais frequente da elevação dos níveis de temperatura da água do mar", disse Ove Heogh-Guldberg, diretor do Instituto de Alterações Globais da universidade australiana.


 


Durante o primeiro episódio de branqueamento global, registado em 1998, "mais de metade da Grande Barreira de coral, classificada como património da Humanidade, foi afetada e entre 5% a 10% dos corais morreram, recordou. A segunda vez ocorreu em 2010, depois de tempestades que agravaram o stresse provocado pelo calor.


 



 


O fenómeno do branqueamento do coral acontece quando, devido à subida da temperatura da água do oceano, os corais expelem as algas simbióticas que vivem nos seus tecidos, produzindo a coloração dos corais. A ausência prolongada dessas algas leva à morte dos pólipos de coral.


 


"O recife poderá não ter qualquer hipótese em 2016", alertou Heogh-Guildberg, aludindo à Grande Barreira, que se estende ao longo de 345 mil quilómetros quadrados, conta com cerca de 3.000 sistemas coralinos e mais de um milhar de ilhas tropicais.


 


Recentemente, o Governo australiano conseguiu evitar que a UNESCO colocasse a Grande Barreira na lista de património em perigo, depois de pôr em prática um plano de preservação que vai prolongar-se pelos próximos 35 anos.


 


O desaparecimento dos recifes coralinos tem um impacto muito importante no ecossistema marinho, uma vez que são os corais que fornecem alimento e abrigo a numerosas espécies de peixes e de crustáceos. Em 1998, os recifes coralinos de 60 países tropicais foram afetados.


 


O atual fenómeno do El Nino, que ressurgiu em março último, deverá persistir até à primavera de 2016 e poderá tornar-se um dos mais intensos de sempre, segundo preveem investigadores e cientistas norte-americanos.


 


O El Nino é um fenómeno irregular, que provoca o aumento da temperatura das águas no Pacífico, fortes chuvas em certas zonas, secas noutras e ventos fracos. Os cientistas suspeitam que o aquecimento global possa aumentar também a frequência do El Nino.


 


com Lusa

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D