Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Hora do Planeta

14
Mar19

Governu Makau hakarak aplika taxa ba saku plástiku sira

SAPO TL

Iha loron-kinta ne'e Governu Makau fó sai intensaun hodi aplika taxa sira ba saku plástiku sira, medida ida ne'ebé kleur ona husu hosi ativista ambiental sira, no promete ona hodi avansa ho bandu hosi material sira seluk.

plastico_tl.jpg

Proposta lei ne'e aprezenta ona iha konferénsia imprensa hosi Konsellu Ezekutivu.

Governu hato'o katak "fornesimentu hosi saku plástiku sira iha asaun fa'an nian sei efetua ho obrigatóriu ho títulu todan ida" ka liuhosi "folin fiksu ida liuhosi despaxu hosi xefe ezekutivu", hatete hosi porta-vós hosi Konsellu Ezekutivu.

 

Leong Heng Teng esplika ona katak kobransa sei aplika ba "tipu tomak hosi saku plástiku sira", maibé lei haree ba esepsaun sira "tanba razaun hijiene ho seguransa nian", liuliu iha kazu sira ba "ai-moruk sira no hahán sira ne'ebé ladún falun ho di'ak".

 

"Iha 2017, ami produz ona foer ho tonelada 1.400 no 23% koresponde ba plástiku, ne'ebé 13% hanesan saku plástiku sira", fó hanoin hosi diretor hosi Serbisu sira Protesaun Ambiental nian, Tam Vai Man, ne'ebé marka prezensa iha konferénsia imprensa.

Nune'e, Tam Vai Man garanti ona katak "hakat tuirmai" maka "hamenus material sira seluk".

 

Proposta, ne'ebé kalkula multa sira entre pataka rihun ida to'o rihun sanulu (entre euro 100 to'o rihun resin), agora sei ba diskusaun iha Asembleia Lejislativu Makau nian.

Deputadu ho ativista sira husu beibeik medida lejislativu sira hosi protesaun ambiental nian, liuliu kona-ba plástiku deskartável.

 

Tuir Governu, maioria hosi partisipante sira hosi konsulta públika konsidera ona "uzu maka'as" hosi saku plástiku sira hanesan "situasuan krítiku ida" iha teritóriu, ne'ebé iha 2017 rejista ona lixu maka'as "tuir kapita" duké iha Pekin, Xangai ka Hong Kong.

 

Iha fulan-Agostu nia rohan, petisaun ida hasoru uza plástiku deskartável halibur ona asinatura rihun resin iha Makau. Hodi hatán, Governu promete ona "estudu ho di'ak no neineik ba serbisu lejislativu sira [kona-ba protesaun ambiental nian]".

 

Iha deklarasaun sira ba Lusa, Annie Lao, personajen prinsipal ida hosi petisaun, konsidera ona asaun Governu nian hanesan la sufisiente, "iha termu polítika sustentável nian", hatudu preokupasaun ho kazino sira iha teritóriu ne'ebé, tuir ativista nia opiniaun, hanesan utilizador maka'as hosi rekursu sira hanesan "bee, enerjia ho plástiku".

 

Iha loron dahuluk tinan 2019 nian, grupu hoteleiru ho operadora jogu nian Sands China anunsia bandu hodi la uza palliña plástiku nian, hodi kalkula hamenus palliña hamutuk millaun 2,2 tinan-tinan, ka, tonelada ida hosi plástiku. Iha 2017, propriedade sira hosi empreza simu ona vizitante sira hamutuk millaun 97 resin.

 

MGM, ho kazinu rua iha Makau, promete mós hodi la uza plástiku tomak ho utilizasaun úniku, durante trimestre dahuluk tinan nian.

 

Iha Makau laiha fábrika ruma hodi halo saku plástiku sira ne'ebé maka importa hosi Xina, Vietnam, Hong Kong, ho fatin sira seluk.

 

Lusa

14
Mar19

Governo de Macau quer aplicar taxas sobre sacos de plástico

SAPO TL

O Governo de Macau anunciou hoje a intenção de aplicar taxas sobre os sacos de plástico, uma medida há muito exigida por ativistas ambientais, e prometeu avançar com a restrição de outros materiais.

plastico_tl.jpg

A proposta de lei foi apresentada em conferência de imprensa do Conselho Executivo.

O Governo propõe que “o fornecimento de sacos de plástico nos atos de venda a retalho seja efetuado obrigatoriamente a título oneroso”, ou seja, através de “um preço a fixar por despacho do chefe do executivo”, disse o porta-voz do Conselho Executivo.

 

Leong Heng Teng explicou que a cobrança se aplica a “todos os tipos de sacos de plástico”, mas que a lei prevê exceções "por razões de higiene e segurança”, nomeadamente em casos de “medicamentos e alimentos não devidamente embalados”.

 

“Em 2017, produzimos 1.400 toneladas de lixo e 23% correspondem a plástico, dos quais 13% são sacos de plástico”, lembrou o diretor dos Serviços de Proteção Ambiental, Tam Vai Man, presente na conferência de imprensa.

Neste sentido, Tam Vai Man garantiu que o “próximo passo” é a “restrição de outros materiais”.

 

A proposta, que prevê multas entre mil e dez mil patacas (entre cerca de 100 e mil euros), segue agora para discussão na Assembleia Legislativa de Macau.

Deputados e ativistas têm vindo a exigir medidas legislativas de proteção ambiental, em especial sobre o plástico descartável.

 

De acordo com o Governo, a maioria dos participantes de uma consulta pública considerou o “uso excessivo” de sacos de plástico “uma situação crítica” no território, que em 2017 registava mais lixo ‘per capita’ do que Pequim, Xangai ou Hong Kong.

 

No final de agosto, uma petição contra o uso do plástico descartável reuniu milhares de assinaturas em Macau. Em resposta, o Governo prometeu "aprofundar gradualmente os respetivos trabalhos legislativos [sobre proteção ambiental]".

 

Em declarações à Lusa, Annie Lao, um dos principais rostos da petição, considerou a ação do Governo insuficiente, "em termos de política sustentável", mostrando-se preocupada com os casinos do território que, na opinião da ativista, são os maiores utilizadores de recursos como “água, energia e plástico”.

 

No primeiro dia de 2019, o grupo hoteleiro e operadora de jogo Sands China anunciou a proibição do uso de palhinhas de plástico, prevendo economizar 2,2 milhões de palhinhas por ano, ou seja, uma tonelada de plástico. Em 2017, as propriedades da empresa receberam mais de 97 milhões de visitantes.

 

Também o MGM, com dois casinos em Macau, já prometeu abandonar todos os plásticos de utilização única, durante o primeiro trimestre deste ano.

 

Não existe em Macau qualquer fábrica de produção de sacos de plástico, que são importados da China, do Vietname e de Hong Kong, entre outros.

 

Lusa

22
Fev19

Banin boot liu iha mundu hetan fali iha Indonézia

SAPO TL

Banin boot liu iha mundu, ne'ebé lakon dékada barak nia laran no admiti ona "katak lakon ona ba siénsia", hetan fali iha illa dook ida iha Indonézia, fó sai iha loron-sesta ne'e hosi investigador sira ne'ebé deskobre.

abelha_sapotl.jpg

"Haksolok tebes, haree ´buldogue´ ne'e semo", komenta hosi naturalista Clay Bolt, ne'ebé haktuir iha komunikadu ida hosi organizasaun ambientalista norte-amerikanu "Global Wildlife Conservation”.

 

Bolt hetan iha ai-laran tropikal ida iha illa Maluku, iha Indonézia, banin-uma hosi Wallace (Megachile pluto), hodi afirma agora katak "hanesan estraordináriu" haree oinsá "boot ho furak" espésie ne'e no rona lian hosi "nia liras boot sira".

 

Banin ne'e, ne'ebé nia inan nia naruk bele to'o sentímetru haat no liras nia luan bele to'o sentímetru neen, hanesan boot liu duké banin baibain no deskobre ba dala uluk hosi britániku Alfred Russel Wallace iha tinan 1858.

Liutiha sékulu ida, iha 1981, hetan fali iha illa tolu hosi arkipélagu Maluku-Norte hosi entomolojista ida.

 

"Ha'u hein katak redeskoberta ne'e lori ba investigasaun foun sira, ne'ebé sei ajuda ita hatene di'ak liután banin úniku ne'e no proteje nia", hatete hosi Eli Wyman, entomolojista hosi universidade Princeton, Estadus Unidus, no ne'ebé maka halo parte hosi grupu ne'ebé maka hetan fali banin ne'e.

Espedisaun sira ne'ebé halo antes ba rejiaun ne'e la konsefe lokaliza espésia boot ne'e.

 

Lista Mean hosi espésie sira ne'ebé hetan ameasa hosi Uniaun Internasional ba Konservasaun Natureza nian (UICN) klasifika ona banin Wallace sira hanesan "fraku", la ameasadu hosi estinsaun, hodi nota katak habitat ne'ebé dook halo sai susar hodi hetan estudu.

 

Maibé sientista sira hatene katak banin Wallace sira halo sira nia uma iha konstrusaun ne'ebé halo hosi rai instala iha ai-hun no ne'ebé uza rezina ne'ebé sira hili ho mandíbula hodi proteje kolónia hosi térmita sira.

 

Iha pájina hosi organizasaun ambientalista, Bolt hatete kona-ba prosesu ne'ebé halo nia ba illa Maluku iha fulan-Janeiru liubá, iha tempu hanesan ho Wallace nia viajen ho hafoin hosi Adam Messer, ema ikus ne'ebé maka hetan banin iha tinan 1981.

ho Lusa

22
Fev19

Maior abelha do mundo redescoberta na Indonésia

SAPO TL

A maior abelha do mundo, desaparecida há décadas e que se admitia “perdida para a ciência”, foi redescoberta numa ilha remota da Indonésia, anunciaram hoje os investigadores que a descobriram.

abelha_sapotl.jpg

“Foi de tirar o fôlego, ver este ´buldogue´ voando”, comentou o naturalista Clay Bolt, citado num comunicado da organização ambientalista norte-americana “Global Wildlife Conservation”.

 

Bolt encontrou numa floresta tropical das ilhas Molucas, Indonésia, uma colmeia de abelhas de Wallace (Megachile pluto), afirmando agora que “foi incrível” ver o quão “grande e bonita” é a espécie e ouvir o som das suas “asas gigantes”.

 

Esta abelha, cuja fêmea pode chegar a ter quatro centímetros de comprimento e seis de envergadura de asas, é quatro vezes maior que a abelha comum e foi descoberta pelo britânico Alfred Russel Wallace em 1858.

Mais de um século depois, em 1981, foi redescoberta em três ilhas do arquipélago das Molucas do Norte por um entomologista.

 

“Espero que esta redescoberta leve a novas investigações, que nos ajudarão a entender melhor esta abelha única e a protegê-la”, disse Eli Wyman, entomologista da universidade de Princeton, Estados Unidos, e que fazia parte do grupo que voltou a encontrar a abelha.

Expedições anteriores à mesma região não tinham conseguido localizar a espécie gigante.

 

A Lista Vermelha das espécies ameaçadas da União Internacional para a Conservação da Natureza (UICN) classifica as abelhas de Wallace como “vulneráveis”, não ameaçadas de extinção, notando que o habitat remoto torna o seu estudo difícil.

 

Os cientistas sabem no entanto que as abelhas de Wallace fazem as colmeias em termiteiras instaladas em árvores e que utilizam resina que recolhem com as mandíbulas para proteger a colónia das térmitas.

 

Na página da organização ambientalista, Bolt descreve o processo que o levou às ilhas Molucas em janeiro passado, pela mesma altura da viagem de Wallace e depois de Adam Messer, o último a ver a abelha em 1981.

Lusa

19
Dez18

UE chega a acordo para proibir produtos como cotonetes e palhinhas de plástico

SAPO TL

A União Europeia (UE) chegou hoje de madrugada, em Bruxelas, a um acordo para a futura proibição a partir de 2021 de alguns plásticos de utilização única como cotonetes, palhinhas e talheres de plástico para reduzir a poluição marítima.

Plastics.jpg

 

“O lixo marítimo é um problema global cada vez maior”, segundo um comunicado do Conselho de Ministros do Ambiente da UE, que esta noite chegou a um acordo com o Parlamento Europeu sobre a restrição do uso de plásticos.

Segundo um comunicado, se nada for feito, em 2050 haverá mais plásticos do que peixes no mar.

O acordo hoje alcançado necessita ainda de ser formalmente ratificado pelos Estados-membros e pelo Parlamento Europeu (PE), esperando-se que o processo esteja concluído até à primavera de 2019 e possa entrar em vigor em 2021.

A proposta apresentada pela Comissão Europeia em maio prevê a proibição de categorias de produtos que representam 70% dos detritos que poluem oceanos e praias.

Em outubro, o PE aprovou a proposta de Bruxelas, estipulando que em relação a outros produtos de plástico de utilização única, os Estados-membros devem tomar as medidas necessárias para obter uma redução ambiciosa e sustentada de pelo menos 25% até 2025.

Nesta categoria incluem-se caixas para hambúrgueres, sanduíches e saladas, bem como recipientes para frutos, legumes, sobremesas ou gelados.

Os 28 terão ainda de assegurar a recolha seletiva e a subsequente reciclagem de pelo menos 90% das garrafas de plástico descartáveis até 2025.

Fonte: Agência Lusa

28
Nov18

Alterações climáticas e esgotamento dos solos enfraquecem sistemas alimentares

SAPO TL

As Nações Unidas consideram que alimentar um planeta faminto é cada vez mais difícil, porque as mudanças climáticas e o esgotamento dos solos e outros recursos estão a enfraquecer os sistemas alimentares.

Mudanças climáticas.jpg


Um relatório da Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO) divulgado hoje diz que são necessárias melhores políticas para alcançar a "fome zero", acrescentando que o aumento da população exige o fornecimento de alimentos mais nutritivos a preços acessíveis.

Mas, prossegue o documento, o aumento da produção agrícola é difícil, tendo em conta o "estado frágil da base de recursos naturais", uma vez que os seres humanos ultrapassaram a capacidade de carga da Terra em termos de solos, água e alterações climáticas.

Cerca de 820 milhões de pessoas estão desnutridas, refere o relatório, divulgado pela FAO e o Instituto Internacional de Pesquisas sobre Políticas Alimentares no início de uma conferência global destinada a acelerar os esforços para alcançar a fome zero em todo o mundo.

A segurança alimentar continua fraca para muitos milhões de pessoas que não têm acesso a dietas acessíveis e adequadamente nutritivas por uma variedade de razões, sendo a mais comum a pobreza.

De acordo com o relatório, a segurança alimentar está igualmente ameaçada por conflitos civis e outro tipo de disputas.

No Iémen, onde milhares de civis morreram em ataques aéreos perpetrados por uma coligação liderada pela Arábia Saudita, o grupo de ajuda 'Save the Children' diz que 85 mil crianças menores de cinco anos podem ter morrido de fome ou de doenças durante a guerra.

No Afeganistão, as secas severas e os conflitos desalojaram mais de 250 mil pessoas, segundo o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR).

O diretor-geral da FAO, José Graziano da Silva, observou que o número de pessoas famintas e subnutridas no mundo subiu para níveis de há uma década.

"Depois de décadas de ganhos no combate à fome, este é um sério revés e a FAO e as agências irmãs da ONU, juntamente com governos membros e outros parceiros, estão muito preocupadas", disse Graziano da Silva, numa mensagem de vídeo transmitida durante a conferência.

A fome ainda é mais severa na África, mas o maior número de pessoas subnutridas vive na região da Ásia-Pacífico, segundo o relatório, que defende que melhores políticas públicas e a tecnologia são as chaves para melhorar a situação.

A FAO estima que a procura global por alimentos crescerá 50% entre 2013 e 2050. Os agricultores podem expandir o uso da terra para ajudar a compensar parte da diferença, mas essa opção é restrita em lugares como a Ásia e o Pacífico e a urbanização está a consumir ainda mais terras do que aquelas que poderiam ter sido usadas para agricultura.

Aumentar a produção agrícola além dos níveis sustentáveis pode causar danos permanentes aos ecossistemas, segundo o relatório, que sublinha a erosão do solo, a poluição com cobertura de plástico, os pesticidas e fertilizantes e a perda de biodiversidade.

De acordo com o documento, a China destrói 12 milhões de toneladas de sementes contaminadas por ano, com uma perda de quase 2,6 biliões de dólares.

Fonte: Agência Lusa

22
Nov18

Guterres pede criatividade para transformar economias para responder a alterações climáticas

SAPO TL

O secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, afirmou hoje que as alterações climáticas avançam mais depressa do que as respostas dos países, defendendo que é preciso criatividade para transformar as economias.

alterações climáticas.jpg


"Precisamos de mais criatividade para transformar as nossas economias e limitar o aquecimento global o mais próximo possível de 1,5 graus centígrados. As alterações climáticas estão a andar mais rápido do que nós", afirmou António Guterres numa mensagem dirigida à cimeira virtual do Fórum da Vulnerabilidade Climática, que se realiza hoje nas ilhas Marshall.

O secretário-geral português apelou ao mundo para que aja, reclamou um plano de ação concreto e afirmou que todos deverão pôr-se de acordo na cimeira COP 24, que se realiza em Katovice, Polónia, de 02 a 14 de dezembro.

O Painel Intergovernamental de peritos em alterações climáticas (IPCC) considerou num relatório divulgado em outubro que limitar o aumento a 1,5 graus pode evitar que o nível dos oceanos aumente dez centímetros, que o Ártico perca o gelo durante o inverno e que morram os recifes de coral.

Para lá chegar, os peritos reunidos pela ONU afirmam que será preciso baixar 45% as emissões de dióxido de carbono até 2030, e continuar a descer para alcançar a neutralidade em 2050.

"As alterações climáticas discriminam e os mais afetados são sempre os mais pobres", referiu a alta comissária das Nações Unidas para os Refugiados, Michelle Bachelet.

O Fórum da Vulnerabilidade Climática, fundado em 2009, junta 48 estados comprometidos com a eliminação das emissões carbónicas.

Fonte: Agência Lusa

30
Out18

UE promete 300 milhões de euros para ajudar na proteção e conservação dos oceanos

SAPO TL

A União Europeia (UE) anunciou hoje que vai avançar com mais 300 milhões de euros para ajudar na proteção e conservação dos oceanos, durante uma conferência que termina hoje na ilha indonésia de Bali.

oceano.jpg

 

Durante os dois dias da conferência "O Nosso Oceano", a UE também anunciou 23 novos projetos para combater a poluição marinha e as alterações climáticas, bem como para promover a pesca sustentável e uma economia azul.

O bloco europeu entende como economia azul aquela que reconhece a importância dos mares e oceanos como motores da economia, devido ao seu grande potencial de inovação e crescimento.

"Esta importante contribuição soma-se aos 500 milhões de euros que a União Europeia prometeu quando organizou a conferência 'O Nosso Oceano', no ano passado, em Malta", sublinhou a UE, em comunicado.

Um fundo de 100 milhões de euros será investido na pesquisa por plásticos mais 'amigos' do meio ambiente, dentro do programa europeu Horizonte 2020.

O restante capital prometido em Bali financiará projetos de conservação, descontaminação e pesca sustentável na África e na Ásia.

A representante para a Política Externa da UE, Federica Mogherini, afirmou que "nenhum país pode ter sucesso sozinho" na conservação dos oceanos.

"Requer determinação, coerência e alianças, dentro e fora da União Europeia", acrescentou.

Cerca de 250 organizações, incluindo governos e empresas como a Coca-Cola, a Danone e a Inditex assinaram na segunda-feira, durante a conferência, o chamado "compromisso global para a nova economia de plástico", projetado para reduzir o uso do plástico e facilitar a sua reciclagem.

Alguns especialistas estimam que, ao ritmo atual, haverá mais plástico do que peixes nos oceanos até 2050.

A conferência "Our Ocean", em Bali, é a quinta desde a sua estreia e a primeira celebrada na Ásia.

Fonte: Agência Lusa

30
Out18

Dezenas de multinacionais assinam acordo na Indonésia para reduzir uso do plástico

SAPO TL

Dezenas de multinacionais, como a Coca-Cola, a Danone e a Inditex, assinaram hoje, na Indonésia, um acordo para reduzir o uso do plástico e fomentar a sua reciclagem, uma medida que os ecologistas consideram pouco ambiciosa.

Reduzir uso do plástico.jfif 

 

O acordo foi assinado na cimeira "Nosso Oceano", que hoje começou em Bali, na presença do Presidente indonésio, Joko Widodo, e do ex-presidente dos Estados Unidos John Kerry.

O convénio "Compromisso global para a nova economia de plásticos" foi subscrito por 250 entidades, incluindo governos, organizações não-governamentais e empresas (nomeadamente as que produzem 20 por cento dos plásticos das embalagens).

Trata-se de uma iniciativa da Fundação MacArthur, nos Estados Unidos, em colaboração com a ONU Meio Ambiente, que visa acabar com os plásticos "problemáticos e desnecessários" e pretende que em 2025 cem por cento das embalagens sejam reutilizáveis, recicladas ou orgânicas.

Apesar de o Fundo Mundial para a Natureza apoiar a iniciativa, o acordo foi considerado pouco ambicioso por outras organizações ambientalistas, como a Oceana, que acusa as empresas de se recusarem a pôr um fim efetivo ao uso do plástico e a encontrar alternativas.

Segundo a Oceana, o mundo deve deixar de utilizar produtos feitos em plástico, como garrafas, sacos, recipientes ou palhinhas.

A cimeira "Nosso Oceano", que decorre até quarta-feira na ilha indonésia de Bali, pretende, entre outras metas, encontrar medidas contra a contaminação dos oceanos.

O encontro reúne chefes de Estado e ministros de vários países, além de mais de dois mil delegados.

As Nações Unidas estimam que anualmente cerca de oito toneladas de plástico vão parar aos oceanos, sendo que, frequentemente, muito do plástico é ingerido pelos animais marinhos, passando a fazer parte da cadeia alimentar das pessoas.

A continuar esta tendência, haverá mais plástico do que peixes em 2050, vaticina a ONU.

Fonte: Agência Lusa

07
Set18

Mergulhar a derradeira fronteira – Os primeiros mergulhos em gruta da história de Timor-Leste

SAPO TL

Em pleno século XXI quase todos os limites do planeta Terra foram conquistados pelo Homem. Subimos as montanhas mais altas e descemos às maiores profundezas dos oceanos mas as grutas submersas permanecem como uma última fronteira.

timor_IMG_0593.JPG


No âmbito do projeto internacional Fatuk-Kuak hosi Timor Lorosa’e, no próximo dia 9 de setembro parte uma equipa portuguesa para continuar a exploração das profundezas de Timor Leste.


Na expedição de 2018, que decorrerá de 9 de setembro a 6 de outubro, os espeleólogos e mergulhadores subterrâneos portugueses Manuel Soares e Miguel Lopes pretendem fazer os primeiros mergulhos em gruta alguma vez realizados em Timor-Leste.


“Mergulhamos em grutas submersas pelo desejo e pelo prazer de conhecer locais novos e inexplorados mas fazemo-lo com objetivos claros: melhorar o conhecimento dos recursos hídricos do planeta, entender melhor o comportamento da água e os ecossistemas mas, em especial, para tentar contribuir para a proteção deste recurso tão ameaçado.” diz Miguel Lopes do NEUA - Núcleo de Espeleologia da Universidade de Aveiro e acrescenta “Para isso, exploramos, topografamos e mapeamos estes sistemas colaborando com várias áreas da ciência mas, sobretudo, falamos e mostramos as imagens do que fazemos às populações que habitam os lugares que visitamos e realizamos ações de sensibilização junto das mesmas.”


Nos anos anteriores o projeto viveu dias intensos de exploração mas também de cooperação, colaboração e de amizade.


“Não sabemos fazer as coisas de outro modo pelo que a vertente humana acaba por se tornar sempre uma das mais marcantes de um projeto deste tipo. Tenho a certeza que a expedição de 2018 seguirá o mesmo caminho.”, acrescenta ainda André Reis do CEAE – Centro de Estudos e Atividades Especiais da Liga para a Proteção da Natureza.


Fatuk-Kuak hosi Timor Lorosa’e é um projeto internacional multidisciplinar iniciado em 2016 com o objetivo de promover e desenvolver a espeleologia em Timor-Leste através da sistematização da investigação e estudo das grutas e cavernas, contemplando a formação de espeleólogos Timorenses .


O projeto é promovido por quatro associações de espeleologia portuguesas e uma timorense, nomeadamente, o NEUA – Núcleo de Espeleologia da Universidade de Aveiro, o CEAE – Centro de Estudos e Actividades Especiais da Liga para a Protecção da Natureza, o CIES – Centro de Investigação e Exploração Subterrânea, o GPS – Grupo e Proteção de Sicó e a JHN – Juventude Hadomi Natureza de Timor-Leste, em parceria com a UNTL – Universidade Nacional Timor Lorosa’e.

 

Texto enviado pelo Projeto Timor Subterrâneo, Manuel Freire, Núcleo de Espeleologia da Universidade de Aveiro

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D