Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Hora do Planeta

25
Set19

"Nobel Alternativu" distingi líder ho asosiasaun hosi Amazónia ho ativista Greta Thunberg

SAPO TL

Joven ativista sueka Greta Thunberg, líder indíjena brazileiru Davi Kopenawa ho Hutukara Asosiasaun Yanomami, hosi konservasaun hosi ai-laran tropikal Amazónia nian, hetan oan distinsaun iha loron-kuarta ne'e, iha Estokolmo, ho "prémiu Nobel Alternativu".

greta.jpg

Greta Thunberg

Advogada xineza Guo Jianmei ho defensora saraui ba direitu ema nian Aminatou Haidar simu mós galardaun, ne'ebé asinala tinan 40 iha tinan ne'e.

"Ami fó prémiu ba vizionáriu prátiku na'in haat ne'ebé lideransa fó ona lian ba ema millaun resin hodi defende direitu intransmitivel sira no iha luta ba futuru sustentável ida ba ema tomak iha planeta Rai", afirma hosi diretor-ezekutivu hosi Fundasaun Right Livelihood bainhira fó sai prémiu sira.

"Aleinde prémiu osan, ami oferese mós ba premiadu sira apoiu iha prazu naruk no ami sei ajuda proteje sira ne'ebé maka hetan perigu iha sira nia moris no perigu ba sira nia liberdade", subliña hosi Ole von Uexkull, iha konferénsia imprensa hodi fó sai prémiu sira, iha Ministériu Negósiu Estranjeiru sueku.

Davi Kopenawa.jpg

Davi Kopenawa

Tuir júri internasional, líder hosi tribu Yanomami iha Roraima, iha norte Brazil nian, Davi Kopenawa, ho Hutukara Asosiasaun Yanomami hetan distinsaun "tanba determinasaun korajozo hodi proteje ai-laran sira ho biodiversidade hosi Amazónia, hosi rai sira ho kultura hosi povu indíjena sira".

Hili joven ativista hosi klima nian, Greta Thunberg, ho tinan 16, tanba sai "inspirasaun ho aumenta ona ezijénsia polítika sira ba asaun klimátiku ida ne'ebé reflete faktu sientífiku sira".

Advogada xineza Guo Jianmei hetan distinsaun tanba "serbisu pioneiru ho persistente hodi defende feto sira nia direitu iha Xina", no iha tinan hirak ikus ne'e ajuda ona feto millaun resin hodi iha asesu ba justisa.

Defensora hosi direitu humanu saraui Aminatou Haidar destaka ona tanba "kampaña pasífiku ida", durante tinan 30 nia laran, "maski detensaun sira ho tortura, tanba justisa no autodeterminasaun ba povu Sara Osidental nian", no sai hanesan ema saraui dahuluk ne'ebé maka simu "Nobel Alternativu" ida.

Premiadu ida-idak sei simu osan millaun ida koroa sueka nian (euro rihun 94), destina hodi apoia serbisu ne'ebé sira dezenvolve iha sira nia área no la'ós uzu pesoal.

Iha prosesu ida hosi nomeasaun abertu, júri simu ona nomeasaun hamutuk 142 hosi nasaun hamutuk 59.

"Nobel Alternativu" sira sei entrega iha Estokolmo, iha loron 04 Dezembru, iha serimónia ida ne'ebé, ba dala uluk, sei loke ba públika hodi asinala tinan 40 hosi prémiu ne'e.

Harii iha tinan 1980, prémiu sira ne'e fó "honra ho apoia mane sira ho feto sira ne'ebé oferese resposta prátika sira ho ezemplar sira ba dezafiu sira ne'ebé urjente ho atual tebes".

Fonte: Ajénsia Lusa

25
Set19

"Nobel Alternativo" distingue líder e associação da Amazónia e ativista Greta Thunberg

SAPO TL

A jovem ativista sueca Greta Thunberg, o líder indígena brasileiro Davi Kopenawa e a Hutukara Associação Yanomami, de conservação da floresta tropical da Amazónia, foram hoje distinguidos, em Estocolmo, com o "prémio Nobel Alternativo".

greta.jpg

Greta Thunberg

A advogada chinesa Guo Jianmei e a defensora dos direitos humanos saraui Aminatou Haidar receberam também o galardão, que assinala este ano o 40.º aniversário.

"Distinguimos quatro visionários práticos cuja liderança deu voz a milhões de pessoas na defesa de direitos inalienáveis e na luta por um futuro sustentável para todos no planeta Terra", afirmou o diretor-executivo da Fundação Right Livelihood [modo de vida correto], ao anunciar os prémios.

"Além do prémio monetário, oferecemos aos distinguidos apoio a longo prazo e ajudaremos a proteger aqueles cujas vidas e liberdade estiverem em perigo", sublinhou Ole von Uexkull, na conferência de imprensa de anúncio dos prémios, no Ministério dos Negócios Estrangeiros sueco.

Davi Kopenawa.jpg

Davi Kopenawa

De acordo com o júri internacional, o líder da tribo dos Yanomami em Roraima, no norte do Brasil, Davi Kopenawa, e a Hutukara Associação Yanomami foram distinguidos "pela corajosa determinação na proteção das florestas e da biodiversidade da Amazónia, das terras e da cultura dos povos indígenas".

A jovem ativista do clima Greta Thunberg, de 16 anos, foi escolhida por ter "inspirado e ampliado as exigências políticas para uma ação climática que reflita factos científicos".

A advogada chinesa Guo Jianmei foi distinguida pelo "trabalho pioneiro e persistente na defesa dos direitos das mulheres na China", tendo ao longo dos anos ajudado milhares de mulheres a terem acesso à justiça.

A defensora dos direitos humanos saraui Aminatou Haidar destacou-se por "uma campanha pacífica", ao longo de 30 anos, "apesar de detenções e tortura, em prol da justiça e da autodeterminação para o povo do Sara Ocidental", sendo a primeira saraui a receber um "Nobel Alternativo".

Cada um dos premiados vai receber um milhão de coroas suecas (94 mil euros), destinadas a apoiar o trabalho que desenvolvem nas suas áreas e não para uso pessoal.

Num processo de nomeação aberto, o júri recebeu 142 nomeações de 59 países.

Os "Nobel Alternativo" vão ser entregues em Estocolmo, em 04 de dezembro, numa cerimónia pela primeira vez aberta ao público, para assinalar os 40 anos do prémio.

Criados em 1980, estes prémios "honram e apoiam homens e mulheres que oferecem respostas práticas e exemplares aos desafios mais urgentes e atuais".

Fonte: Agência Lusa

23
Set19

Klima: António Guterres hatete katak sei iha tempu maibé besik hotu ona

SAPO TL

Sekretáriu-jeral ONU nian, António Guterres, afirma iha loron-segunda ne'e katak "seidauk tarde liu" hodi atende saida maka konsidera hanesan emerjénsia klimátika mundial maibé repete katak tempu besik hotu ona.

antonio_guterres_noticia.jpg

"Emerjénsia klimátika hanesan korida ida ne'ebé ita lakon daudaun maibé ita sei bele manán. Krizi klimátika hanesan provoka hosi ita no solusaun sira tenki mai hosi ita. Ita iha dalan sira: teknolojia iha ita nia parte", afirma hosi portugés ba líder internasional sira bainhira loke Simeira hosi Asaun Klimátika ne'ebé halo iha loron-segunda ne'e iha sede ONU nian.

António Guterres hatete katak simeira loron-segunda la'ós ba diskursu sira no mós la'ós negosiasaun sira maibé ba asaun ho kompromisu konkretu sira.

Fonte: Ajénsia Lusa

23
Set19

Clima: António Guterres diz que ainda há tempo, mas está a esgotar-se

SAPO TL

O secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, afirmou hoje que "ainda não é demasiado tarde" para atender ao que considera a emergência climática mundial, mas advertiu que o tempo está a esgotar-se.

antonio_guterres_noticia.jpg

"A emergência climática é uma corrida que estamos a perder mas que ainda podemos ganhar. A crise climática é provocada por nós e as soluções devem vir de nós. Temos as ferramentas: a tecnologia está do nosso lado", afirmou o português perante dezenas de líderes internacionais ao abrir a Cimeira da Ação Climática, que decorre hoje na sede da ONU.

António Guterres frisou que a cimeira de hoje não é para discursos nem negociações, mas para ação, com compromissos concretos.

Fonte: Agência Lusa

20
Set19

Alunu rihun resin iha Austrália ho Illa sira hosi Pasífiku halo greve tanba klima

SAPO TL

Estudante millaun resin halo ona manifestasaun, iha loron-sesta ne'e, iha Austrália no iha illa sira Pasífiku nian hasoru mudansa klimátika, loron balun antes halo simeira ONU nian ne'ebé dedikadu ba klima.

australia_clima.jpg

Iha Sydney, alunu sira, profesor sira ho aman-inan sira kaer bandeira sira ho kartaz sira ne'ebé iha fraze sira hanesna "Para sunu ami nia futuru" ka "Marie Kondo mós bele rezolve konfuzaun", hodi refere ba espesialista ida iha organizasaun pesoal japuneza.

Sidade sira seluk iha nasaun, hanesan Canberra, Melbourne ho Hobart, halibur mós manifestante rihun resin, iha asosiasaun ida ba greve mundial hosi eskola sira tanba klima, ne'ebé hakarak eziji polítiku sira ba asaun konkretu sira hasoru mudansa klimátika.

Iha estrada sira iha kapital australianu, manifestante sira husu ona "asaun lalais" ida no kondena ona atual primeiru-ministru australianu, Scott Morrison, tanba nia pozisaun favorável ba indústria anar nian.

Morrison, ne'ebé halo hela vizita ofisial iha Estadus Unidus, sei la partisipa iha simeira ONU nian, iha loron-segunda. Asaun ida ne'ebé Partidu Verde australianu hatete hanesan "kobardia ida", tanba nasaun hanesan emisor boot ida hosi gás poluente sira bainhira inklui esportasaun sira hosi kombustível fósil sira.

Illa sira Pasífiku nian, nasaun sira ne'ebé fraku liu hasoru aumentu hosi nível bee sira nian, hanesan konsekuénsia hosi akesimentu global, sai mós hanesan palku hosi protestu oioin.

Estudante sira hosi Illa Salomaun, balun armadu ho eskudu sira ho bandeira sira, balun ho kanoa sira, halibur hamutuk besik iha tasi-ibun hodi halo protestu.

Labarik sira hosi Kiribati hakilar, hodi kumu liman, "ami sei la mout, ami luta!", haktuir hosi imajen sira ne'ebé fó sai iha rede sosial Twitter hosi organizasaun ambientalista 350.

Simeira hosi Asaun Klimátiku, iha loron-segunda, presedidu hosi Simeira hosi Juventude kona-ba mudansa klimátika sira, iha findesemana ne'ebé debate sei halo hosi joven ativista sira hanesan Greta Thunberg.

Fonte: Ajénsia Lusa

20
Set19

Milhares de alunos na Austrália e nas Ilhas do Pacífico em greve pelo clima

SAPO TL

Dezenas de milhares de estudantes manifestaram-se hoje na Austrália e nas ilhas do Pacífico contra as alterações climáticas, poucos dias antes da cimeira das Nações Unidas dedicada ao clima.

australia_clima.jpg

Em Sydney, alunos, professores e pais empunhavam bandeiras e cartazes onde podia ler-se "Parem de queimar o nosso futuro" ou "nem Marie Kondo pode resolver este caos", em referência a uma especialista em organização pessoal japonesa.

Outras cidades do país, como Camberra, Melbourne e Hobart, também reuniram milhares de manifestantes, numa associação à greve mundial das escolas pelo clima, que visa exigir dos políticos ações concretas contra as alterações climáticas.

Nas ruas da capital australiana, os manifestantes pediram uma "ação imediata" e condenaram o atual primeiro-ministro australiano, Scott Morrison, pela sua posição favorável à indústria do carvão.

Morrison, que se encontrava nos Estados Unidos em visita oficial, não participará na cimeira da ONU, na segunda-feira. Um gesto que o Partido Verde australiano descreveu como "uma cobardia", já que o país é um dos maiores emissores de gases poluentes, se incluídas as exportações de combustíveis fósseis.

As ilhas do Pacífico, as nações mais vulneráveis ao aumento do nível das águas, como consequência do aquecimento global, também foram palco de vários atos de protesto.

Estudantes das Ilhas Salomão, alguns armados com escudos e bandeiras, outros em canoas, reuniram-se perto do mar, em protesto.

Crianças de Kiribati gritavam, de punho para cima, "não nos afundamos, lutamos!", segundo imagens divulgadas na rede social Twitter pela organização ambientalista 350.

A Cimeira de Ação Climática, na segunda-feira, é precedido pela Cimeira da Juventude sobre alterações climáticas, no fim de semana onde o debate vai ser conduzido por jovens ativistas como Greta Thunberg.

Fonte: Agência Lusa

19
Set19

Klima: Sientista sira hosi mundu halibur iha "Earth Commission"

SAPO TL

Sientista prinsipal mundial na'in tolu sei koprezidi komisaun ida hosi espesialista internasional sira hodi identifika risku sira ho dezenvolve objetivu sientífiku koerente sira hodi proteje sistema sira hosi suporte moris Rai nian.

planeta_terra.jpg

Johan Rockström, Joyeeta Gupta ho Dahe Qin sei hanesan koprezidente sira hosi Earth Commission, komposta hosi elementu na'in 19 no ne'ebé maka fó sai iha loron-kinta ne'e hosi organizasaun internasional investigasaun nian "Future Earth", harii iha tinan 10 liubá no ne'ebé halibur rede ida hosi sientista sira ho investigador sira hodi bele iha planeta ida ne'ebé sustentável liu.

Grupu hahú lalais, hodi hakotu iha tinan 2021, sínteze ida hosi koñesimentu sientífiku ho nível aas kona-ba prosesu biofíziku sira ne'ebé regula estabilidade Rai nian no objetivu sira hodi asegura estabilidade ne'e.

Komisaun sei estuda mós mudansa sosial sira ne'ebé maka presiza hodi nune'e dezenvolvimentu sustentável bele hetan objetivu sira ne'e.

Objetivu maka atu harii rede ida hosi objetivu sientífiku sira, hamutuk ho dirijente sira hosi organizasaun sira ne'ebé la'ós governu nian, hodi nune'e sidade ho empreza sira hamenus nia impaktu ho restaura fali oseanu sira, bee-moos ho biodiversidade.

Hakarak atu iha tinan 2025 ne'e bele hanesan prátika padraun iha empreza prinsipal sira ho sidade sira iha mundu.

"Inséndiu sira tinan ne'e iha Amazónia, akesimentu lalais hosi Ártiku, ahu-ruin sira tasi nian ne'ebé hahú mate no manas sira ho inundasaun sira ne'ebé nunka akontese iha mundu tomak, hanesan sinal sira ne'ebé klaru katak atividade sira hosi ema sira dudu daudaun planeta hodi dook hosi estadu estável ne'ebé maka ita bele senti durante tinan 10.000", hatete hosi Johan Rockström, diretor hosi Institutu Potsdam hosi Peskiza kona-ba Mudansa Klimátika ho koprezidente hosi Future Earth.

Earth Commission ho rede sira hosi objetivu sientífiku sira halo parte hosi “Global Commons Aliance”, ne'ebé halibur organizasaun sira ne'ebé hakarak transforma sistema ekonómiku sira hodi garanti atu Rai bele kontinua habitável nafatin.

Aliansa, lansa iha Juñu, inklui portal “Earth HQ”, ne'ebé sei fahe panorama jeral hosi dezempeñu hosi sistema sira Rai nian no sei akompaña progresu sira ne'ebé halo.

Komisáriu na'in 19 inklui sientista koñesidu sira iha siénsia natural sira ho sosial sira hosi nasaun 13: Arjentina, Austrália (2), Xina (2), Fransa, Alemaña (2), Gana, Índia, Japaun, Kénia, Holanda (2), Reinu Unidu ho Estadus Unidus (4).

Fonte: Ajénsia Lusa

19
Set19

Clima: Cientistas do mundo juntam-se na "Comissão da Terra"

SAPO TL

Três dos principais cientistas mundiais vão copresidir a uma comissão de especialistas internacionais para identificar riscos e desenvolver um conjunto coerente de objetivos científicos para proteger os sistemas de suporte de vida da Terra.

planeta_terra.jpg

Johan Rockström, Joyeeta Gupta e Dahe Qin serão os copresidentes da Comissão da Terra, composta por 19 elementos e que foi hoje anunciada pela organização internacional de investigação “Future Earth”, criada há 10 anos e que junta uma rede de cientistas e investigadores na busca de um planeta mais sustentável.

O grupo começa de imediato, para terminar em 2021, uma síntese de conhecimento científico de alto nível sobre os processos biofísicos que regulam a estabilidade da Terra e as metas para assegurar essa estabilidade.

A Comissão também vai estudar as transformações sociais que são necessárias para que o desenvolvimento sustentável alcance essas metas.

O objetivo é que seja criada uma rede de metas científicas, com dirigentes de organizações não governamentais, de forma a que cidades e empresas reduzam o seu impacto e restaurem de novo os oceanos, a água doce e a biodiversidade.

Pretende-se que em 2025 essa seja a prática padrão nas principais empresas e cidades do mundo.

“Os incêndios deste ano na Amazónia, o rápido aquecimento do Ártico, os recifes de coral a morrer e as ondas de calor e inundações sem precedentes por todo o mundo, são os mais claros sinais de que as atividades humanas estão a empurrar o planeta cada vez para mais longe do estado estável de que desfrutamos durante 10.000 anos”, disse Johan Rockström, diretor do Instituto Potsdam de Pesquisa sobre as Alterações Climáticas e copresidente da Future Earth.

A Comissão da Terra e a rede de metas científicas fazem parte da “Global Commons Aliance”, que junta organizações que visam transformar os sistemas económicos de forma a garantir que a Terra continua habitável.

A aliança, lançada em junho, inclui o portal “Earth HQ”, que vai compartilhar o panorama geral de desempenho dos sistemas da Terra e acompanhará os progressos feitos.

Os 19 comissários incluem cientistas de renome em ciência naturais e sociais de 13 países: Argentina, Austrália (2), China (2), França, Alemanha (2), Gana, Índia, Japão, Quénia, Holanda (2), Reino Unido e Estados Unidos (4).

Fonte: Agência Lusa

17
Set19

Amazónia: Kriminozu ataka defensor sira meiu ambiente nian hodi estraga ai-laran iha Brazil

SAPO TL

Desflorestasaun hosi Amazónia brazileiru hanesan impulsionadu hosi rede kriminozu sira ne'ebé kria hosi invazor sira ho fazendeiru sira ne'ebé uza violénsia ho intimidasaun hasoru sé maka hakarak impede, denunsia hosi Human Rights Watch (HRW) iha relatóriu ida ne'ebé fó sai iha loron-tersa ne'e.

amazonia.jpg

Dokumentu ho pájina hamutuk 165 ho títulu “Rainforest Mafias: How Violence and Impunity Fuel Deforestation in Brazil’s Amazon”, elabora hosi organizasaun ne'ebé la'ós governu nian, aponta katak desflorestasaun ilegal no inséndiu ai-laran sira ne'e iha relasaun ho asaun violénsia nian no intimidasaun hasoru defensor sira hosi meiu ambiente iha nasaun.

Tuir HRW, Governu brazileiru falla ona bainhira tenta investiga no prosesa responsável sira ba krimi ida hanesan ne'e, husik eskapa maioria hosi responsável sira ba asasíniu hosi ambientalista sira no defensor sira hosi ai-laran tropikal boot liu iha mundu.

"Ema brazileiru sira ne'ebé defende Amazónia hasoru daudaun ameasa sira ho atake sira hosi rede kriminozu ne'ebé envolve iha extrasaun ilegal ba ai", hatete hosi Daniel Wilkinson, diretór interinu hosi direitu ema nian no meiu ambiente nian hosi Human Right Watch.

"Situasaun halo sai aat liu bainhira Prezidente [hosi Brazil, Jair] Bolsonaro, ne'ebé atake ba ajénsia ambiental sira nian iha nasaun, hamosu risku ba ai-laran tropikal no ba ema sira ne'ebé maka hela iha ne'ebá", nia hatutan.

Hodi elabora relatóriu, HRW entrevista ona ema na'in 170 resin, inklui na'in 60 ne'ebé hanesan membru hosi komunidade indíjena sira no rezidente sira seluk hosi estadu amazónika tolu: Maranhão, Pará ho Rondónia.

Tuir ONG, rede kriminozu sira baibain kordenadu hosi fazendeiru sira ho ema sira ne'ebé invade ilegalmente rai sira ne'ebé maka atua iha rejiaun ho kapasidade lojístika sira hodi kordena extrasaun, prosesamentu ho fa'an ai sira ho eskala boot, bainhira mobiliza mane armadu sira hodi intimida no, iha kazu balun, oho ema sira ne'ebé hakarak defende ai-laran sira.

Investigador sira entrevista mós funsionáriu hamutuk sanulu resin hosi Governu iha Brazília no iha rejiaun amazónika tomak, inklui sira barak ne'ebé temi oinsá hili polítika iha jestaun Bolsonaro ne'ebé estraga esforsu sira fiskalizasaun nian hodi impede destruisaun ai-laran nian.

"Duranre nia tinan dahuluk iha kargu, Bolsonaro hamenus ona aplikasaun hosi lei ambiental sira, halo fraku ajénsia ambiental federal sira no kritika maka'as ona organizasaun sira ho ema sira ne'ebé serbisu hodi prezerva ai-laran amazónika", hatete iha relatóriu.

HRW hala'o ona entrevista hamutuk 60 resin ho autoridade sira ne'ebé envolvidu iha aplikasaun hosi lei ambiental sira ka kriminal sira iha rejiaun, no entrevista hamutuk 60 seluk ho membru sira hosi komunidade indíjena sira ho populasaun sira, no hetan ona konsensu boot ida katak violénsia ne'e hanesan problema jeneralizadu kleur ona iha rejiaun.

Ema liu na'in 300 resin mate ona iha dékada ikus ne'e iha kontestu hosi konflitu sira ba uzu rai nian ho rekursu iha Amazónia, haktuir hosi informasaun ne'ebé hetan hosi organizasaun ho ligasaun ba igreja Katólika Comissão Pastoral da Terra (CPT).

HRW dokumenta ona asasíniu hamutuk 28, tentativa oho hamutuk haat no kazu ameasa mate nian hamutuk 40 iha relatóriu, hodi hatete katak iha kazu sira ne'e hotu ezisti "evidénsia ne'ebé bele konfia katak responsável sira envolve iha asaun desflorestasaun ilegal no haree sira nia vítima hanesan obstákulu ba nia emprendimentu kriminozu".

Informasaun preokupante seluk hatudu katak responsável sira hosi asaun sira violénsia nian iha rejiaun ladún lori ba Justisa.

"Hosi asasíniu hamutuk 300 resin ne'ebé rejista hosi CPT, iha de'it 14 maka hetan julgamentu, hosi asasíniu dokumentadu hosi Human Rights Watch, hamutuk 28, kazu rua de'it maka ba julgamentu no hosi kazu hamutuk 40 resin ba ameasa sira laiha kazu ida maka hetan kastigu", haktuir hosi ONG.

Dokumentu hatudu katak falta hosi responsabilizasaun ba krimi sira ne'ebé akontese, iha parte barak, tanba polísia brazileiru la halo investigasaun sira ho di'ak.

"Polísia lokal rekoñese ona nia fraku no hatete katak [ne'e akontese] tanba asasíniu sira akontese iha área remota sira. Maibé, Human Rights Watch dokumenta ona omisaun maka'as sira iha investigasaun sira hosi asasíniu sira ne'ebé akontese iha sidade sira, […] inklui falla iha realizasaun hosi autópsia sira", destaka hosi relatóriu.

Investigasaun sira hosi ameasa sira mate nian laiha rezultadu di'ak, autoridade sira hosi fatin balun lakohi rejista kesar sira hosi ameasa sira.

"Iha pelumenus asasíniu hamutuk 19 hosi asasíniu dokumentadu hamutuk 28, ameasa sira hasoru vítima sira ka sira nia komunidade akontese antes atake sira. Bainhira autoridade sira balo investigasaun, karik bele evita asasíniu sira", haktuir hosi relatóriu.

Iha konkluzaun, HRW aponta ona katak komuniade indíjena ho rezidente sira seluk hosi Amazónia kleur ona maka iha knaar importante ida iha esforsu sira nasaun nian hodi hapara desmatamentu, alerta autoridade sira kona-ba atividade ilegal sira ne'ebé, ho dalan seluk, bele laiha koñesimentu.

Maibé, diminuisaun hosi fiskalizasaun ambiental insentiva estrasaun ilegal hosi ai no hamosu destruisaun boot hosi ai-laran amazónika iha Brazil.

Fonte: Ajénsia Lusa

17
Set19

Amazónia: Criminosos atacam defensores do meio ambiente para destruir a floresta no Brasil

SAPO TL

A desflorestação da Amazónia brasileira é impulsionada por redes criminosas criadas por invasores e fazendeiros que usam violência e intimidação contra quem tenta impedi-los, denunciou a Human Rights Watch (HRW) num relatório divulgado hoje.

amazonia.jpg

O documento de 165 páginas intitulado "Máfias da floresta tropical: como a violência e a impunidade alimentam o desmatamento na Amazónia brasileira", elaborado pela organização não-governamental, aponta que a desflorestação ilegal e os incêndios florestais estão relacionados com atos de violência e intimidação contra defensores do meio ambiente no país.

Segundo a HRW, o Governo brasileiro fracassou quando tentou investigar e processar responsáveis por este tipo de crime, deixando de punir a maioria dos responsáveis pelo assassínio de ambientalistas e defensores da maior floresta tropical do mundo.

"Os brasileiros que defendem a Amazónia estão a enfrentar ameaças e ataques de redes criminosas envolvidas em extração ilegal de madeira", disse Daniel Wilkinson, diretor interino de direitos humanos e meio ambiente da Human Right Watch.

"A situação só está a piorar com o Presidente [do Brasil, Jair] Bolsonaro, cujo ataque às agências ambientais do país está a colocar em risco a floresta tropical e as pessoas que vivem lá", acrescentou.

Para elaborar o relatório, a HRW entrevistou mais de 170 pessoas, incluindo 60 membros de comunidades indígenas e outros residentes de três estados amazónicos: Maranhão, Pará e Rondônia.

Segundo a ONG, redes criminosas geralmente coordenadas por fazendeiros e pessoas que invadem terras ilegalmente atuam na região com capacidade logística de coordenar a extração, o processamento e a venda em larga escala de madeira, enquanto mobilizam homens armados para intimidar e, em alguns casos, matar aqueles que procuram defender a floresta.

Os investigadores também entrevistaram dezenas de funcionários do Governo em Brasília e em toda a região amazónica, incluindo muitos que mencionaram como as políticas adotadas na gestão Bolsonaro estão a minar os esforços de fiscalização para impedir a destruição da floresta.

"Durante o seu primeiro ano no cargo, Bolsonaro reduziu a aplicação das leis ambientais, enfraqueceu as agências ambientais federais e criticou duramente organizações e indivíduos que trabalham para preservar a floresta amazónica", diz-se no relatório.

A HRW realizou mais de 60 entrevistas com autoridades envolvidas na aplicação de leis ambientais ou criminais na região, e outras 60 entrevistas com membros de comunidades indígenas e moradores, e encontrou um amplo consenso de que essa violência é um problema generalizado na região há anos.

Mais de 300 pessoas foram mortas na última década no contexto de conflitos pelo uso da terra e recursos na Amazónia, segundo dados recolhidos pela organização ligada à igreja católica Comissão Pastoral da Terra (CPT).

A HRW documentou 28 assassínios, quatro tentativas de morte e 40 casos de ameaças de morte no relatório, frisando que em todos estes casos existem "evidências confiáveis de que os responsáveis estavam envolvidos em atos de desflorestação ilegal e viam as suas vítimas como obstáculos ao seu empreendimento criminoso".

Outro dado alarmante diz respeito ao facto de que os responsáveis por atos de violência na região raramente são levados à Justiça.

"Dos mais de 300 assassínios registados pelo CPT, apenas 14 foram julgados; dos 28 assassínios documentados pela Human Rights Watch, apenas dois foram a julgamento e nenhum dos mais de 40 casos ou ameaças resultaram em alguma punição", segundo a ONG.

O documento apontou que a falta de responsabilização pelos crimes decorre, em grande parte, do facto de a polícia brasileira não conduzir investigações apropriadas.

"A polícia local reconheceu o seu fracasso e disse que [isto acontece] porque os assassínios ocorrem em áreas remotas. No entanto, a Human Rights Watch documentou omissões flagrantes nas investigações de assassínios ocorridos nas cidades, […] incluindo a falha na realização de autópsias", destacou o relatório.

As investigações de ameaças de morte não se saem melhor, com autoridades em alguns locais a recusarem-se a registar queixas de ameaças.

"Em pelo menos 19 dos 28 assassínios documentados, ameaças contra as vítimas ou as suas comunidades precederam os ataques. Se as autoridades tivessem investigado, os assassínios poderiam ter sido evitados", segundo o relatório.

Na conclusão, a HRW apontou que as comunidades indígenas e outros residentes da Amazónia há muito tempo desempenham um papel importante nos esforços do país para conter o desmatamento, alertando as autoridades sobre as atividades ilegais que, de outra forma, poderiam passar despercebidas.

No entanto, a redução da fiscalização ambiental incentiva a extração ilegal de madeira e resulta em maior destruição da floresta amazónica no Brasil.

Fonte: Agência Lusa

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D