Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Hora do Planeta

17
Out16

Alterasaun klimátika bele halo ema millaun 122 resin tama iha pobreza - FAO

SAPO TL

Organizasaun ba Alimentasan no Agrikultura alerta iha loron-segunda ne'e katak hanesan urjente área agríkola adapta ba alterasaun klimátiku sira ne'ebé bele halo ema millaun 122 resin tama iha pobreza. 


 



Foto@ António Dasiparu 


 


"Tenki foti medida sira agora hodi hametin agrikultura sai sustentável liu, produtivu no fleksivel hodi nune'e impaktu sira hosi alterasaun klimátiku labele kompromete maka'as produsaun hahán nian iha nasaun no rejiaun sira ne'ebé hasoru ona inseguransa alimentar ne'ebé aas", hakerek hosi diretór-jeral organizasaun nian, José Graziano da Silva, iha prefásiu hosi relatóriu ne'ebé publika iha loron-segunda ne'e.


 


Ho títulu "Estadu hosi Alimentasaun no Agrikultura", relatóriu subliña ona katak, bainhira laiha alterasaun klimátiku, rejiaun barak sei hakarak hamenus ema sira hosi pobreza to'o tinan 2050.

Ho mudansa sira iha klima, no bainhira sei la halo buat ida, kalkula ona katak populasaun moris iha kiak iha ona aumentu ida entre millaun 3 no 122 to'o tinan 2030. Ne'e akontese liuliu tanba impaktu negativu sira hosi akesimentu global iha área agríkola.


 


Sira ne'ebé maka sei afetadu liu maka populasaun sira iha zona kiak sira hosi Áfrika subsarianu, no hosi Súl no Sudeste Aziátiku, liuliu sira ne'ebé maka depende hosi agrikultura hodi moris.

Graziano da Silva defende katak hamlaha, kiak no alterasaun klimátiku sira tenki hala'o hamutuk, maski hanesan "imperativu moral ida, tanba sira ne'ebé maka terus ohin loron hanesan ema sira ne'ebé ladún kontribui ba alterasaun klimátiku sira".


 


Relatóriu hosi FAO fó hanoin katak atu mantén aumentu hosi temperatura global ki'ik liu hosi limiti 2ºC, emisaun sira hosi gás ho efeitu estufa tenki hamenus 70% to'o tinan 2050, ne'ebé sei iha posibilidade ho kontributu hosi área agríkola sira.


 


Pelumenus, área sira ne'e hanesan responsável na 1/5 hosi emisaun sira, liuliu tanba konversaun hosi ai-laran sira iha rai ne'ebé kultivadu, maibé mós tanba pekuária no ba produsaun agríkola nian.

Maibé, tuir hakerek hosi autor sira, área agríkola hasoru dezafiu duplu: hamenus emisaun sira gás nian ho efeitu estufa iha tempu hanesan bainhira produs tan hahán hodi halo bosu populasaun ida ne'ebé aumenta no populasaun ne'ebé aumenta riku.


 


Kalkula katak asaun hodi buka hahán iha 2050 sei aumenta pelumenus 60% duke iha 2006, maibé kresimentu populasaun nian sei konsentra iha rejiaun sira ne'ebé ohin loron iha superioridade ba subnutrisaun no fraku maka'as hasoru alterasaun klimátiku sira.


 


Relatóriu rekoñese katak hadi'a fali agrkultura no sistema alimentar sira sei hanesan prosesu kompleksu ida, tanba númeru boot hosi parte envolvidu sira, ba multiplisidade hosi sistema agríkola no hosi produsaun hahán nian no ba ekosistema sira ne'ebé la hanesan.


 


Nia alerta katak tenki hahú esforsu sira agora tanba impaktu hosi alterasaun klimátiku sira sei sai aat liu ho tempu no bainhira la halo buat ida nasaun kiak sira iha futuru sei hasoru iha tempu hanesan hamlaha, kiak no mudansa klimátiku sira. Iha Graziano da Silva nia liafuan sira, "benefísiu sira adaptasaun nian ultrapasa folin sira hosi falta asaun nian ho marjen ida ne'ebé boot tebes".


 


Iha loron balun antes Konferénsia ba dala 22 hosi Parte sira Konvensaun-Kuadru ONU nian kona-ba Alterasaun Klimátiku, ne'ebé hahú iha 07 Novembru iha Maroko, relatóriu subliña katak susesu hosi mudansa agrikultura depende maka'as hosi tulun ba proprietáriu ki'ik sira iha adaptasaun ba mudansa klimátiku sira.


 


Kalkula katak iha nasaun sira iha dezenvolvimentu família hamutuk millaun 475 resin hosi proprietáriu ki'ik sira ne'ebé prodús iha kontestu sosioekonómiku sira no kondisaun agroekolójiku sira ne'ebé la hanesan, nune'e laiha de'it resposta ida.

Maibé, FAO hakerek iha relatóriu dalan "atlternativu balun no di'ak iha ekonomia" hodi tulun agrikultór sira hodi adapta no halo sira nia moris sai fleksivel, liuliu adopsaun ba hahalok matenek sira,hanesan uza kultura nitrojéniu-efisiente oioin no tolerante ba manas.


 


Adopsaun jeneralizadu hosi prátika nitrojéniu-efisiente, hanesan ezemplu, sei permiti hamenus ema millaun 100 resin hodi labele hetan subnutrisaun, kalkula iha relatóriu.

ho Lusa

17
Out16

Alterações climáticas deverão lançar até mais 122 milhões de pessoas na pobreza - FAO

SAPO TL

A Organização para a Alimentação e a Agricultura alertou hoje que é urgente ajudar o setor agrícola a adaptar-se às alterações climáticas, que poderão lançar até mais 122 milhões de pessoas na pobreza. 


 



Foto@ António Dasiparu


 


"A menos que sejam tomadas medidas agora para tornar a agricultura mais sustentável, produtiva e resiliente, os impactos das alterações climáticas irão comprometer gravemente a produção alimentar em países e regiões que já enfrentam uma alta insegurança alimentar", escreve o diretor-geral da organização, José Graziano da Silva, no prefácio de um relatório hoje publicado.


 


Intitulado "O estado da Alimentação e da Agricultura", o relatório sublinha que, se não houvesse alterações climáticas, a maioria das regiões deveria ver reduzir o número de pessoas em risco de pobreza até 2050.


 


Com as mudanças no clima, e se nada for feito, estima-se que a população a viver em pobreza registe um aumento de entre 35 e 122 milhões até 2030.


Isto deve-se sobretudo aos impactos negativos do aquecimento global no setor agrícola.


 


Os mais afetados seriam as populações nas zonas mais pobres da África subsaariana, e do Sul e Sudeste Asiático, especialmente os que dependem da agricultura para viver.


 


Graziano da Silva defende que a fome, a pobreza e as alterações climáticas têm de ser abordadas em conjunto, quanto mais não seja "por um imperativo moral, porque aqueles que hoje mais sofrem são os que menos contribuíram para as alterações climáticas".


 


O relatório da FAO recorda que para manter o aumento da temperatura global abaixo do teto de 2°C, as emissões de gases com efeitos de estufa terão de diminuir 70% até 2050, o que só será possível com o contributo dos setores agrícolas.


 


Estes setores são responsáveis por, pelo menos, um quinto de todas as emissões, sobretudo devido à conversão das florestas em terra cultivada, mas também devido à pecuária e à produção agrícola.


 


No entanto, escrevem os autores, os setores agrícolas enfrentam um duplo desafio: reduzir as emissões de gases com efeitos de estufa ao mesmo tempo que produzem mais alimentos para saciar uma população crescente e cada vez mais rica.


 


Estima-se que a procura global por alimentos em 2050 seja pelo menos 60% maior do que em 2006, mas o crescimento populacional será concentrado nas regiões que já hoje têm maior prevalência de subnutrição e maior vulnerabilidade às alterações climáticas.


 


O relatório reconhece que reformular a agricultura e os sistemas alimentares será um processo complexo, devido ao vasto número de partes envolvidas, à multiplicidade dos sistemas agrícolas e de produção alimentar e às diferenças nos ecossistemas.


 


No entanto, alerta, os esforços têm de começar agora, porque os impactos das alterações climáticas só piorarão com o tempo e se nada for feito os países mais pobres terão no futuro de enfrentar simultaneamente a fome, a pobreza e as mudanças climáticas. Nas palavras de Graziano da Silva, "os benefícios da adaptação ultrapassam os custos da inação com margens muito grandes".


 


Nas vésperas da 22.ª Conferência das Partes da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Alterações Climáticas, que começa a 07 de novembro em Marrocos, o relatório sublinha que o sucesso da transformação da agricultura depende em grande medida da ajuda aos pequenos proprietários na adaptação às mudanças climáticas.


 


Estima-se que haja nos países em desenvolvimento cerca de 475 milhões de famílias de pequenos proprietários que produzem em contextos socioeconómicos e condições agroecológicas muito distintas, pelo que não existe uma só resposta.


 


No entanto, a FAO descreve, no relatório, algumas formas "alternativas e economicamente viáveis" de ajudar os agricultores a adaptar-se e a tornar as suas formas de vida mais resilientes, nomeadamente a adoção de práticas inteligentes, como o uso de variedades de culturas nitrogénio-eficientes e tolerantes ao calor.


 


A adoção generalizada de práticas nitrogénio-eficientes, por exemplo, permitiria reduzir em mais de 100 milhões o número de pessoas em risco de subnutrição, estima o relatório.


 


com Lusa

17
Out16

Panda ne'ebé ferik liu iha mundu ne'ebé hela iha kativeiru mate ona iha Hong Kong

SAPO TL

Panda ne'ebé hela iha kativeiru ne'ebé hanesan ida ne'ebé ferik liu iha mundu mate ona iha loron-domingu kalan iha parke ida atrasaun nian iha Hong Kong, ho tinan 38 ne'ebé ekivale tinan 114 hosi ema moris ida nian. 


 



Fotografia hosi panda Jia Jia ne'ebé hasai iha loron 06 Setembru 2013 iha nia loron aniversáriu. Foto@ Tom White / EPA


 


Panda inan Jia Jia sujeita ba eutanázia, hafoin nia estadu saúde sai aat liu iha semana hirak ikus ne'e, esplika ona hosi responsável sira iha Ocean Park, liuhosi komunikadu ida.


 


"Iha loron hirak ikus ne'e nia ladún hadeer no la hatudu interese ba hahán no ba bee", haktuir hosi komunikadu hanesan ne'ebé fó sai katak iha loron-domingu dadeer panda ne'e la konsege la'o ona no toba loron tomak.


 


Jia Jia, ne'ebé nia naran signifika "di'ak", hanesan prezente ida hosi Governu xinés ba rejiaun administrativu espesial HongKong, iha 1999, iha aniversáriu daruak hosi entrega eis-kolónia britániku ne'e ba Xina.


 


Tinan naruk hosi animal ne'e hanesan kazu úniku iha nia espésie, tanba esperansa hodi moris hosi panda sira ne'e maka ki'ik liu tinan 20, tinan ne'ebé baibain sira hetan bainhira hela iha kativeiru.


 


Destruisaun hosi habitat natural sira ne'ebé hanesan panda nia moris fatin halo sira sai oituan ba de'it panda hamutuk rihun rua.


 


Tanba taxa natalidade ne'ebé ki'ik, programa sira reprodusaun nian iha kativeiru sai hanesan importante hodi hametin sobrevivénsia hosi espésie ne'e.


 


Durante tempu ne'ebé nia moris iha Hong Kong, Jia Jia hahoris panda neen iha partu lima.


 


ho Lusa

17
Out16

Morre em Hong Kong urso panda em cativeiro mais velho do mundo

SAPO TL

O urso panda em cativeiro mais velho do mundo morreu no domingo à noite num parque de atrações de Hong Kong, aos 38 anos, o equivalente a 114 anos de idade num ser humano. 


 



Fotografia do panda Jia Jia tirada no dia 06 de Setembro de 2013 no seu dia de aniversário. Foto@ Tom White / EPA


 


A fêmea Jia Jia foi submetida a eutanásia, depois de o seu estado de saúde se ter deteriorado muito nas últimas semanas, explicaram os responsáveis pelo Ocean Park, num comunicado.


 


"Nos últimos dias tinha passado menos tempo acordada e não mostrava interesse pela comida ou pelos líquidos", segundo o mesmo comunicado, que revela que no domingo de manhã a panda já não conseguia caminhar e permaneceu todo o dia deitada.


 


Jia Jia, cujo nome significa "boa", tinha sido um presente do Governo chinês à região administrativa especial de Hong Kong, em 1999, a propósito do segundo aniversário da entrega da ex-colónia britânica à China.


 


A longevidade deste animal é um caso único na sua espécie, porque a esperança de vida destes pandas é inferior a 20 anos, a idade que costumam alcançar quando vivem em cativeiro.


 


A destruição dos habitats naturais onde vive o urso panda reduziu a espécie a menos de 2000 exemplares.


 


Por causa da sua baixa taxa de natalidade, os programas de reprodução em cativeiro tornaram-se essenciais para assegurar a sobrevivência da espécie.


Durante o tempo que viveu em Hong Kong, Jia Jia deu à luz seis crias em cinco partos.


 


com Lusa

17
Out16

Loke ona santuáriu dahuluk ba elefante sira hosi Amérika Latina

SAPO TL

Inaugurasaun hosi santuáriu dahuluk ba elefante Guida ho Maia hosi Amérika Latina, ne’ebé maka moris kativeiru durante tinan 40 resin.





 


Okupante foun dahuluk ba santuáriu ne’e maka sei fó esperansa moris ba animál hirak ne’e, hafoin lori sira ilegalmente hosi Tailándia bá iha Brazil, iha semana kotuk no hafoin lori sira rua la’o lemo-lemo durante sirku ne’ebé hala’o iha sidade barak.


 


Ho kapasidade atu simu elefante besik 50, santuáriu foun ne’e hanesan obra Internacional Global Sanctuary for Elephants, organizasaun internasionál la’os-governamentál ida ne’ebé luta hodi fó prezervasaun ba espésie ne’ebé ita ema prejudika sira-ninia moris, durante tempu barak. “Ita ema bá lori sai elefante hosi ai-laran ka sira-ninia fatin hodi bá hatudu espetákulu iha sirku, Ita presija fó dignidade ba sira nomós respeita sira”, tenik prezidente ONG, Scott Blais.


 


Santuáriu ne’e ofisialmente inaugural ona iha Chapada dos Guimarães, Mato Grosso, kuarta-feira liu ba, no sai nu’udar santuáriu ho rai hektare 1100 resin, ekivale ba kampo futeból 1540.


 


Ba oras ne’e, Guida ho Maia maka sai nu’udar abitante ba santuáriu ne’e, maibé iha inisiu 2017 Ramba sei ba tan ho sira na’in rua, elefante ne’ebé hetan salva hosi sirku iha Xili. Maski iha ona santuáriu, maibé ema labele bá to’o iha ne’ebá hodi haree, tanba husik animal sira ne’e sente hakmatek, maibé bele akompaña elefante sira ne’e ninia moris lolroon liu hosi site.


 


Iha de’it Brazil, maka elefante 30 resin hetan ameasaun, tanba sai hanesan dadur ba sirku ka ladun hetan tratamentu di’ak hosi sira-ninia nasaun.


 


Foto: Santuário Elefantes Brazil 

17
Out16

já abriu o primeiro santuário para elefantes da América Latina

SAPO TL

A inauguração do primeiro santuário para elefantes da América Latina, ficou a cabo de Guida e Maia, dois elefantes a viver em cativeiro há mais de 40 anos.






Os primeiros ocupantes do espaço que quer ser uma nova esperança na vida destes animais, foram trazidos de forma ilegal da Tailândia para o Brasil, com poucas semanas, e desde então foram atracções de circos em várias cidades do país.


 


Com capacidade para acolher perto de 50 elefantes, o novo santuário brasileiro é obra da Internacional Global Sanctuary for Elephants, uma organização não governamental internacional que luta pela preservação desta espécie, tão prejudicada por mão humana há já muito tempo. “Os humanos têm tirado os elefantes da natureza para os oferecer como entretenimento. Precisamos de lhes dar a dignidade e o respeito que eles merecem”, alerta Scott Blais, presidente desta ONG.


 


Inaugurado oficialmente na passada quarta feira em Chapada dos Guimarães, Mato Grosso, o novo santuário conta com mais de 1100 hectares de terreno, o equivalente a 1540 campos de futebol.


 


Para já Guida e Maia são os únicos habitantes do santuário, mas no início de 2017 Ramba, um elefante salvo de um circo no Chile, irá juntar-se ao grupo. O santuário não permitirá visitas ao local para garantir a tranquilidade dos animais, mas através do site será possível acompanhar em tempo real o dia-a-dia destes elefantes.


 


Só no Brasil, estima-se que mais de 30 elefantes se encontram em situações de risco, seja por estarem prisioneiros de um circo ou por maus tratos em fazendas não identificadas pelo país.


 


Foto: Santuário Elefantes Brasil

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D